12
Anterior
Condutor atropela procissão em Amarante (vídeo)
Seguinte
Operação Páscoa: balanço de vítimas mortais sobe para nove
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Médicos aderem à greve de 6 de maio

Médicos aderem à greve de 6 de maio

Os médicos vão aderir à greve de 6 de maio da Função Pública para exigir a reposição imediata das "verbas indevidamente descontadas" às horas extraordinárias.
Lusa |
Médicos também aderem à greve
Médicos também aderem à greve / Tiago Petinga/Lusa

Os médicos vão aderir à greve de 6 de maio da Função Pública para exigir a reposição imediata das "verbas indevidamente descontadas" às horas extraordinárias e a negociação da grelha salarial única para a carreira, anunciaram os sindicatos.

A Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública anunciou a 07 de abril uma greve nacional para 6 de maio em defesa de "uma mudança de rumo político para o país que garanta a defesa dos serviços públicos e dos trabalhadores" do setor.

Num aviso prévio de greve publicado no seu site oficial, a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) refere que os sindicatos dos médicos do Norte, Centro e Sul decidiram convocar a greve para reivindicar "serviços públicos de qualidade e ao serviço de todos" e um "Serviço Nacional de Saúde (SNS) geral, universal e tendencialmente gratuito".

Exigências do setor médico


A "reposição imediata das verbas indevidamente descontadas a nível do trabalho extraordinário efetuado até final do ano passado", a "negociação da grelha salarial única para a carreira médica", a "contratação imediata" dos jovens especialistas e a "extinção dos regimes empresariais na saúde que têm originado o descalabro financeiro do setor" são outras reivindicações dos clínicos.

Durante a greve, os médicos devem garantir os tratamentos de quimioterapia e radioterapia, diálise, a urgência interna, a dispensa de medicamentos de uso exclusivamente hospitalar e a imunohemoterapia com ligação aos dadores de sangue, recolha de órgãos e transplantes.

Terão também de ser assegurados os cuidados paliativos em internamento e a punção folicular que, por determinação médica, deve ser realizada em mulheres cujo procedimento de procriação medicamente assistida tenha sido iniciado e decorra em estabelecimento do SNS.


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 12 Comentar
ordenar por:
mais votados
Greve de privilegiados
Só faz greve quem (ainda) não tem medo de perder o emprego. Os médicos, além de serem privilegiados ainda contam com o apio do BE e do PCP.
Acontece que os credores se estão marimbando para os votos e para os tachos e o resultado será ainda pior. Espero que os portugueses das classes médias e medias baixas percebem que Jerónimo de Sousa, Carvalho da Silva, Francisco Louçã, etc, etc, também vivem acimas das possibildades do país e defendem as classes privilegiadas a que pertencem.
o convívio dos parasitas
Greve
Como se sabe os médicos possuem um curso superior e como tal é natural que se não deixem manipular por sindicalistas que sobrevivem à custa do cargo!
Carvalho da Silva, Mário Nogueira, João Proença e outros mais, porque não vão trabalhar ?
Além do mais exigia-se lhe um pouco mais de responsabilidade, atendendo a que ninguém acredita que não saibam que é hora de arregaçar as mangas
Afinal não passam de uns irresponsáveis !
Se não estão satisfeitos com o emprego, porque não vão para a Privada ?
É que no Estado, as exigências são bem menores !
IRRESPONSÁVEIS !
a morte do sindicalismo e do corporativismo
Re: a morte do sindicalismo e do corporativismo
Eu se fosse médico não fazia greve
Dava uma injecção letal a Sócrates e resolvia todos os problemas do país.
assim pensam os anti-Sócrates
Mais do mesmo
O que se diz para os maquinistas da CP tem de se dizer para estes corporativistas. Estão ao nível deles.

Mais umas quantas primas-donas aolharem para o umbigo.

Re: Mais do mesmo
Re: Mais do mesmo
Médicos!
Não confundamos as coisas. Já fui atendido por médicos que o são de facto e não porque tiveram boas notas. A maioria é digna do nome. Se querem saber até acho que deviam ganhar mais. São 6 + 5 anos de esforço, trabalham sob estresse horrível e comparado com outras profissões (advogados , professores) ganham pouco. Temo que muitos comecem a migrar para outros países da Europa quando a crise apertar.
Afinal ?
Isto de greves não é só de "comunistas" ? Agora os médicos também já pertencem a esta classe política ? Ao que nós já chegámos ! ;-))
Comentários 12 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub