Anterior
Seguro, Alegre, Balsemão, Mendes e Menezes indicados para o Conselho ...
Seguinte
PSD fez chamada falsa para o 112
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Médico português anuncia tratamento revolucionário da próstata (vídeo)

Médico português anuncia tratamento revolucionário da próstata (vídeo)

Martins Pisco acredita ter encontrado um tratamento único no mundo para o crescimento anormal da próstata, sem recorrer a cirurgia. Médicos e pacientes estrangeiros fazem fila, mas urologistas dizem que ainda é cedo para acreditar.
|

James La Giglia, americano de 48 anos, saiu de Hong Kong e veio de propósito para Portugal. Da barriga, espreitava um tubo que fazia a ligação direta da bexiga a uma bolsa exterior.  Martins Pisco, radiologista, prometeu-lhe uma solução única no mundo, em busca de um tratamento alternativo.

"Tinha muitos problemas, tenho este saco desde Março de 2010, pura e simplesmente não consigo urinar. Não tinha dores, apenas desconforto e a minha vida tornou-se muito difícil. Ia a qualquer lado e as pessoas olhavam para mim, por vezes aparecem coágulos de sangue no tubo e vou parar às urgências", descreve LaGiglia, deitado no bloco operatório e prestes a iniciar o cateterismo das artérias da próstata.

James, jornalista numa televisão de Hong Kong, vai manter-se acordado ao longo da intervenção, que durará aproximadamente uma hora. Com viagens incluidas, pagou perto de 6 mil euros por esta solução, porque acredita que poderá mudar a sua vida. "Disseram-me em Hong Kong, que é um país até bastante desenvolvido, que havia duas operações possíveis, uma delas é a TURP (retração transuretral da próstata) mas que aí teria 90 por cento de hipótese de efeitos secundários, tais como não poder mais ter filhos e depois havia também outra hipótese, em Hong Kong e nos EUA que era a operação a laser, mas tinha 60 por cento de hipótese de efeitos secundários, por isso andei à procura de outra alternativa", acrescenta.

Uma vida ligada à Medicina 


João Martins Pisco, 65 anos, é médico radiologista há mais de 30 anos no Hospital Pulido Valente, em Lisboa, mas opera também no privado, no Hospital francês. Foi pioneiro na introdução desta técnica no tratamento dos fibromiomas do útero nas mulheres e agora acredita ter nas mãos a melhor solução para a hiperplasia - o crescimento anormal - da próstata, algo que acontece a mais de metade dos homens a partir dos 60 anos.

Nem todos, no entanto, apresentam sintomas que lhes permitam avançar para o tratamento. "Nós só tratamos se houver queixas, dificuldade em urinar, fazer muitas vezes ou ter um jato urinário fraquinho, bem como quem faz retenção urinária, que não consegue fazer tudo", explica Martins Pisco.

Para o radiologista, que até ao momento já tratou mais de 114 doentes, o truque está na seleção apurada dos pacientes, mas depois - garante - a taxa de sucesso ronda os 90 por cento, à semelhança do que acontece com os tratamentos por embolização no útero das mulheres. Isto faz com que o procedimento esteja a gerar grande interesse por parte dos especialistas de radiologia em todo o mundo.

"Quando há 10 anos se começou a embolização nas mulheres, nos fibromiomas do útero, era apenas um tratamento promissor, hoje é um tratamento comum e com muito poucas complicações para elas. Eu penso que com os homens, este tratamento será também comum daqui a 10 anos, mas para a próstata", afirma ao Expresso Maurizio Grosso, radiologista de intervenção do Hospital Sta Croce, em Cuneo, no norte de Itália.

Médicos de todo o mundo vêm a Lisboa 


Veio com mais três colegas de propósito para assistir ao procedimento em vários pacientes, ao longo do dia. Um deles é Enrique Aguirrezabala, presidente do Conselho de Desenvolvimento Económico Europeu. Com 64 anos, há 12 que aguentava com problemas na próstata. "Nunca tive uma vida muito complicada por causa disto, mas acho que é preferível atacar o problema mais cedo, do que tornar-se complicado mais tarde", diz.

Durante mais de uma década, amigos e conhecidos tentaram levá-lo para a cirurgia. Mas Enrique era avesso a que lhe abrissem o corpo. Até que alguém lhe falou nesta solução, depois de muito pesquisar no Google. "Isto é um método fantástico e estou agora a propôr ao Dr. Pisco levá-lo para todo o mundo, com o nosso apoio, abrindo clínicas na Europa, nos Estados Unidos, no Médio Oriente e na América Latina. Porque isto não é uma questão de dinheiro, trata-se de uma questão de saúde mundial", afiança o presidente do CDEE. Duas semanas mais tarde, garantiu por email ao Expresso estar bastante melhor: "Graças a Deus estou são, correu tudo muito bem e estou de facto melhor. No dia seguinte, até fui logo à piscina e nadei", conta Enrique Aguirrezabala.

Cesare Saluzzo, médico italiano de Pavia, está satisfeito com o que vê, ao observar os monitores de raio X que põem a nú as artérias dos pacientes, enquanto os cateteres deixam pequenas esferas lá dentro, para entupir o fornecimento de sangue à próstata. Desta forma, com menos 'alimento', a próstata acaba por minguar e volta a permitir um fluxo urinário normal.

"A técnica, o procedimento, já é antigo para nós como radiologistas de intervenção mas nós viemos até cá para perceber esta nova utilização que o professor Pisco começou. Queremos ver sobretudo não os aspetos técnicos, mas as indicações e queremos perceber se será possível fazer uma espécie de registo da técnica em Itália, com regras e indicações claras neste novo campo", explica Cesare Saluzzo, médico radiologista de Pavia, norte de Itália.

A embolização arterial da próstata aplica-se a doentes que tenham próstata grande, um fluxo urinário baixo e que não tenham tumores malignos. Também não é um tratamento para a impotência, embora - segundo Martins Pisco - possa revelar resultados em cerca de um terço dos pacientes, dado que após o tratamento deixam de tomar medicamentos que acabavam por ter efeitos nesse campo.

Urologistas ainda não estão convencidos


Para José Palma dos Reis, presidente do Colégio de Urologia da Ordem dos Médicos, a palavra certa é "prudência". "Convém referir que isto se trata de um procedimento investigacional, que ainda não está validado cientificamente pelos pares. Mas desde que os doentes estejam devidamente informados, não temos nada a opor", afirma ao Expresso.

Palma dos Reis admite que até ao momento não houve queixas ao Colégio mas adianta que, para se tornar numa técnica comum, o processo terá de ter ensaios validados em vários centros e que permitam aferir os resultados. Em testes clínicos, seria ainda necessário um grupo de despiste, introduzindo o efeito placebo. Isto porque o placebo - um teste que se aplica aos pacientes, convencendo-os de que foram intervencionados ou medicados quando na realidade não foram - provoca muitas vezes efeitos psicológicos e induz melhorias reais em pacientes, mesmo que estes não tenham sofrido qualquer tipo de tratamento. E isto pode distorcer os resultados.

Pisco, consciente de alguma resistência por parte dos urologistas portugueses, defende-se: "Quando se inicia qualquer técnica, é natural sempre uma certa suspeição, uma certa dúvida sobre a técnica. Mas nós neste momento já temos 114 doentes tratados, claro que nem tudo é sucesso mas a percentagem de sucesso da técnica é de 90 por cento, o que é muito bom. Já convidei vários urologistas a virem cá, alguns não aceitam mas a técnica está a ter uma grande aceitação lá fora, pelos urologistas, pelos radiologistas de intervenção e pelos próprios doentes. Quando têm conhecimento querem ser tratados, porque os riscos da cirurgia são muitos", garante.

Cesare, de Pavia, Itália, diz que o mesmo acontecerá seguramente no seu país, devido a quezílias habituais entre diferentes especialidades da Medicina: "Isso é uma estória antiga, é a nossa história como radiologistas de intervenção. Somos sempre pioneiros, há qualquer coisa de novo. Acreditamos em outros médicos, em cooperar com as outras áreas da Medicina e eles deviam fazer o mesmo, ginecologistas, urologistas, hepatologistas, diabetologistas e todos os ramos da Medicina. Nós estamos numa nova era, a da cooperação", afirma.

Os urologistas portugueses vão esperar para ver: "A comprovar-se será mais uma arma na terapêutica, mas não será nunca seguramente a única", conclui o presidente do Colégio de Urologia.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 7 Comentar
ordenar por:
mais votados
O lobby dos Médicos e dos medicamentos aceitará?
Uma intervenção pioneira destas vai evitar muitas outras intervenções, acabar com muitas consultas e tomas de medicamentos.

Não vai ser fácil vencer a oposição.
Olha a resistencia....
Há urologistas que aos primeiros sintomas não hesitam em mandar para a mesa de operações os doentes.

Então, quando a coisa cheira a seguro de saúde ou outra convenção fora do SNS é esfregar as mãos e aí vamos nós ao corte.

Os resultados da cirurgia são tramados. Primeiro a garantia do efeito "pindericalho" para regar as plantas com as consequencias psicológicas da situação. Depois, quando corre mesmo mal.

Com os cifrões nos olhos a cortar sem ser preciso.

E estes vão já dizer que nem pensar que é preciso fazer um estudo longitudinal complicadíssimo...

Mas há os verdadeiros profissionais e experts na matéria, como o conhecido pai de um apresentador televisivo, Prof. Dr. Rodrigo Guedes de Carvalho, que merecem a minha admiração, o meu apreço e aproveito para o enaltecer publicamente.

Um dia, o meu pai preocupadíssimo que tinha de ser cortado quis ouvir outra opinião. Consultado o Prof. disse ele. "Operar alguém à próstada só mesmo quando não houver mais nenhum recurso, porque é uma violência."O certo é que não foi operado e tal como ele mais uns amigos que lá foram depois de recomendações expressas de que tinham obrigatoriamente de serem operados.

Estes "cortadores" vão sempre opor-se a que tal aconteça porque lhe mexem no bolso....
Orgulho para os portugueses
Que Portugal multiplique muito,muito mais vezes a quantidade de mèdicos como o ''Martins Pisco''

www.nascimentofotos.blogspot.com
Não fazia ideia
que a próstata era uma coisa má que precisa de tratamento, como a malária, sida ou um CANCRO
Re: Não fazia ideia
O Aqui-Reza-a-Bala está siderado !
Este insigne mestre da "capação", ficou espantadìssimo, pois pensava que Portugal só sabia aderir às Crises Mundiais e ter maus POLÍTIQUEIROS !
Hola
No se si en MÉXICO ya tengan esa técnica tan avanzada que me parece lo mejor que hay asta el momento y si es así me gustaría en donde la practican en que Hospital en que lugar de el país y que doctor la practica
Comentários 7 Comentar

Últimas

BES quer vender ativos

Está em curso avaliação exaustiva dos ativos. Saída de alguns mercados internacionais está em ...

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub