Anterior
Adolescente cria interface de PC para deficientes (vídeo)
Seguinte
Megaoperação da PJ apreende armas proibidas
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Medicamentos são 20% mais baratos nos hipermercados

Medicamentos são 20% mais baratos nos hipermercados

Estudo realizado pela Deco em junho deste ano concluiu que os medicamentos sem receita médica são 20% mais baratos nos hipermercados do que nas farmácias, que continuam a liderar a venda deste tipo de fármacos.
Lusa |
Os hipermercados vendem os medicamentos sem receita médica 20% mais baratos do que as farmácias e desde 2005 até hoje baixaram os preços de alguns fármacos, revela um estudo da Deco.

Contrariamente às grandes superfícies, as farmácias e outros locais de venda autorizada mantêm a tendência geral de subida de preços.

Nos pontos de venda dos hipermercados, a fatura total dos 19 medicamentos analisados pela Deco fica 20% mais barata do que nas farmácias e 19% relativammente a outros locais de venda.

"Em junho de 2011, pagaríamos por aqueles 19 medicamentos, em média, 96,95 euros na farmácia, 96,03 euros noutro local autorizado (parafarmácia, por exemplo). No hipermercado, custariam 80,74 euros, de acordo com a nossa amostra", indica a associação de defesa do consumidor.

O maior aumento de preços nos últimos cinco anos coube às farmácias no grupo de medicamentos estudados (21%), seguido de outros estabelecimentos autorizados (17%), enquanto nas grandes superfícies o aumento não foi além de 1%.

Os pontos de venda nos hipermercados foram os únicos a reduzir os preços médios em 11 medicamentos.

Thrombocid custa quase o dobro


A Deco revela ainda que, nalguns casos, o mesmo medicamento chega a custar quase o dobro na farmácia do que nos hipermercados.

"Em comparação com os hipermercados, pagará mais 43% pelo Thrombocid e mais 36% pelo Aero OM, só para citar as maiores diferenças", exemplifica.

Nos outros pontos de venda, são mais caros do que nos hipermercados cinco medicamentos: Bisolvon, Mebocaína forte, Antigrippine, Trifene 200 e Zovirax.

Os preços dos três primeiros medicamentos são, respetivamente, 27%, 18% e 17% mais caros, ao passo que o Trifene 200 e o Zovirax são 8% e 6% mais caros em locais de venda autorizada, como as parafarmácias.

Farmácias lideram


Apesar disto, as farmácias continuam a liderar a venda de fármacos sem receita.

Em número de embalagens vendidas, as farmácias detêm 84% do mercado, segundo dados de julho do Infarmed, embora os restantes estabelecimentos estejam a ganhar terreno: em 2008, a quota das farmácias situava-se em 91%.

Os resultados do estudo da Deco permitiram ainda traçar o nível médio de preços dos 19 medicamentos em 18 distritos.

Assim, Beja é o distrito mais caro, onde este "cabaz" de medicamentos custaria em média 95,71 euros, contra Santarém, o distrito mais barato, com uma média de 80,47 euros (abaixo dos 84,61 euros da média nacional).

Lisboa e Porto, os distritos onde se localizam, respetivamente, 20% e 18% dos 413 estabelecimentos que responderam ao inquérito, pertencem ao leque dos mais baratos, com um preço médio apenas 4% mais caro do que em Santarém.

El Corte Inglés é o mais caro


Apesar de genericamente as cadeias de hipermercados serem as mais baratas, ainda existem diferenças entre elas.

O El Corte Inglés é o mais caro, cobrando mais 26% do que as outras lojas da amostra: o Espaço Bem-Estar Pingo Doce, o Espaço Saúde e Bem-Estar (Auchan) e o Well's Continente, estes três sem grandes variações de preço.

O estudo revela ainda que 23% do total de embalagens vendidas são analgésicos e antipiréticos e que 46% do volume de vendas pertence à Pharmacontinente (Well's Continente), citando dados do Infarmed.

O questionário foi realizado em junho de 2011 e incidiu sobre o preço dos 19 medicamentos sem receita médica mais baratos e analisados pela Deco desde 2006 em 500 farmácias e 400 locais de venda autorizada.

Os pontos de venda foram escolhidos aleatoriamente, tendo respondido 69 farmácias e 344 outros estabelecimentos, incluindo 312 lojas situadas em hipermercados.

O estudo vai ser publicado na revista Teste Saúde de dezembro/janeiro, que sai na próxima sexta-feira.


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 82 Comentar
ordenar por:
mais votados
Medicamentos 20%mais baratos nos hipermercados
Estou convicto que quando os ciganos tomarem conta do negócio ainda vão baixar mais.
Os ciganos são boa gente
Re: Os ciganos são boa gente
Re: Os ciganos são boa gente
Re: Os ciganos são boa gente
Re: Os ciganos são boa gente
O negócio dos medicamentos
Aos poucos é preciso atacar os interesses das mulktinacionais dos medicamentos: não vai ser fácil porque elas dominam e "minam" toda a gente que está no circuito de quem está doente .
Re: O negócio dos medicamentos
Re: O negócio dos medicamentos
Re: O negócio dos medicamentos
Re: O negócio dos medicamentos
Re: O negócio dos medicamentos
Re: O negócio dos medicamentos
Re: O negócio dos medicamentos
Re: O negócio dos medicamentos
Nem só o preço conta.
Uma diferença de 20% no preço de um medicamento pode ser significativo se estivermos a falar de um produto caro ou uma insignificância se estivermos a falar de outro muito barato. Uma boa decisão na escolha do local de compra deve considerar o factor preço, mas sobretudo o factor atendimento/aconselhamento onde as farmácias apresentam uma larga vantagem.
!
Não ponho em causa a informação da Deco. Só quero contar a minha experiência. Há poucas semanas precisava de umas vitaminas que não eram comparticipadas. Perguntei o preço numa farmácia e achei caro. Dirigi-me a uma dessas "farmácias" que existem, esta mais precisamente no Jumbo, em Alfragide. Mas o preço era mais caro uns cêntimos do que na farmácia. Esta é a minha estória e verdadeira. Cada vez acredito menos naquilo que me dizem. E com a corja de aldrabões que existem, a começar pelos políticos, quem é que acredita????
Se tiver hipótese, procure nos outros.
Os Funcionarios Sabem o que estão a vender?
Não é tão linear.
Re: Não é tão linear.
Re: Os Funcionarios Sabem o que estão a vender?
Re: Os Funcionarios Sabem o que estão a vender?
Maldito Sócrates

Que permitiu as parafarmácias !!
mesmo assim ganham dinheiro
se os hipermercados vendem + barato, ganhando dinheiro, porque que eu saiba nao sao a caritas nem a cruz vermelha, imagino as margens de beneficio das farmacias, e fabricantes, em principio a concorrencia é boa para os consumidores, sera que as farmacias vao alinhar? duvido, sera sempre consumidor a pagar de qualquer forma, de um lado com os descontos para a SS do outro embora menos 20% mas sai tudo do bolso.
Mas que tipo de funvionarios têm?
Re: Mas que tipo de funvionarios têm?
Re: Mas que tipo de funvionarios têm?
Re: Mas que tipo de funvionarios têm?
A Legislação não é cumprida. Não há fiscalização.
Re: A Legislação não é cumprida. Não há fiscalizaç
Re: A Legislação não é cumprida. Não há fiscalizaç
Re: A Legislação não é cumprida. Não há fiscalizaç
Re: A Legislação não é cumprida. Não há fiscalizaç
Re: A Legislação não é cumprida. Não há fiscalizaç
Re: A Legislação não é cumprida. Não há fiscalizaç
Re: A Legislação não é cumprida. Não há fiscalizaç
continuação
Re: continuação
Re: continuação
Re: continuação
Re: continuação
Re: mesmo assim ganham dinheiro
???
E o Isaltino, já foi preso? Alguém sabe?
Re: ???
Re: ???
Re: ???
ASPIRINAS E POUCO MAIS
Pois, mas ainda existem muitos medicamentos sem receita que nesses locais não entram. Penso que as distribuidoras ainda estão sob forte alçada da Associação das Farmácias e vendem...o que querem que se venda, nessas Farmácias. Pouco mais têm que xaropes e antipiréticos.
Re: ASPIRINAS E POUCO MAIS
Re: ASPIRINAS E POUCO MAIS
Re: ASPIRINAS E POUCO MAIS
Re: ASPIRINAS E POUCO MAIS
DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MANÁ!
Nenhum negócio em Portugal foi tão rentavel como o do medicamento.
Nunca uma Farmácia tinha falido. Hoje uma ou outra já foi.
Considerando que as Farmácias tiveram sempre um desconto dos Armazenistas de 20+10+5+3% para além dos descontos especiais dos medicamentos sem necessidade de receita médica que chegavam a 50% em produto. Para além de a ANF acabar por ser o Proprietário dos Armazenistas, hoje na sua grande maioria, assim, as Farmácias recebem ainda lucro da actividade dos Armazenistas. E ainda algumas Empresas de fabricação de Medicamentos genéricos serem igualmente propriedade da ANF. é só facturar e dividir os lucros pelos seus associados (Farmácia).
É fácil perceber porque as Farmácias, isto é: a ANF nunca ter feito grande alarido sobre a introdução dos Genéricos.
Pois sendo medicamentos mais baratos a margem de venda passou a ser bem menor.
Lá vamos nós os pagantes sorrindo e cantando.
Confiar ou não em quem nos fornece um medicamento OTC é perfeitamente ilusório. Tanto faz ser na mercearia, como no supermercado ou na farmácia. É pedir e pagar.
Há farmácias a venda por 1€. Porque não compra?
Re: Há farmácias a venda por 1€. Porque não c
Re: Há farmácias a venda por 1€. Porque não c
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
Re: DESDE SEMPRE O NEGÓCIO DOS MEDICAMENTOS FOI MA
O sr. Alves1 é um chato!
E ainda por cima é malcriado.
Há outros fóruns, noutros jornais, onde a sua fraseologia será melhor apreciada.
Migre!
A Dança dos Preços dos Fármacos de Venda Livre
Estamos a falar de medicamentos de venda livre, não necessitando de receituário médico. Os laboratório que os fabricam são os mesmos para artigos com igual marca comercial, logo aqui impera as leis do mercado. Se uma cadeia de supermercados comprar um grande lote de um determinado fármaco é bem possível, que o fabricante faça um desconto maior, do que aquele que, é feito a uma associação de farmácias. Assim o ditam as leis da oferta e da procura.
Re: A Dança dos Preços dos Fármacos de Venda Livre
Re: A Dança dos Preços dos Fármacos de Venda Livre
Re: A Dança dos Preços dos Fármacos de Venda Livre
Substituam o país por um grande hipermercado ...
A madame Deco desde sempre manifestou um grande apreço pela grande distribuição. Ainda na recente campanha pela abertura dos hipermercados ao domingo, lá estava a madame ao lado da grande distribuição, acusando o pequeno comércio de ser preguiçoso. Esquece a madame que para se ser consumidor, é necessário arranjar recursos como produtor de qualquer coisa. Mas a madame deve pensar como o meu filho de 4 anos. Sempre que eu lhe digo que para comprar determinada coisa é preciso muito dinheiro, ele diz-me que basta ir ao banco levantá-lo ...
É curioso, mas eu tinha concluído o contrário da Deco, pois comprei um vaporizador nasal e umas aspirinas mais caras na tal de wells do que na farmácia da minha rua! Mas reconheço que estes dois casos não fazem a primavera.
Já agora a madame Deco deveria fazer um levantamento no preço das frutas e legumes, comparando os hipers com pequenos mercados. É que eu, por experiência própria, já há muitos anos que compro estes produtos num pequeno mercado onde a qualidade e frescura é incomparávelmente melhor , e o preço que pago fica entre 50 a 70 % do que pagaria nos virtuosos hipers – ciclicamente faço o meu levantamento, pois o mercado pode mudar -. Com o pão de mistura, d'avó e integral a diferença é de 25 % ! Mas algo me diz que a madame iria encontrar novamente preços muito mais baratos nos hipers do que nos pequenos mercados ...
Substituam o país por um grande hipermercado Cont.
Já agora mais um testemunho sobre as actividades da madame. Comprei uma máquina de lavar loiça que a madame dizia ser a melhor do teste. Nunca tive máquina tão fraca ! Avariou passado 1 mês . O técnico de manutenção deu-me o seguinte conselho:" Eu nunca escolheria uma máquina pelas sugestões dessa madame. Não percebo lá muito bem as matérias comerciais, mas só lhe digo que se tivermos um modelo de uma máquina encravado em armazém, eu não sei o que se passa mas de um momento para o outro passa a ser o que mais saída tem “ . Fiquei mais culto …
Medicamentos são 20% mais baratos nos hipermercado

Não estou de acordo com a venda dos medicamentos nos supermercados.

Antbhos/
PERGUNTA à DECO
Comentários 82 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub