Anterior
Empresa de lingerie obriga empregadas a exibirem número de sutiã
Seguinte
Hugo Chávez defende 'Chacal'
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Maternidades com menos de 1500 partos por ano vão fechar

Maternidades com menos de 1500 partos por ano vão fechar

Ministro da Saúde admitiu o encerramento e a fusão das maternidades que registam menos de 1500 partos por ano.
O ministro da Saúde disse que há lugar para evitar cortes cegos" no SNS
O ministro da Saúde disse que há lugar para evitar cortes cegos" no SNS / Manuel de Almeida/Lusa
O Ministro da Saúde, Paulo Macedo,  disse que as maternidades que registam menos de 1500 partos por ano não devem estar a funcionar, admitindo o encerramento e a fusão destas unidades.

"As maternidades que tiverem menos de 1500 partos por ano, de acordo com os indicadores da organização Mundial de Saúde, não deveriam estar a funcionar", sublinhou Paulo Macedo.

O governante revela que "poderá haver aqueles [encerramentos] que se justificarem", acrescentando que "terá que se fazer o que for melhor e, mais uma vez, aquilo que os impostos dos portugueses possam suportar".

Paulo Macedo referiu que "agora toda a gente faz justiça ao ex-ministro [da Saúde] Correia de Campos", lembrando que a medida permite aumentar a qualidade do serviço prestado e diminuir a taxa de mortalidade infantil.

O ministro da Saúde falava à margem da inauguração da Central de Cogeração/Trigeração do Hospital de Santo André (HSA), em Leiria, que permite produzir simultaneamente energia elétrica e térmica, garantindo uma poupança de 1,5 milhões de euros nos próximos dez anos e economias de energia a rondar os 30%.

Evitar "cortes cegos"


Perante uma plateia de funcionários do HSA, o ministro disse que o estudo sobre a reforma hospitalar estará concluído até ao final do ano e alertou para o facto de "a maior parte do esforço de ajustamento estar por fazer".

Paulo Macedo realçou, contudo, que "há lugar pra evitar cortes cegos" e que o "Serviço Nacional de Saúde vai continuar a proteger aqueles que são mais vulneráveis".

No final, disse ainda aos jornalistas que "ainda durante este mês" serão nomeados os elementos que irão integrar o conselho de administração do Centro Hospitalar Leiria-Pombal, uma estrutura que resulta da fusão entre o HSA e o hospital de Pombal, mas cujo processo tem estado congelado desde o final do mês de março.

Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 10 Comentar
ordenar por:
mais votados
Maria da Fonte: a incultura é retrógrada
Estupidez é não ver que nos temos de adaptar às novas características da sociedade.

Se há menos partos, se as vias rodoviárias são boas e encurtaram as distâncias, se é possível centralizar para gastar menos e melhorar os serviços, porque não fazê-lo?

Ainda há muito espírito retrógrado da "Maria da Fonte"...
Re: Maria da Fonte: a incultura é retrógrada
Enfim.
O numero de partos em Portugal sempre teve a ver com a conjectura politica.Não é dificil prever que nos proximos tempos o numero de nascidos baixem.O ridiculo tornou-se de alguns ministros.
Re: Enfim.
Re: Enfim.
Auto-estrada para o desastre
Em Portugal é cada vez mais difícil nascer e cada vez mais fácil abortar.

O único consolo é que as abortadeiras e seus apoiantes também não vão receber as reformas para as quais descontaram.
Re: Auto-estrada para o desastre
Não tarda
Não tarda fecham todas e a seguir encerra-se o país.
Re: Não tarda
E o interior? E o deserto?
E se isso implicar não existirem maternidades run raio de 300Km por estrada?
Comentários 10 Comentar

Últimas

Pobres de nós

O facto da pobreza ser fundamentalmente relacional ...

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub