Anterior
Distrito vai contar com menos cinco milhões de euros
Seguinte
Organização dedica-se a dar 'um final feliz' aos animais de rua
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues da Rede Expresso  >  A Voz de Trás-os-Montes  >   Marcha lenta entre Régua e Vila Real realiza-se amanhã

Contra a introdução de portagens

Marcha lenta entre Régua e Vila Real realiza-se amanhã

Apesar de já ter sido dada a garantia que as portagens na A24 vão ser uma realidade, e a provar está a instalação dos 13 pórticos e dos painéis indicativos dos valores a cobrar, continua como uma incógnita a data de concretização de um processo que agora volta a estar estagnado. Até que as portagens passem do papel à prática, a luta continua estando previsto a realização de uma marcha lenta para amanhã e a continuidade da recolha de assinaturas.

|
A Voz de Trás-os-Montes - Marcha lenta entre Régua e Vila Real realiza-se amanhã

A Comissão de Utentes Contra Portagens nas auto-estradas A25, A23 e A24, vai realizar amanhã uma marcha lenta que comerá na Régua, pelas 18h00, e irá "até onde as forças de segurança deixarem".

O anúncio da marcha lenta surgiu depois do cancelamento, por falta de condições, do "passeio" pela Estrada Nacional (EN) 2, que estava marcado para o último sábado, dia 22, com o objectivo de comprovar a falta de condições daquela via que deverá ser considerada a única alternativa à auto-estrada.

"A adesão tem sido muito boa por parte de várias organizações como, por exemplo, associações comerciais e empresarias e juntas de freguesia, por isso estamos a contar com a participação de vários veículos pesados e dezenas de ligeiros e motas", explicou António Serafim, representante de Comissão de Utentes em Vila Real.

Segundo o mesmo responsável, a marcha lenta partirá da Avenida Diocese de Vila Real (variante da Régua), no concelho duriense e seguirá, pelo menos até Vila Real, podendo-se estender mais, desde que as forças de segurança o permitam.

Entretanto, continuam em curso outras acções de luta contra as portagens, nomeadamente a recolha de assinaturas nos postais que serão entregues ao Primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, uma campanha que só em Vila Real já recolheu mais de três mil assinaturas e que hoje voltará à rua, marcando presença na feira de Montalegre.

"Não acredito que o início da cobrança aconteça no dia um de Novembro, como tem sido falado", sublinhou António Serafim.

De recordar que, o processo de introdução de portagens em toda a extensão da A24, que liga Viseu a Chaves, chegou a ser esperado para o último dia 15, no entanto ainda não saiu do papel, alegadamente, devido à falta de entendimento nas negociações entre o Governo e a concessionária da A24, também chamada SCUT Interior Norte.

Segundo relatório final da comissão de negociação para alteração dos contratos de concessão celebrados com as concessionárias das SCUT do Interior Norte, das Beiras Litoral e Alta, da Beira Interior e do Algarve, citado em vários órgãos de comunicação social nacionais, "apesar dos múltiplos esforços efectuados, não foi possível chegar a acordo com a concessionária" da A24.

Até a hora de fecho desta edição do Nosso Jornal não foi possível saber mais informações junto do Governo sobre a data prevista para o início da cobrança das portagens, no entanto, tudo indica que, tendo em conta que não houve um entendimento em relação às compensações financeiras decorrentes da alteração do contrato, o Governo já admitiu publicamente que está a ponderar "levar para tribunal arbitral o diferendo que opõe a Estradas de Portugal à concessionária da SCUT do Interior Norte, a Norscut, e que é controlada pela Sonae Capital, de Belmiro de Azevedo, e pelos franceses da Eiffage".

No entanto, uma fonte oficial da Secretaria de Estado das Obras Públicas já adiantou ao Diário Económico que "avançará unilateralmente com as portagens". "Vamos discutir [a questão] para outro fórum. Ou continuamos a negociar ou vamos para tribunal arbitral e o tribunal decidirá", relatam as declarações publicadas no jornal nacional.

Em causa estará o valor que Governo pretende pagar pela "substituição do actual modelo de pagamento da taxa de disponibilidade", já que, "com a introdução de portagens, os privados querem ser compensados, uma vez que, à partida, o tráfego será menor ao longo do tempo da concessão, que ronda os 30 anos".

Ao longo dos seus 155 quilómetros de extensão, a A24, que abriu ao tráfego automóvel em toda a sua extensão há cerca de quatro anos e meio, já tem instalados um total de 13 pórticos de pagamento electrónico (Zona Industrial de Chaves (quilómetro 8,4), Chaves-EN103 (12,1), EN103 - Vidago (18,3), Vidago-Pedras Salgadas (18,3), Pedras Salgadas-IP3/IC5 (35,1), Vila Pouca de Aguiar-Fortunho (53,9), Vila Real-IP4/A24 (69,2), Portela-Peso da Régua (81,3), Peso da Régua-Valdigem (91,1), Lamego-Bigorne (111,5), Bigorne-Castro Daire Norte (117,5), Castro Daire Leste-Carvalhal (131,9) e Arcas-EN2 (145,3)).


Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Acabar com a pouca vergonha
Eu já sabia que nós os do NORTE somos mais tolerante que os outros,mas a paciencia tem limetes de pacienca. Temos todos que pagar , já è altura de acabar com os afilhados. Senhores do Governo olhem para Portugal como sendo só um .
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub