24 de abril de 2014 às 5:48
Página Inicial  ⁄  Dossiês  ⁄  Dossies Atualidade  ⁄  Entrevista à RTP primeiro-ministro  ⁄  Manuela Moura Guedes processa Sócrates

Manuela Moura Guedes processa Sócrates

Para a jornalista da TVI, "a pessoa que exerce o cargo de primeiro-ministro lida muito mal com a liberdade de informação".
Lusa

A jornalista Manuela Moura Guedes vai processar judicialmente o primeiro-ministro por difamação, na sequência de acusações de José Sócrates ao "Jornal Nacional" da TVI , feitas na entrevista à RTP , revela a própria à Lusa.

Em entrevista à RTP1, transmitida terça-feira à noite, Sócrates referiu-se ao telejornal das 20h de sexta-feira da TVI, apresentado por Manuela Moura Guedes, como sendo "travestido" e feito "de ódio e perseguição". "Aquilo não é um telejornal, é uma caça ao homem", afirmou.

Para a jornalista, estas frases demonstram "que a pessoa que exerce o cargo de primeiro-ministro lida muito mal com a liberdade de informação".

A posição formal da TVI relativamente ao assunto será anunciada hoje pelo director-geral, José Eduardo Moniz, que estará presente no "Jornal Nacional" das 20h, avança Manuela Moura Guedes.

A subdirectora de Informação da TVI foi a primeira jornalista portuguesa a "pôr um processo de difamação a alguém por causa do exercício do jornalismo". "Processei o antigo presidente do Sporting , João Rocha, e o jornal do clube, e ganhei", recorda. "Isto é uma reprise", conclui.

 

 

 

Comentários 139 Comentar
ordenar por:
mais antigos ▼
Boa
Apesar de ser daqueles que não gostam muito da MMG , acho que ela esta a agir correctamente. Como o sr. Socrates devia medir as palavras antes de as dizer, acho muito bem que alguem lhe mova um processo , para ver se deixa os dislates e a diarrei verbal , em que é prodigo , de lado. Força MMG!
MMG dá vontade de rir... Ver comentário
Re: Boa Ver comentário
Manelita....
Este não é o João Rocha.
Vais concerteza ter mais dissabores.....
Digo eu....
Sempre com o Sporting! És demais que dose ou doze. Ver comentário
Já tinha saudades dos teus...vomitos Ver comentário
Re: Já tinha saudades dos teus...vomitos Ver comentário
jÁ TINHA PERCEBIDO... Ver comentário
Re: jÁ TINHA PERCEBIDO... Ver comentário
impressionante 2 burros. k piada !!! vcs são mm .. Ver comentário
saudades a semana passada enxovalhei-te com DOZEZZ Ver comentário
Fait divers...
Se a TVI reportasse mais factos e menos especulações popularistas...

Não me refiro só à novela Freeport.
Qualquer notícia, se queremos detalhes picarescos, é mudar para a TVI.

Isto quer dizer qualquer coisa, não?
é uma jornalista, aquilo? Ver comentário
Re: é uma jornalista, aquilo? Ver comentário
Re: é uma jornalista, aquilo? Ver comentário
Re: é uma jornalista, aquilo? Ver comentário
Re: é uma jornalista, aquilo? Ver comentário
Caro amigo...você tem toda a liberdade... Ver comentário
Re: Fait divers... Ver comentário
Algo preocupante para os apoiantes de sócrates Ver comentário
Re: Algo preocupante para os apoiantes de sócrates Ver comentário
Ainda nenhum de vós, apoiantes incondicionais ... Ver comentário
Re: Ainda nenhum de vós, apoiantes incondicionais Ver comentário
Mais uma vez fico sem resposta Ver comentário
Re: Algo preocupante para os apoiantes de sócrates Ver comentário
Re: Algo preocupante para os apoiantes de sócrates Ver comentário
Não sou funcionário público Ver comentário
Re: Não sou funcionário público Ver comentário
Re: Não sou funcionário público Ver comentário
Re: Algo preocupante para os apoiantes de sócrates Ver comentário
Se a TVI divulgar tudo o ke já sabe,... Ver comentário
Fascista
Na base da informação está a notícia, um facto novo que o jornalista acha que é merecedor de chegar ao conhecimento público. Cabe ao jornalista documentar-se, ouvir os envolvidos sobre por esse facto novo, ouvir especialistas e, se o entender, comentar esse mesmo facto. É evidente que há aqui espaço para muita manipulação, desde logo pela simples selecção ou exclusão de um facto novo para o noticiar, pela forma como o mesmo é analisado ou comentado. Mas é para isso que há pluralidade na comunicação social, se eu não gosto da forma como a notícia é tratado num jornal deixo de o ler e opto por outro.
Nada impede que uma notícia seja mais tarde recordada a propósito de uma situação similar ou mesmo porque gerou expectativas, por exemplo, se alguém foi constituído arguido por suspeita de ter cometido um crime é compreensível que alguém se lembre de questionar sobre se vai e quando vai a julgamento.
Mas se um jornalista usa o mesmo facto repetidas vezes já não sob a forma de novidade mas sim tratado de forma a induzir uma determinada conclusão e, ainda por cima, sem proporcionar qualquer hipótese de contraditório, já não está a produzir a notícia. Se ainda por cima se recorre a simulações teatrais, manipulando a caracterização dos figurantes com o objectivo de desencadear sentimentos em quem assiste à peça, então estamos perante propaganda.
Se essa propaganda visa eliminar o papel de instituições democráticas como são os tribunais, procurando condenar alguém na praça pública muito antes da conclusão de uma investigação que decorre, isto é, procurando destruir alguém muito antes de haver matéria para a acusação estamos perante propaganda fascista. Quando se quer fazer um julgamento em que os direitos de defesa são nulos por decisão do jornalista este não está a ser jornalista, está a comportar-se como um agente da PIDE de serviço de um tribunal plenário, o director de informação produz simultaneamente a acusação e a condenação e o jornalista limita-se a bater no réu sem que este tenha a mais pequena hipótese de defesa. De vez em quando lá se arranja um comentador pago para simular o papel de advogado oficioso, o seu papel é dar consistência à sentença dando ares de estar a defender o arguido.
Os telejornais da sexta-feira da TVI não são informação, são meras simulações de tribunais plenários fascistas onde um casal simula estar a noticiar para julgarem na praça pública e sem regras as personalidades de que os conjugues não gostam. E se alguém ousar criticá-los passa a ser julgado repetidamente segundo as mesmas regras.
Não me incomoda que haja uma televisão com tiques fascistas, o que me incomoda é que a troco de alguns cobres haja gente com formação democrática que se apreste a colaborar com esta estação de televisão dando aos seus responsáveis um ar de credibilidade que não merecem.
Cresci a ver a informação da RTVE no tempo de Francisco Franco pois na minha terra mal se apanhava o sinal da RTP, garanto que a informação da RTVE no tempo do franquismo era bem mais isenta e honesta, diria mesmo mais democrática, do que a informação do casal Moniz. Não me recordo da RTVE ter ido tão longe na tentativa de destruição moral e política da oposição democrática como o casal Moniz tem ido na tentativa de serem eles próprios a julgar e destruir um primeiro-ministro eleito.
Os democratas decidem nas eleições e julgam nos tribunais, os fascistas decidem antes das eleições e julgam sem direito de defesa na praça pública ou em tribunais plenários. É essa a diferença entre democratas e fascistas, entre informação e propaganda fascista.
Re: Fascista Ver comentário
Pasmo! Ver comentário
Re: Pasmo! Ver comentário
Re: Fascista Ver comentário
Re: Fascista Ver comentário
Re: Fascista Ver comentário
Mudar o bico ao prego
Note-se bem: aquilo com que José Sócrates se insurge -e bem- é com a calúnia, a suspeita sem fundamento (e cada vez mais se vai vendo que é sem fundamento) com que certas pessoas o têm tentado denegrir. Certas pessoas que, por acaso, são jornalistas. Ele ontem foi bem claro: as acções por ele interpostas não são contra jornalistas, são contra quem o tem caluniado e difamado.
Ora a D. Manuela M. Guedes chama a isto "incapacidade de lidar com a liberdade de imprensa" !! Para ela liberdade de imprensa, pelos vistos, é o vale tudo: difamar, caluniar, levantar suspeitas, etc. Mas que bela educação cívica que essa Senhora tem... Se fosse em Inglaterra -país das maiores liberdades em todo o mundo- ficaria pela certa sem carteira profissional e até podia apanhar uma pena que talvez fosse malhar com os ossos à cadeia.
Nuno Costa
Onde baseia a sua afirmação ????? Ver comentário
Para "Observador-Mór"? Ver comentário
Descupe a minha falta de observação... Ver comentário
Informe-me de uma coisita Ver comentário
Re: Mudar o bico ao prego - Tãqo enganado que está Ver comentário
Pª Marias há muitas Ver comentário
Pois, parece que a prosa inglesa não lhe agradou Ver comentário
Freport
Caso Freeport
Advogados ingleses ilibaram Smith
por CARLOS RODRIGUES LIMA DN 22/04/2009
Uma tradução à letra de um documento apreendido a Charles Smtih levou a investigação a pensar que se tratava de José Sócrates, mas afinal tudo não passava de uma expressão idiomática. O inglês foi filmado a dizer que pagou luvas ao actual primeiro-ministro, mas uma investigação de advogados concluiu que tudo não passou de uma história inventada.
O escritório de advogados inglês Decherts 'ilibou' Charles Smith de qualquer ligação a actos de corrupção praticados em Portugal para o licenciamento do Freeport. Os advogados visionaram o vídeo (divulgado na passada sexta-feira pela TVI) feito por Alan Perkins, ex-administrador do Freeport, fizeram cruzamentos de transferências de dinheiro e ouviram testemunhas. A conclusão foi de que, quando muito, Charles Smith estaria a tentar 'sacar' mais dinheiro do Freeport pela consultadoria prestada, inventando a história dos subornos.
Os advogados da Decherts, que foram chamados pela Freeport para investigar o conteúdo do vídeo onde Charles Smith aparece a falar de subornos, realçam ainda que Alan Perkins gravou o vídeo em Março de 2006, mas só o apresentou à administração em Janeiro de 2007, numa altura em que estava a negociar a sua saída da empresa. O relatório final da investigação foi depois entregue à administração da Carlyle que, em Abril de 2007, tinha em curso uma OPA à Freeport.
A Decherts analisou todas as transferências de dinheiro de Inglaterra para Portugal. Em Alcochete, uma técnica de contabilidade fez o mesmo. Não foi encontrado nada de anormal que pudesse sustentar as palavras de Charles Smith quanto a pagamentos de subornos a José Sócrates.
Em Julho de 2007, quando foi interrogado pela polícia inglesa, Charles Smith foi confrontado com alguns e-mails que agora surgem no processo português. As audições em Londres foram presididas pelos polícias Roger Cook e Paul Farley que chegaram a confrontar o empresário com a notícia do jornal O Independente de Fevereiro de 2005 que dava conta do início do processo Freeport.
Segundo documentos a que o DN teve acesso, terá sido em Inglaterra que Charles Smith contou, pela primeira vez, a história de que o escritório de advogados Antunes Marques Oliveira Ramos Gandarez & Associados tinha preparado uma proposta, a 4 de Dezembro de 2001, no sentido de pedir à empresa Freeport cerca de quatro milhões de libras para que o projecto em Portugal fosse aprovado. Smith terá indicado o nome de dois cidadãos ingleses, residentes em Portugal, com quem, em 2001, terá conversado sobre o assunto. Keith Payne e Roger Abraham já foram ouvidos pelos ingleses, mas até ao fecho desta edição, não foi possível apurar se foram inquiridos em Portugal.
Aliás, terá sido após a conversa com Charles Smith que o inglês Keith Payne escreveu uma carta a Rick Dattani - na altura financeiro da Freeport em Inglaterra, e um dos nomes que consta da Carta Rogatória. Por sua vez, Dattani terá enviado, a 17 de Dezembro de 2001, a Jonathan Rawnsley, administrador da Freeport, uma nota, referindo-se a Keith Payne como o "tipo que me alertou para o suborno de dois milhões". Esta é a única informação que vem nos documentos ingleses, mas nas recentes inquirições os advogados José Francisco Gandarez, Albertino Antunes e Alexandre Oliveira terão negado ter feito tal proposta.
Entretanto, uma expressão, "No way Jose", que consta de um documento apreendido na empresa Smith&Pedro intrigou os investigadores portugueses do caso Freeport que, durantes os três dias de interrogatório, questionaram Charles Smith sobre quem era o tal José. Seria Sócrates, por exemplo? A tradutora da Polícia Judiciária traduziu à letra um documento manuscrito do empresário que terminava daquela forma. Só no interrogatório é que perceberam de quem é que se tratava: uma expressão idiomática em inglês que quer dizer "nem pensar".
Apesar de a Procuradoria-Geral ter garantido, há meses, que José Sócrates não era suspeito no caso Freeport, nos interrogatórios, Manuel Pedro e Charles Smith foram confrontados várias vezes com suspeitas relacionadas com o "não suspeito". Questionada pelo DN sobre esta situação, a PGR recusou prestar esclarecimentos, invocando o segredo de justiça.
Re: Freport Ver comentário
Mais.... Ver comentário
Socrates não tem nem gato nem cão Ver comentário
Re: Mais.... Ver comentário
Re: Mais.... Ver comentário
Confesse lá... Ver comentário
Meu caro... para sua informação... Ver comentário
... Ver comentário
Meu caro... eu conheço o impacto da injustiça.... Ver comentário
Re: Meu caro... eu conheço o impacto da injustiça. Ver comentário
Re: Meu caro... eu conheço o impacto da injustiça. Ver comentário
Para "Vidiguera" Ver comentário
Re: Para Ver comentário
Re: Freport Ver comentário
Re: Freport Ver comentário
É mais um eoisódio do carnaval
instalado no País. Eu que sou contra a politica neo liberal do actual partido socialista, nomeadamente de Socrates, não posso deixar de dizer que o primeiro ministro criticou o tele jornal de uma cadeia de televisão de forma contundente. Agora ser processado por uma critica? aukistuxego...
vamos ver, lá dizia o cego!
Ela diz que vai meter um processo, daí até o fazer vai uma grande distãncia! Eu acho que não vai fazê-lo porque o Zé Eduardo sabe que se o fizer, vai-se mostrar à evidência a iniquidade e imbecilidade daquele jornal e, por consequência, da estação! Ele sabe que caso o processo não seja ganho, não é a palhaça que fica mal vista (não pode ficar mais mal vista, com aquela tromba!) é toda a credibilidade da informação TVI.
E, como homem inteligente que é, não quer expor mais do que o necessário, aquela coisa, que está mais perto de Lady Betty que de uma pessoa!...
Não seja mauzinho.... Ver comentário
Re: Não seja mauzinho.... Ver comentário
Disse mais em 5 minutos... Ver comentário
Que tal um lenço?.... Ver comentário
Desculpe, Dona Manuela...
Cara Manuela: o seu "programa" (vou abster-me de chamar aquilo de telejornal) aprenderia imensa coisa com o seu congénere do canal 1. Deveria vê-lo todos os dias, e comparar com o seu "programa". De certeza que compreenderia as críticas do Sócrates. Aliás, eu faço minhas as palavras dele quanto a este assunto: o "programa" que passa na TVI às 20h todos os dias é uma lástima (utilizo o eufemismo "lástima" para não ter de recorrer a uma palavra mais forte...) para o jornalismo em Portugal.
Manuela M.Guedes processa Sócrates
Até na guerra há regras, embora muitas delas não sejam cumpridas, mas também é verdade que depois dela terminar, algumas vezes os responsaveis por tais atrocidades são chamados à Justiça e condenados. No maximo vi três vezes o telejornal da TVI com Manuela M. Guedes e Vasco Polido Valente. Francamente pareceu-me tudo desde a noite da má língua a não sei que mais. Não considero aquilo jornalismo e muito menos noticias e mudei de canal. Por acaso assisti no outro dia à entrevista com um Bispo e as atitudes dessa Senhora envergonharam-me. Eu que não tenho nada com o assunto e que até nem sou muito devoto. A falta de respeito e o caricato da situação acho que fizeram corar qualquer Santo. Em meu entender atitudes menos corretas de um qualquer jornalista, envergonha a classe toda, não contribuindo para o prestigio da mesma.
Re: Manuela M.Guedes processa Sócrates Ver comentário
Re: Manuela M.Guedes processa Sócrates Ver comentário
A esperança aumenta Ver comentário
manuela moura guedes
Escrevo o nome em letra pequena ,tal como considero a pessoa ? em questão. E uma vergonha NACIONAL,tal o ódio que mostra em cada vez que abre a BOCARRA , contra os DEMOCRATAS, que da vómitos , vela e ouvi-la .Não deve ter espelhos nem gravador para ver a figura que faz. Por agora chega ,porque muito mais há em desfavor dessa pessoa.
Sem paixões nem ódios...
O 1º Ministro foi grosseiro e ultrapassou os limites do direito de resposta com ofensas graves. A TVI, limitou-se a divulgar um video, matéria probatória no ordenamento jurídico Inglês, que investiga o caso "Freeport". Ninguém com algum bom-senso, lucidez e boa fé poderá ter retirado algum indício de envolvimento do 1º Ministro.
O que se vê claramente é um Sr. Smith, perturbado, levantando-se com frequência e com grande dificuldade em responder às perguntas. Quando questionado sobre o envolvimento do 1º Ministro, não é claro nem acertivo, ficando a idéia de que alimentando a suspeita do caso Freeport, este poderia ser arquivado.
Este video, veio aumentar a suspeita sobre o envolvimento de outras entidades neste caso e de certa forma aliviar a que recaía sobre o 1ª Ministro.
Concluindo, a apresentação deste video foi fundamental, não só para se afastar as suspeitas sobre o 1º Ministro como ainda para despertar os investigadores para outras pistas...
Não terá sido este o entendimento do 1º Ministro e dos seus conselheiros?
Re: Sem paixões nem ódios... Ver comentário
Re: Sem paixões nem ódios... Ver comentário
Re: Sem paixões nem ódios... Ver comentário
Re: Sem paixões nem ódios... Ver comentário
Re: Sem paixões nem ódios... Ver comentário
Re: Sem paixões nem ódios... Ver comentário
Que personagens !!
A D. Manuela Moura Guedes tem todo o direito em recorrer à justiça se acha que o 1º ministro ofendeu.
Lamententávelmente a nossa justiça não tem meios adequados a tratar deste assunto de forma rápida e eficaz. Faltam-nos leis "pragmáticas"............as mesmas leis que se existissem, serviriam para que muitos tivessem investido judicialmente contra a desqualificada qualidade "jornalistica" da TVI..........mas só vê e ouve este tipo de jornalismo quem quer.
Como é obvio quem quer ouvir jornalismo sério não pode sintonizar no canal destas personagens.............e quanto eu não lamento que Miguel Sousa Tavares esteja misturado neste grupo..........ele que nos habitou a qualidade com a defunda Grande Reportagem........se calhar também já não é jornalista.........

E anda Portugal a perder tempo com estas coisas e com pessoas deste nível profissional.........
Agora a culpa é da Manela ...????
que o Jornal da 4 é uma miséria toda gente sabe .

que a Manelinha só de a vêr assusta qualquer um mesmo sem abrir a bocarra tambem é verdade , mas porquê considerar isto pessoal e perseguição ao Sócrates ?? Foi ela que assinou o despacho do Freeport ??? Os artistas envolvidos são primos / tios dela ??? Foi ela que juntou os documentos e tirou as conclusões no processo a decorrer em Inglaterra ??? Foi ela que fez o video onde o agora PM é acusado com todas as letras ???

O que foi dito / noticiado até agora é mentira ??? Não estamos a falar do acessório ...

Eu também só quero vêr o caso esclarecido e apesar de não gostar do PM ia ficar contentíssimo por saber que ele é inocente e quem em concluio ( como ele diz ) o está a assassinar politicamente seja exemplarmente punido .

Enquanto tal não acontecer o filme vai continuar e Sócrates é apenas mais um visado ( o actual )... toca a todos !!!
Meras manobras
O Sócrates já devia saber (e sabe, de certeza) que a TVI é o canal mais sensacionalista e populista ... e é isso que lhe está a fazer comichão com as eleições à porta. A Moura Guedes é das piores apresentadoras de jornal que há na escumalha da TVI e é clara a tendência dela para dizer "É... o nosso país é assim"... para se fazer aproximar do público e tentar fazer da TVI uma espécie de porta voz do povo mais pobre, adoptando a tradicional atitude de "todos contra o governo, políticos e afins".

É por isso que o Sócrates se está a descontrolar... sabe bem que a TVI com as suas novelas de baixo nível e os seus telejornais tendenciosos e populistas, tem muita influência nos eleitores mais "distraídos", susceptíveis a polémicas / boatos, e atitudes do contra.
Re: Meras manobras Ver comentário
Re: Meras manobras Ver comentário
Re: Meras manobras Ver comentário
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub