Anterior
Ministério da Educação investiga queixa contra "madrassa" benfiquista
Seguinte
Anonymous atacam embaixada de Portugal
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Mais de dez mil portugueses à procura do sonho alemão

Mais de dez mil portugueses à procura do sonho alemão

Na sequência de uma notícia que divulgava o interesse de uma cidade alemã em contratar trabalhadores portugueses, mais de dez mil já se candidataram aos lugares. Schwäbisch Hall não esperava tamanha procura.
|
Schwäbisch Hall, uma cidade rural, com boa comida e habitação acessível, e três mil empregos para oferecer

"Há uma cidade alemã a três horas de avião de Lisboa que precisa desesperadamente de trabalhadores qualificados." O artigo, publicado em fevereiro e que assim começava, provocou uma inesperada avalanche de candidaturas lusas na agência de emprego de Schwäbisch Hall, a povoação onde se dizia existirem três mil novos empregos, e onde a média dos salários ronda os 2700 euros.

Conta o "Spiegel Online" que, graças ao facto de o artigo (do "Diário Económico") estar acessível na internet, do dia para a noite, surgiram 2500 emails de portugueses oferecendo-se para preencher as vagas. Empregados de limpeza, da construção civil, engenheiros, médicos... as candidaturas são provenientes de todo o tipo de profissionais e, atualmente, ultrapassam as dez mil e todas as expetativas.

É preciso recuar um bocadinho para se perceber como se gerou este fenómeno. Preocupado com a falta de mão-de-obra, o presidente da Câmara de Schwäbisch Hall promoveu uma iniciativa para captar trabalhadores de vários países europeus com elevadas taxas de desemprego. Convidou para isso jornalistas de Portugal, Espanha, Itália e Grécia para conhecerem a sua cidade e divulgarem as oportunidades de emprego existentes.

Dez mil euros investidos


Segundo o "Spiegel Online", a campanha da autarquia envolveu um investimento de dez mil euros, mas a adesão vinda de Portugal surpreendeu todos os envolvidos. "Não contávamos com tamanha ressonância", confirmou um porta-voz da câmara, antes de admitir que "se tivéssemos de fazer tudo de novo, faríamos as coisas de forma mais coordenada".

Não é para menos. Atraídos também pela descrição de Schwäbisch Hall - apresentada como uma cidade rural, com comida saudável, casas a preços acessíveis, uma intensa actividade cultural e jardins-de-infância com mensalidades de 85 euros -, os portugueses bloquearam literalmente a caixa de correio da agência de emprego, mas também dispararam noutras direcções, remetendo candidaturas para todos os endereços de empresas que encontraram na localidade. Um casal português de férias nas proximidades, acabou mesmo por se dirigir à cidade, candidatando-se pessoalmente.

O saldo, para já, refere a contratação de dois motoristas, um pintor e dois empregados de hotel. Embora muitos portugueses com emprego tenham respondido, o objectivo desta iniciativa é, sobretudo, dar trabalho a gente desempregada. Ainda assim, há a promessa de todos os candidatos receber uma resposta aos emails enviados. Uma nova notícia publicada no "Diário Económico" afirma que "um terço dos currículos recebidos vão ser enviados para os serviços de recrutamento internacional do país".


Opinião


Multimédia

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.


Comentários 35 Comentar
ordenar por:
mais votados
Mais de dez mil portugueses à procura da Alemanha
Cavaco acabou com as aldeias e Passos vai acabar com o País. O mais grave é que pessoas com emprego querem abandonar o País, pois não se sentem bem nos locais de trabalho, devido a não serem reconhecidos e ainda porque são pressionados e mal tratados. Os incompetentes que os ocupam têm medo, que toda gente veja a lastima que são. Na sua maioria tanto no público como no privado foram lá metidos pelos partidos. É assim que se vive em Portugal. Fala-se muitas vezes que lá fora os portugueses são reconhecidos, mas esses são os que partiram e não os que ficaram. Tem sido assim desde que Portugal nasceu como País.

http://viriatoapedrada.bl...

http://viriatoapedrada.bl...

http://viriatoapedrada.bl... source=BP_recent
Re: Mais de dez mil portugueses à procura da Alema
Não é Dr. passos Coelho???
Só pessoas que nunca trabalharam é que dizem que os trabalhadores portugueses não são produtivos, por todos os lados, onde haja gestores a sério, sabem que o trabalhador português é do melhor que podem encontrar...
Aqui infelizmente temos governantes que nunca trabalharam ou então iniciaram a carreira como administradores, já com a juventude dos quarenta, esta gente não percebe nada de nada...
Re: Não é Dr. passos Coelho???
Re: Não é Dr. passos Coelho???
Re: Não é Dr. passos Coelho???
Re: Não é Dr. passos Coelho???
Re: Não é Dr. passos Coelho???
Re: Não é Dr. passos Coelho???
Re: Não é Dr. passos Coelho???
Não tem nada a ver!
Re: Não tem nada a ver!
Re: Não tem nada a ver!
Re: Não tem nada a ver!
Re: Não tem nada a ver!
Re: Não tem nada a ver!
Re: Não tem nada a ver!
Emigrantes portugueses passam fome na Alemanha
Há emigrantes portugueses a passar fome em França e na Alemanha

Problema afecta sobretudo recém-chegados. Alguns são obrigados a escolher entre aquecer a casa no Inverno ou alimentar-se.
Há casos de fome entre emigrantes portugueses recém-chegados a França e à Alemanha. A Missão Católica em Augsburgo, na Alemanha, e a Misericórdia de Paris, registam casos de grandes dificuldades.

A Missão Católica em Augsburgo, cidade alemã onde vivem dois mil emigrantes portugueses, também regista situações muito difíceis. Nesta cidade, localizada a 60 quilómetros de Munique, há sinais bem visíveis da nova vaga de emigração.

A falta de formação dos emigrantes é um problema, diz José Cabaceira, assistente pastoral na missão católica portuguesa. “É gente que em Portugal não tem grandes habilitações e depois vêm para aqui e não dá nada, claro. A maior parte não sabe uma palavra de alemão.”

Os emigrantes que chegam sem qualquer apoio, completamente à deriva, e há casos de fome que encontram na igreja a primeira respostada de emergência: “Naquilo que podemos ajudar, ajudamos. Damos comida ou um sítio para pernoitar, não durante muito tempo. Mas ajudamos para as primeiras emergências”.

http://goo.gl/Vj5ui
Alemanha controla entrada de portugueses
Alemanha pretende controlar a entrada de imigrantes no país

A Alemanha vai adoptar medidas mais restritivas à imigração, depois de vários representantes do governo terem manifestado alarme perante o aumento do número de portugueses, espanhóis e gregos que procuram trabalho no país. O Ministério do Trabalho quer impedir que outros europeus tenham aceso a sistema de prestações sociais, nomeadamente o subsídio de desemprego.
Os partidos da oposição criticam aquilo que consideram ser um pacote legislativo xenófobo. Mas o Ministério do Trabalho alemão não vai recuar na alteração das diretivas laborais que privam os novos imigrantes do direito ao subsídio de desemprego.
A actual lei prevê que esse subsídio possa ser requirido por qualquer estrangeiro que não consiga trabalho nos primeiros três meses no país.
Entre os críticos desta iniciativa legal estão algumas ONG que garantem que são raros os pedidos de subsídio de desemprego.
Os defensores da nova lei dizem que a Alemanha não pode servir de albergue com capacidade ilimitada para os que fogem de países onde a crise é mais grave e onde os próprios governantes, como em Portugal, sugerem a imigração.

http://goo.gl/XsXtI
A realidade da emigração
Todos os dias, dezenas de pessoas chegam a Londres à procura de emprego. O número triplicou nos últimos meses. Na maioria, falam muito pouco inglês e estão pouco cientes do actual mercado de trabalho, onde os empregos menos qualificados, que costumavam abundar, agora são poucos para a procura.

Pedro – assim pede para ser identificado – tem quase 40 anos e chegou a Inglaterra em Janeiro. Esteve um ano a adiar a decisão de emigrar, mas os 500 euros a menos no orçamento familiar deram-lhe um empurrão. “Para dar um exemplo: quando tinha 10 euros para pôr gasolina no meu carro, para mim era uma festa”, relata à Renascença.

Com cerca de 500 euros no bolso, deixou a mulher e dois filhos em Portugal, mas o cenário que encontrou – primeiro fora de Londres e depois no interior da capital – não era o que estava à espera. A falta de emprego valeu-lhe, até agora, uma ocupação de uma semana: um trabalho duro na construção civil, não declarado e mal pago.

“Desde trabalhar 12, 16, 18 horas por dia e receber um valor um pouco acima do ordenado mínimo, mas muito aquém do valor justo para quem trabalha nas condições em que eu e outras pessoas trabalhamos”, conta Pedro.

Com vários contactos feitos, mas sem expectativas de conseguir trabalho, Pedro esteve quase a regressar a Portugal, até que conseguiu uma ocupação como voluntário numa comunidade. “A instituição dá-me em troca comida e dormida”, diz.

...

http://goo.gl/zxnem
Acelera-se a sangria de Portugal
Emigração em Portugal em 2011 aproximou-se da registada nos anos 60 e 70

Os números da emigração em Portugal, no ano passado, aproximam-se dos picos registados nas década de 60 e 70 do século passado.O Diário de Noticias revela que em 2011 sairam do país, para trabalhar, 150 mil portugueses. Nos últimos 5 anos, foram meio milhão de pessoas a procurar emprego fora do país.

Além dos destinos tradicionais como França, destacam-se agora outros países como Angola, Brasil e Inglaterra.

A par da construção civil, que continua a ser um dos sectores de maior trabalho para os emigrantes, o país tem assistido a uma nova vaga de emigração entre os jovens licenciados.

http://goo.gl/lenQo
Emigração, uma bela miragem
Após assistir ao nascimento da "geração parva" de jovens precários, a crise levou as famílias a sair do país para procurar trabalho na Europa. Mal preparados, sem saberem falar outras línguas e sem recursos, acabam muitas vezes a viver na rua.

A expressão "emigração parva" é usada pelo representante do Conselho das Comunidades Portuguesas (CCP) no Luxemburgo, Eduardo Dias, para descrever a nova vaga de pessoas que tem chegado ao país do centro da Europa. São casais, entre os 35 e os 50 anos, que chegam com os filhos menores e sem garantias de trabalho, sem falar a língua e transportando apenas o conceito (errado) de que há um emprego à sua espera ao virar da esquina.

O retrato deste grupo de emigrantes portugueses, que está a crescer, lado a lado, com os jovens qualificados que tentam a sorte fora do país, é repetido por vozes que falam de outros cantos da Europa: Inglaterra, França, Holanda, Bélgica, Alemanha e, de forma mais veemente, na Suíça. Foi daqui que soou o alarme, com a denúncia de portugueses que dormiam na rua sob temperaturas gélidas. E não há quem acredite que a situação vá melhorar em breve.

http://goo.gl/Xe23m
Re: Emigração, uma bela miragem
Sobre o atual cenário de penúria em Portugal, num
livro publicado no Brasil (Uma Breve História do Brasil, de Mary de Priore e Renato Venancio), há o relato preambular, em torno do ano de 1499/1500, era das grandes navegações, sobre os provimentos para essas viagens: "A falta habitual de víveres em Portugal impedia que os navios fossem abastecidos com quantidade suficiente de alimentos. O Armazém Real, encarregado do fornecimento, com certa freqüência simplesmente deixava de fazê-lo." Mais adiante, afirmam: "Na realidade, a dramática situação dos navegadores não diferia muito da enfrentada pelos camponeses em terra firme. Um trabalhador que cavasse de sol a sol, sete dias por semana, não ganhava mais do que dois tostões por dia. A quantia mal lhe permitia comprar alguns pedaços de pão." Presumo que, guardando as devidas proporções, os portugueses de hoje estão na mesma situação daqueles seus antepassados, pela má gestão dos sucessivos governos da atualidade. Tenho sabido que muitos portugueses que deixaram o Brasil no final dos anos oitenta, estão voltando. Muitos daqueles que estudaram na minha cidade e que foram colegas de um irmão que tenho, o mais moço, já o contataram acerca do retorno. Dois deles são de Lisboa. Mas, creio, que os portugueses são persistentes e vão sobreviver a este temporal, que deve ser passageiro. O mal nunca é eterno, penso. Rio Grande
O el dourado pode muito bem significar
acabar por ser tratado como escravo e dormir nas ruas de Berlin!!

Piegas emigrantes, digam lá se não gostavam de ter padrinhos como Ângelo Correia?!
Re: O el dourado pode muito bem significar
VIVA A ABRILADA !!!
As consequências da ABRILADA!!!

O "D" do DESENVOLVIMENTO transformou se no "D" do DEVER.

O REGIME DOS "VIGAROS" !!!
A emigração:
É consequência de décadas de multiplicação de universidades e cursos que não têm nada a ver com o mercado de trabalho!

Há responsabilidades. E essas são dos sucessivos Ministros da Educação e/ou Ensino Superior.

Exceptuando os milhares de desempregados da construção (provocados pela travagem a fundo deste governo nos investimentos em obras), a maioria dos novos emigrantes resultam desse desfasamento entre o mercado de trabalho e o ensino...
Para além disso, este país absorveu milhares de emigrantes, não tendo a sabedoria de ocupar a mão-de-obra não qualificada!
Neste momento, resta aso jovens qualificados (muitos têm cursos que não lhes dão emprego em nenhum lugar do mundo) tentarem a sorte noutros países, nem que vão para empregados de mesa, para a construção ou para as limpezas!
Há por aqui muita demagogia nos comentários feitos, sem que as pessoas tenham a honestidade de chamar os bois pelos nomes!
Re: Mais de dez mil portugueses à procura do sonho
Recomendo aos portugueses que sejam admitidos cá na Alemanha a integrarem-se definitivamente e facam cá a sua vida. Mas pecovos um favor nao enviem um centimo para os porcos dos accionistas dos bancos. Qundo se é desterrado deve-se tratar os desterradores abaixo de cao. Os porcos, sacanas e traidores só têm um remédio, decapitá-los de uma vêz para sempre. A solucao do desemprego nao se resolve sendo expulso do país, mas sim com violência. A única saída é liquidar pela raíz os traidores que se reuniram na assembleia da républica desde o 25 de abril e a patronaije tem de ser educada e ensinada a assumir responsabilidade e disciplina.
o defeito está na gestao
Os portugueses sao reconhecidamente trabalhadores do melhor que há ( até arrisco em dizer que pode haver igual mas melhor, nao), só que em portugal tirando o dono dos cafés delta parece que nao existe um unico gestor em condicoes. Em portugal quando se fala em falta de produtividade, nao se está a falar do trabalhador mas sim do(s) gestor(es). Sao uma vergonha estes gestores e politicos. Sei do que falo pois já trabalhei com várias nacionalidades e todos sao unanimes que com mao de obra portuguesa o trabalho aparece feito rapidamente e com competencia. De onde vem entao a falta de produtividade?
Re: o defeito está na gestao
O sonho que pode virar pesadelo
Os portugueses são reconhecidos pelas suas capacidades de trabalho, de adaptação aos mais diversos lugares.
São pessoas produtivas desde que quem gere, administra saiba estar no comando e especificar objectivamente o que quer (é uma das grandes falhas dos empresários portugueses).
Porém a Alemanha não são apenas rosas... há que ir com contrato e trabalho assegurado, com condições de habitabilidade, etc.
Partir à aventura de encontrar trabalho é um pesadelo... pois também na Alemanha, especialmente nas maiores cidades há desemprego. A língua alemã pode ser uma barreira para que se estabeleça a comunicação, ainda que hoje a maioria fale inglês.
Em vez de partir à procura de um sonho... partam com os pés assentes à procura de uma realidade concreta para não se decepcionarem.
Boa sorte a todos os que vão deixar o país rumo à Alemanha ou outro lugar, porque aqui não encontram soluções para as suas vidas... lamentávelmente...
Ida de portugueses para a Alemanha
Quando um Portugues sai do pais esta á procura de uma vida melhor. Este conceito de vida melhor é diferente para cada ser humano. Quando um portugues atravessa a fronteira alema nao passa a ter automaticamente uma vida melhor. Ainda vai ter um longo caminho até chegar a esse objetivo. O primeiro passo , é aprender a lingua, depois tem de aceitar que aqui é cada um por si, este é um pais com 80 milhoes de habitantes, nao há amigos nem vizinhos que ajudem, aqui se vive para trabalhar, e quando se trabalha nao se pensa em mais nada. Aqui nao a sol o ano inteiro, pelo contrario. As pessoas sao fechadas, nao sorriem.
O meu conselho é que venham mas por fases, primeiro com um contrato ja estabelecido quando saem de portugal, se possivel que falem com alguem que ja vive ca para trocar experiencia. Depois se gostarem e se se adaptarem entao tragam a familia. Se possivel tentem aprender algo da lingua. Os portugueses que estao ca estao dispostos a ajudar outros portugueses e por isso contatem os.
Boa sorte...
Comentários 35 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub