Anterior
Fundações autárquicas na mira do Governo
Seguinte
Um dos suspeitos de ligações à Al Qaeda detidos em Espanha fica na prisão
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Mais de 41 mil idosos deixaram de comprar o passe

Mais de 41 mil idosos deixaram de comprar o passe

Redução do desconto da terceira idade de 50 para 25% causou uma dimuição acentuada no número de passageiros da Carris.
Lusa |
Menos idosos nos autocarros lisboetas
Menos idosos nos autocarros lisboetas / Tiago Miranda

Mais de 40 mil idosos da Grande Lisboa deixaram de comprar o passe terceira idade no primeiro semestre deste ano, quando deixaram de usufruir de desconto, segundo dados enviados à Agência Lusa pela Carris.

De acordo com a empresa, no primeiro semestre do ano passado, 242.717 pessoas compraram o passe Navegante Urbano 3ª idade (Carris, Metro e CP na zona urbana), um número que nos primeiros seis meses deste ano desceu para 200.876, correspondendo a uma redução de mais de 17%.

Além dos vários aumentos de preços que os tarifários sofreram no último ano, em fevereiro o Governo decidiu diminuir o desconto que os idosos beneficiavam na compra do passe social, que passou dos 50 para os 25%.

Diminuição de passageiros


Além dos idosos, também os restantes utentes estão a reduzir a utilização dos transportes públicos, tendo a Carris perdido mais de 26 milhões de passageiros no primeiro semestre deste ano, comparativamente com o mesmo período de 2011.

Segundo dados da empresa, no ano passado foram registados 125.422.560 passageiros, enquanto este ano esse número caiu para 99.370.330 (- 20,8%).

Por seu lado, o Metropolitano de Lisboa registou uma redução de 11.500 milhões de passageiros, tendo passado dos 92.174.086 registados nos primeiros seis meses de 2011 para os 80.662.283 registados este ano.

Na Transtejo, a queda foi menos acentuada: menos 1.630.799 passageiros. A empresa teve no primeiro semestre do ano passado 14.082.619 passageiros, número que caiu para os 12.451.820 este ano.

À Lusa, fonte da Carris atribui a "acentuada quebra de passageiros" à "recessão" e ao "aumento do desemprego, que se verificam em Portugal", frisando que também há uma "diminuição do transporte particular".  


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 48 Comentar
ordenar por:
mais votados
A ideia é paralisar o país... somos mal governados
Não dá para entender... as medidas que o governo e as empresas públicas implementam, tem efeitos contrários aos efeitos prometidos... aumenta-se o IVA para aumentar a receita, a receita do IVA diminui;
Corta-se no desconto aos reformados, para aumentar a receita, os reformados deixam de comprar passe e a receita diminui;
Corta-se na isenção de taxas moderadoras aos dadores de sangue, para aumentar a receita, os dadores de sangue deixam de dar sangue , e todos ficamos a perder;
Corta-se na remuneração dos Certificados de Aforro, para bem do orçamento e os aforradores levantam os C.A. e o estado vai pagar muito mais para se financiar;
As auto-estradas estão às moscas, porque as portagens são caras e em vez de aplicarem a lei da procura e oferta, baixando os preços para atrair clientes, acabam por receber ainda menos. Faz-me lembrar o velho que estava na praça a vender ameixas a 3 euros, ninguém comprava, no sábado seguinte tinha à venda as mesmas ameixas, demasiado amadurecidas a 2 euros, ainda lhe disse: agora pode dá-las aos porcos e não sei se eles as comem.
Há muita gente que fala em leis do mercado mas não sabe adaptar-se a ele...
 
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
Re: A ideia é paralisar o país... somos mal govern
O PASSE ???!!! ... E OS MEDICAMENTOS !!!!
Destes medicamentos qual deles me faz mais falta?? é uma pergunta que Fátima Brito de Sá ouve diariamente na sua farmácia do Bairro Alto, Lisboa, muito frequentada por idosos.
Todos os meses, Carminda de Oliveira, 82 anos, faz contas de cabeça para pagar a conta na farmácia. Os 200 euros da reforma mal chegam para as despesas do dia-a-dia.
O que vale é que a farmácia me deixa pagar aos bocadinhos, disse à Lusa a idosa, que precisa de tomar diariamente medicação para o colesterol e hipertensão.
Para facilitar o acesso aos medicamentos, muitos clientes idosos daquela farmácia no Bairro Alto pagam no final do mês, quando recebem a pensão.
O mesmo se passa numa farmácia da Avenida Almirante Reis, em Lisboa, segundo a farmacêutica Helena Machado: Há pessoas que entram, perguntam o preço, hesitam e acabam por não comprar. Muitas vezes, são medicamentos com preços de dois e três euros.
Numa farmácia da Rua Prior do Crato, em Alcântara, Lídia Cerqueira disse à Lusa que há muitos idosos que estão semanas sem tomar medicamentos à espera que chegue o dinheiro da reforma ou então aviam apenas parte da receita.
Lusa/Sol

Um Governo que nem os cidadãos idosos respeita ... é um Governo que não merece respeito ...

Re: O PASSE ???!!! ... E OS MEDICAMENTOS !!!!
Re: O PASSE ???!!! ... E OS MEDICAMENTOS !!!!
Re: O PASSE ???!!! ... E OS MEDICAMENTOS !!!!
mais-de-41-mil-idosos-deixaram-de-comprar-o-passe
Mais palavras para quê. Uma medida que em vez de gerar mais receita, acaba por gerar menos. Será que isto não se ensina nos livros de economia.

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/05/victor-gaspar-e-medina-carreira.html
Re: mais-de-41-mil-idosos-deixaram-de-comprar-o-pa
Não comento !!!

Quem comenta este tipo de notícias é tratado pelo Moncarapacho de ave de mau-agoiro, de oportunista, de alinhado em oposição pelo prazer de maldizer.

É disto que ele gosta. Não tarda aparece a fazer contra-informação.
Convém, porque a anestesia laranja está a deixar de fazer efeito !!
Re: Não comento !!!
Re: Não comento !!!
Os pobres que paguem a crise para uma minoria
contuuar a mamar. No Parlamento em Portugal nunca aparece alguem com esta coragem para além do Partido Comunista..... youtu.be/OUZ7zzF_rXE
O PCP ainda sonha com o muro e o KGB
Não é caso para dramas.
Esta mudança de atitude dos idosos que deixaram de comprar passe social e, por consequência, de utilizar regularmente os transportes públicos não é caso para dramas, revelando-se mesmo como uma atitude racional e adequada aos momentos de crise em que vivemos, permitindo poupanças de recursos. Os transportes públicos não são propriamente serviços destinados a proporcionar passeios, mas sim a garantir a deslocação dos cidadãos nas suas necessidades diárias e, em regra, para as pessoas em causa estas necessidades são apenas ocasionais. Muitas viagens eram feitas por hábito e por não terem qualquer custo adicional, por conseguinte perante a nova realidade estes hábitos serão ajustados, quiçá para melhor, com ais convívio com a vizinhança e mais deslocações a pé favorecendo a saúde física e mental destes idosos.
Os meus pais.
Re: Mais de 41 mil idosos deixaram de comprar o pa
"Corta-se no desconto aos reformados, para aumentar a receita, os reformados deixam de comprar passe e a receita diminui;" - parei de ler por aqui
É a vida,
Condenados a morrer e apodrecer sozinhos em casa...Vamos esperar pelo próximo inverno.

Dizem que há mais reformados que trabalhadores, o Gasparinho trata-lhes da saúde, tudo a bem do défice, segundo a Merkel, estamos no bom caminho.

É tudo a nosso desfavor.
Como podem verificar os reformados constituem um "estorvo" para estes desgovernantes que fazem tudo para lhes tornar a sua existência mais negra e amargurada.
A escola da vida deu a estas pessoas uma "bagagem" e conhecimento que não se tira em nenhuma universidade tipo Relvas e isso é um incómodo para estes tipos.
Pela atitude deste desgoverno, faço imensos votos para que tais indivíduos nunca, - reparem que digo nunca- eles cheguem à idade da reforma...
Re: É tudo a nosso desfavor.
Re: É tudo a nosso desfavor.
Sigam o exemplo dos nazis
Campos de concentração, lembram-se?
Hoje o passe, amanhã os medicamentos, depois a alimentação. É num instante...
Re: Sigam o exemplo dos nazis
Re: Sigam o exemplo dos nazis
Re: Mais de 41 mil idosos deixaram de comprar o pa
Estamos rodeados de dois males de que nos teremos de livrar:
Inimigos externos e ignorantes internos.
Re: Mais de 41 mil idosos deixaram de comprar o pa
Re: Mais de 41 mil idosos deixaram de comprar o pa
Re: Mais de 41 mil idosos deixaram de comprar o pa
Ainda nao entendi o problema
Se fazem contas, e fazem, para quê um passe se as viagens não justificam?

Não entendo o alarido.
Re: Ainda nao entendi o problema
Re: Ainda nao entendi o problema
Re: Ainda nao entendi o problema
Matem-se os velhos!
Este governo descobriu uma forma rápida de resolver a crise: matam-se os velhos e a crise está resolvida. Sim, porque os velhos e os pobres é que são os culpados! E dizem eles que estas medidas servem para endireitar as empresas, mas a verdade é que continua tudo na mesma, pois até os passageiros diminuíram. Reformas, nada! E já lá vai mais de um ano que governam...Ou desgovernam!
Fantástico!
O que não se faz por 5 milhões...Já agora,esses 5 milhões serviram para pagar o estudo a um consultor na privatização da RTP,não foi ??
Poupas na farinha,gastas no farelo...tem sido sempre assim...
Esqueci-me do seguinte...
Os meus pais vivem num andar. Socializam com a vizinhança.. Portanto deduzo que não poderão ir à praia (lá estou eu a falar em luxos),irão a um museu?? E poderão ir ao jardim?? e será que a minha mãe pode ir ao controlo de sangue?? E o meu pai pode ir à hemodiálise??
Agora levarão o neto à piscina?? (também é um luxo um filho na piscina...).Mas o meu pai poderá agora visitar os amigos do clube de sueca?? Não,mas não há problema...são velhos,recebem reforma,se morrerem em solidão é melhor,não é??? O estado poupa e somos todos felizes....enfim.
Comentários 48 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub