0
Anterior
Estudantes de Coimbra apresenta Gil Vicente no Bombarral
Seguinte
Freguesia das Gaeiras (Óbidos) comemorou bodas de prata
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues da Rede Expresso  >  Gazeta das Caldas  >   Maçã de Alcobaça promove-se em Ourém

Maçã de Alcobaça promove-se em Ourém

A 'Apple Parade' da Associação de Produtores da Maçã de Alcobaça (APMA) voltou a viajar e pode ser vista até amanhã, 16 de Outubro, em Ourém, junto aos Paços do Concelho. A iniciativa artística, lançada em 2008 na cidade que dá o nome à maçã certificada, passou já por Leiria e por várias escolas do distrito e chega agora ao lado de lá da Serra de Aire e Candeeiros para, através da arte, sensibilizar para a importância da fruta numa alimentação equilibrada.
|

A Praça D. Maria II acolhe desde o início desta semana uma dezena de maçãs gigantes pintadas por artistas plásticos e alunos de várias escolas da região. Uma forma diferente - e que parece ter sucesso ano após ano - da APMA dar a conhecer a maçã que dá razão de ser à dúzia de associados, empresas e organizações de produtores que a constituem.

Contas feitas, são cerca de 600 produtores com uma capacidade anual de produção de cerca de 30 mil toneladas de maçã, numa área que ascende aos mil hectares distribuídos pelos concelhos de Alcobaça, Caldas da Rainha, Óbidos e Porto de Mós.

Para o presidente da Associação, Jorge Soares, a presença em Ourém será "quase uma mini-parade que dá continuidade a um esforço de promoção". E se o formato foi inicialmente pensado para grandes centros de consumo, "a determinada altura foi direccionado, e com sucesso, para as escolas", onde está a ser grande o impacto junto dos jovens.

Salientando que a exposição em Ourém foi uma iniciativa da autarquia local, que está a assinalar o Dia Mundial da Alimentação (que se comemora amanhã), Jorge Soares diz que "a Apple Parade é sempre uma boa forma da maçã de Alcobaça ser relembrada".

Mundo da Maçã não se realizou este ano por falta de parceiros

A primeira vez que as maçãs gigantes saíram à rua foi em 2008, no âmbito da quinta edição da feira "Mundo da Maçã". Se nos primeiros anos o certame consistiu numa feira económica onde se davam a conhecer produtos de alguma forma relacionados com a maçã, da gastronomia à estética, em 2008 o "Mundo da Maçã" saiu dos limites do MercoAlcobaça e escolheu o centro histórico da cidade cisterciense para apelar a hábitos de vida saudáveis e a uma alimentação mais equilibrada.

O sucesso do novo formato levou, no ano passado, a que a APMA decidisse alargar a área geográfica da mostra, que se realizou em Leiria nos primeiros dias de Setembro. Mas este ano, aquela que seria a sétima edição acabou por não se realizar.

À Gazeta das Caldas, Jorge Soares explica o que se passou: "não encontrámos a tempo os parceiros". E isto porque o que se pretende é que "a próxima edição do Mundo da Maçã vá além das vertentes actuais". Os promotores querem fazer coincidir o certame com uma semana gastronómica que envolva restaurantes e pastelarias de todos os concelhos da Região Oeste. E no decorrer desta semana, pretende-se que seja lançado um receituário "de doces e pratos feitos especificamente para serem verdadeiros produtos regionais" onde a maçã de Alcobaça será um ingrediente de eleição.

Porque o que se quer é "um Mundo da Maçã em grande e com a concretização não só destas, mas de muitas outras ideias", e porque as eleições autárquicas do ano passado provocaram alterações em alguns dos municípios visados, tornou-se impossível reunir os parceiros necessários a tempo.

Para já, tudo aponta que a próxima edição se realizará em 2011, de novo na cidade de Alcobaça. Seguem-se depois os outros concelhos do Oeste.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub