18
Anterior
Defesa pessoal para docentes
Seguinte
Acordo ortográfico e bocejo...
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues Educação e Ciência  >  Falta de castigo  >  LLoret de Mar

LLoret de Mar

|

A experiência de Lloret enriquece nada, porque ali há nada. Minto. Há apartamentos, hotéis, bares, discotecas, que estariam devolutos não fosse a imberbe alma lusa. E há música electrónica, álcool, "chamon", sexo, desvario à solta.

A estância de turismo Lloret de Mar, na Catalunha espanhola, é bem conhecida de dezenas de milhar de jovens portugueses que todos os anos na Páscoa partem em romaria. Não entram na Isglesia Parroquial de Sant Romà para pagar promessas. Vão fazer uma espécie de via sacra pagã. Quem paga é a família. Às vezes algumas câmaras municipais, muito ou pouco endividadas, dão uma ajudinha à despesa.

A via sacra não é, para a maioria deles, mais do que um noviciado intensivo, em álcoois, pedras, ácidos, bases, sais. Ao contrário dos peregrinos, os álcoois são bem graduados. As pedras batem forte sem necessidade de fisga. Os ácidos são bem compostos em balanças de precisão. E se se ouve lá em casa "não sais para Lloret", da parte de pais assertivos, há drama de baba e ranho para finalista.

E o drama real é que, volta e meia, há mesmo finalistas. Acabam ali, à beira do Mediterrâneo, a viagem da sua vida. Foi o que aconteceu agora ao Vítor Mota, de 17 anos.

Não sabemos se foi acidente ou suicídio. O que sabemos - e pais, educadores ignoram, ou fingem ignorar, há muito - é que, e por esta ordem, aquelas são as primeiras causas de morte na adolescência.

Antes de terem conhecimento se terminam com sucesso o 12º ano, para prosseguirem estudos superiores ou entrarem no mundo do desemprego, os progenitores já lhe garantem um prémio. E com a aquiescência das escolas. Na esmagadora maioria dos casos, curada a ressaca e o estafanço, o prémio não é gordo. Mas foi divertido.

A experiência enriquece nada, porque ali há nada. Minto. Há apartamentos, hotéis, bares, discotecas, que estariam devolutos não fosse a imberbe alma lusa. E há música electrónica, álcool, "chamon", sexo, desvario à solta. Também deve haver bandos de jovens menos fogosos.

Barcelona, que está perto, não deixa de ser um tédio para gente novíssima que não vem de longe para ver, à pressa, um museu, uma catedral, ou um qualquer mono saído do lápis de Antoni Gaudi. Não há pachorra.

Em Lloret nunca sai a sorte grande. E infelizmente, não raro, sai o azar grande, voo incidental ou acidental de um 5º andar qualquer para o vazio.Muitos pais alegremente empenham coiro e cabelo para custear o devaneio. E, como agora em Castro Verde, o vazio ali fica num quarto onde dormia e estudava um filho que não terá futuro.

Não é fácil entender várias coisas. A maior parte dos jovens vão entregues a si próprios sem professores a acompanhá-los. E devidamente aprovisionados para estarem uma semana a beber até ao intestino, regurgitar, ouvir música tonitruante, engolir o que lhes agitar a mona até ao mais recôndito neurónio.

Aos 17 anos, ou menos, um jovem não tem maturidade psicológica e emocional para recusar excessos, sobretudo quando é o grupo a pressioná-lo. Dificilmente é capaz de dizer não a delírios.

E, não poucos, gostam de roçar a imortalidade. Sobretudo se tiverem quem assista e aplauda ébrios arrojos. Às vezes conseguem.

Para o ano há mais. E gente ávida de manchetes embebidas em sangue. Lloret de Mar vende na época baixa, no mínimo, notícias tristes.


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 18 Comentar
ordenar por:
mais votados
Falta de Castigo? isso é falta de EDUCAÇÃO
Tinha 15 anos e andava no 10º ano quando me juntei a um grupo de amigos e fui a Lloret na viagem de finalistas deles, 16 quando fui a Palma de Mallorca e 17 quando acabei o 12º e fui a Ibiza.
Em todas as viagens assisti a mesma coisa, crianças super protegidas mas sem educação e uma noção minima de valores, que vêm a oportunidade de se libertar!! Em Lloret por acaso o nosso grupo era "5 estrelas" e fizemos lá a mesma coisa que já faziamos em Cascais, tambem fomos ao PortVentura e a Barcelona (relembro sempre com um sorriso nos lábios a nossa insana busca pela Sagrada Famillia... giramos a cidade toda e quando lá chegamos... hora de ir embora!) Cinco putos completamente perdidos pelas ruas de Barcelona... para mim... mágico!
O que quero dizer é, a senhora não sabe do que está a falar! Esta a generalizar, e isto é feio... dai nasce a ignorância que cada vez mais nos caracteriza lá fora. Ignorância, falta de cultura, de informação, de educação foi isso que matou este jovem! Lloret? É apenas mais uma cidade.
Re: Falta de Castigo? isso é falta de EDUCAÇÃO
Ser Pai ou Mãe não é uma democracia
É cumprir um dever e ter autoridade para dizer "Não".

Mas quando os Pais parecem reféns dos filhos, quando se sentem "culpados" se não apaparicarem os meninos e lhes fizerem as vontadinhas todas, os Pais abdicaram do seu papel.

Quando os Pais passam a "colegas" dos filhos e dizem que "sim" a tudo, estão a hipotecar-lhes o futuro, a minar-lhes a capacidade de resistir às decepções da vida.

Não culpo os Pais, porque penso que algo se passa de muito errado com esta geração de Pais demasiado permissivos e que parecem ter medo dos próprios filhos.
Chega-se ao cúmulo de ver cenas degradantes em público, com fedelhos de tenra idade, a exigir de uns Pais encabulados tudo o que lhes apetece.

Porquê?
De que se sentem culpados os Pais para não mandarem calar imediatamente um fedelho berrante, ou mandarem um adolescente de castigo para o quarto e sem internet-iPod-ijogos-e- ai-de-ti-que-me-desobedeças???

Muitos dos adolescentes são filhos de quem já esteve em Lloret del Mar. Como é possível que os deixem ir?

Legado da geração "Maio de 68" ?
chegam...
...os ardinas da desgraça, os imaculados seres que nunca cometeram excessos! O melhor mesmo é também não deixarem os seus filhos irem para a praia no Verão, pois parece que morrem entre 5 a 15 jovens nas praias portuguesas todos os anos... um pouquinho mais relativamente aos 2 que faleceram em Lloret nos últimos 15 anos. Ai, a praia antro de pecado...

http://barbarraridades.bl...
Re: chegam...
para terminar
Os filhos do Sr. Quaresma( se os tiver), nunca cometeram ou cometerão excessos ou erros, não por serem perfeitos, mas porque são filhos do Sr. Quaresma! Pai responsável, com mais discernimento que todos os outros.
Deveria expor os seus conhecimentos enquanto pai e educador para podermos tornar este mundo tão perfeito como o seu.
Educar para a liberdade (e para a respeito)
Talvez porque sou Castrense (de Castro Verde, portanto), não compreenda o clima que se instalou nos comentários a esta crónica, nem a própria crónica em si; porque sinto que quase todos falam de culpas e pouco de dor; e muito menos de bom senso. Morreu um jovem, um vizinho. Teria certamente os seus defeitos, como virtudes. Tem uma família... que certamente lhe procurou sempre dar o melhor que pode e soube! Morreu um rapaz... deixou uma família destroçada e amigos, que também são meus amigos, desnorteados, sem saber o que pensar (todos com o carrasco das "culpas" a pender sobre as suas cabeças); amigos esses que não sendo perfeitos, não são os diabretes nem têm pais diabretes como aqui se pintaram. Antes de mais, acho que todos mereciam mais respeito! Compreendo o teor e a necessidade da crónica. Sim é imperativo que se pense e fale sobre o assunto, mas chamar-lhe LLoret ou Barcelona, "Tropics" ou "Batló" é ridículo. Porque há miúdos que ficam em coma alcoólico, e em overdose; que engravidam e contraem doenças sexualmente transmissíveis, mesmo ao nosso lado. A questão que se devia estar a discutir é a da educação para a liberdade. Porque embora não conheça a Andreissa Emygdio duvido que ela seja perfeita... e esteve em Lloret. Porque embora eu tenha sobrevivido à adolescência, também tive comportamentos desadequados à vista dum adulto "educado". Sinto que Educar é hoje MAL valorizado; deveríamos todos fazer um esforço para nos tornarmos adultos que mostram caminhos e ...
Re: Educar para a liberdade (e para a respeito)
Re: Educar para a liberdade (e para a respeito)
pais perfeitos, filhos perfeitos
Muitos destes adolescentes, são responsáveis e filhos de pais responsáveis. Lá haverá um caso ou outro menos responsável, é verdade. Mas como evitar um erro de percurso? Fechamos os nossos filhos em casa? Sim, porque os excessos cometem-se em qualquer local a qualquer hora.
Muitos dos adolescentes que se encontram a festejar em espanha, não só festejam porque tiveram excelentes notas mas porque trabalharam bastante e porque querem divertir-se com musica, festas, praias, alegria, a alegria da juventude, que infelizmente muitos já se esqueceram do quanto é bom.
Esta história faz-me lembrar as meninas de Odivelas. Guardadas numa redoma, num colégio interno, supervigiadas em plena clausura( agora já não). Pais, professores e directores da escola, pensaram durante anos que estavam a criar as pessoas perfeitas; mas pensavam mal porque afinal eram simples jovens adolescentes que cometiam os mesmos erros que as outras jovens. É sabido o que acontecia quando escapavam ao severo policiamento. A vida é assim mesmo.
Um adolescente quer divertir-se, aproveitar agora, enquanto pode.
O Sr. Quaresma culpa os pais deste jovem, mas ainda nem sequer sabe as causas da morte. Foi suicidio? Uma situação totalmente imprevisível nos jovens. Nunca saberemos quando é que isso pode acontecer, com quem e em que momento. Não seria preciso estar em espanha. Acidente? os acidentes ocorrem, falta saber que tipo de acidente( uma brincadeira parva, uma distracção?). ...
Live a little
Parei na primeira frase. Sexo, música e desvario não enriquecem a vida? Tá bem. Não sabia que tinha acabado de entrar no cantinho do lar sénior.

(aliás, acho que nem num bom lar sénior o ambiente é tão deprimente)
Saia um Óscar para a Sta padroeira (o) da
Educar para a liberdade 2
(continuação) as suas consequências; adultos que ajudam a compreender este mundo complexo e a tomar decisões; adultos que estão presentes quando as coisas correm bem (reforçando) e quando correm mal (para cuidar as feridas - primeiro; para ajudar a refletir e mudar comportamentos - segundo; para castigar ou repreender - terceiro).
Aos pais deste rapaz deixo o meu silêncio e empatia pela perda. Aos amigos, deixo a força possível e os votos de que se tornem adultos melhores do que eu.
O que tem a escola a ver com isto?
Sobre este assunto, a primeira questão que quereria abordar é a referência, quási sempre semi-indignada, a que "não vão acompanhados de professores...", como se a escola e as funções que esta serve tivessem, ainda que remotamente, algo a ver com estes circuitos delirantes alcandorados já ao estatuto de praxe. Posto isto, a tolerância social,quasi criminosa, com que este tipo de assuntos são abordados entre nós, nomeadamente pelos órgãos de comunicação social, é confrangedora - tudo empurrando pais e familiares, porventura já propensos a excessos de permissividade, tão presentes no ar do tempo, para contemporizarem mais ou menos apreensivos, com tais aventuras. E depois, quando ocorrem dramas como este, que não há-de ser o último, vimos todos lamentar o ocorrido, de autarcas a público em geral, acompanhando protocolarmente a dor sem nome das famílias, continuando sem cuidar de modificar o caldo de cultura em que tudo isto ocorre, sem cuidar de ajudar os pais a manterem-se firmes, saberem dizer não quando é preciso, distrinçarem entre bons e maus hábitos e formas de recreio. Porque será que guardo a sensação de que um conjunto de interesses materiais -turísticos, comerciais, etc., não são estranhos a tais cumplicidades?
Nunca fui a esse sítio!
Nem levo muito a sério aquilo que vejo nas TVs acerca dos comportamentos "excitados" dos adolescentes.
O que preocupa é, como diz o vizinho de cima Francisco pp, é que "há miúdos que ficam em coma alcoólico, e em overdose; que engravidam e contraem doenças sexualmente transmissíveis,,,"!
Ora estas coisas, independentemente das mortes por acidente ou suicídio, são "acidentes" que estragam muitas vezes o futuro desses jovens.
Saber o que leva estes jovens com formação a correr riscos graves com consequências muitas vezes irreparáveis sobre as suas vidas, é o que nos deve levar a meditar sem entrarmos em acusações sobre "excessos".
E aí a responsabilidade dos pais é total pois parece-me que ainda não mudou a regra da natureza de serem os pais os primeiros a terem o dever de proteger e preparar os filhos contra as armadilhas da vida!

Moralidade balofa
Sem desrespeito para o rapaz que morreu e a sua família, acho que este texto nao diz nada e o que diz é daquela moralidade balofa de vir com soluçoes e criticismos depois das coisas acontecerem.

Se calhar os > deviam ser escoltados pelos pais até aos trinta.
L LORET DE MAR
PARABÉNS PELA DENÚNCIA ...SE É QUE AINDA HAVIA ALGUÉM COM DÚVIDAS !...
A APRTIR DAQUI SERÃO OS PAIS E PROFESSORES E TODOS OS QUE FINANCIAM ESTA INICIAÇÃO NA MARGINALIDADE, QUE DEVERÃO SER RESPONSABILIZADOS PELAS MORTES QUE VIEREM A OCORRER !
Comentários 18 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub