Siga-nos

Perfil

Expresso

Comportamento

Cinco dicas para acabar com o stresse...

... antes que ele acabe consigo. Saiba o que a ciência está a fazer para o vencer e conheça estratégias para fugir dele. 

Nelson Marques (www.expresso.pt)

Já dizia o velho Hipócrates, por muitos considerado o pai da medicina: "Todo o excesso é mau." Ou, como lembrava o escritor francês Jean-Pierre Claris de Florian, "o excesso de um grande bem torna-se um mal muito grande." As duas máximas aplicam-se ao stresse. Na dose certa, é um mecanismo fundamental à sobrevivência - sem ele "estaríamos todos mortos", nota o psiquiatra e fundador do Instituto de Prevenção do Stresse, Rui Mota Cardoso. Mas, em excesso, o stresse é um perigo sério. Tão sério que pode matar-nos. Chamam-lhe "a doença mais mortífera do século XXI", mas não é ele a premir o gatilho. O crime encomenda-o a uma lista de patologias assassinas a que está associado, do Alzheimer às doenças cardiovasculares, passando pela depressão e outros males.

Dizem os estudos que, mais do que os genes ou fatores de risco como o tabaco, é o stresse a variável mais importante na hora de determinar quão longa vai ser uma vida. E, surpreendentemente, as formas mais perigosas de stresse são aquelas que parecem mais inofensivas. Várias investigações demonstram que não são as pessoas que ocupam cargos de topo, de enorme responsabilidade, aquelas que estão mais em risco, mas as que ocupam os últimos degraus na escada social e laboral. Não são as horas extras que mais matam. É a frustração pela total ausência de controlo sobre as nossas responsabilidades.

Numa situação de stresse normal, o organismo retoma o estado inicial ao fim de alguns minutos. O problema é que na montanha-russa dos dias o gatilho é premido vezes sem conta, a um ritmo que pode não ter espaço para recuperar. O stresse torna-se crónico. Para atacar o problema, Robert Sapolsky, da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, um dos mais proeminentes neurocientistas mundiais, está a trabalhar no desenvolvimento de um tratamento que funcione como uma vacina para o stresse. Trata-se, no fundo, de recorrer à engenharia genética para provocar a libertação de proteínas protetoras que impeçam o excesso de stresse de danificar o organismo. O tratamento está muito longe de poder ajudar alguém - serão precisos vários anos até que chegue à fase de ensaios clínicos - mas os primeiros testes em laboratório foram animadores: a injeção foi capaz de prevenir quase todos os danos celulares em ratos que foram submetidos a stresse. "Para ser honesto, ainda estou espantado por ver que funciona", disse Sapolsky à revista "Wired". "Provámos que conseguimos reduzir os danos neuronais provocados pelo stresse".

Enquanto a ciência continua à procura de respostas para atacar o stresse, o trabalho dos investigadores vai dando pistas para prevenir que este se torne um problema. Um bom princípio é organizar e controlar a nossa vida para evitar que esta se torne um vulcão de ansiedade - aspirações demasiado irrealistas, por exemplo, seja na vida profissional ou quotidiana, são terreno fértil para a frustração e o stresse.

1. Enfrente os seus medos

Há outras estratégias para se defender. Começa por enfrentar os medos. Um estudo realizado com paraquedistas noruegueses demonstrou que estes apresentavam doses massivas de stresse quando se preparavam para dar o primeiro salto, mas tornavam-se menos ansiosos à medida que a experiência se repetia. O stresse manifestava-se apenas durante o próprio salto, ou seja, quando o organismo precisava dele.

2. Beba pouco, durma muito

A cartilha antistresse passa também pelos nossos hábitos. Anote: não abuse do álcool e durma o suficiente. Apesar do álcool ser um ansiolítico quando bebido com moderação, o seu efeito é contrário se tomado em excesso. A ingestão de uma quantidade superior a um grama por litro liberta uma grande quantidade de hormonas de stresse. Dormir bem também é importante. Investigações recentes demonstram que basta uma noite mal dormida para provocar um aumento súbito na libertação de hormonas de stresse. A cruel ironia é que este fenómeno torna mais difícil adormecer. É um círculo vicioso: mais stresse conduz a mais insónia, o que ajuda a explicar o porquê de os problemas de sono serem um fator de risco para a depressão.

3. Fuja dos conflitos

Se quer ter níveis de stresse baixos deve manter-se longe de confusões. Ao observar babuínos, Robert Sapolsky identificou traços de personalidade que estavam associados a baixos níveis de hormonas de stresse. Entre eles estava a capacidade de se afastarem de provocações. Os babuínos mais pacíficos ficavam não só mais tempo no topo da hierarquia do grupo, o que reduzia a sua ansiedade, como tinham muito mais sexo, um ótimo aliado antistresse.

4. Exercite-se e medite

Além do sexo, a meditação pode ajudar. Bastam dez minutos, uma ou duas vezes por dia, para esquecer as preocupações. Já o exercício físico pode ter efeitos antagónicos. Ainda que seja uma excelente 'pílula antistresse', os seus efeitos só se fazem sentir se o fizermos de livre vontade. Se formos forçados a ir para o ginásio os níveis de stresse não vão diminuir. Pelo contrário, poderão aumentar.

5. Faça amigos

Vários estudos têm revelado que as pessoas com menos amigos ou familiares próximos têm uma menor esperança de vida, o que pode ser explicado pelo stresse associado à depressão. Sendo assim, deixe tempo para quem mais gosta. Se quer ver o stresse longe, mantenha os amigos por perto.

Publicado na Única de 23 de Dezembro de 2010