Siga-nos

Perfil

Expresso

Tecnologia e Ciência

Ehang 184. O drone com lugar para um passageiro

  • 333

Youtube/Ehang Inc

Aparelho foi desenvolvido por empresa chinesa e já foi apresentado em Las Vegas. O aspeto é semelhante ao de um pequeno helicóptero, a grande novidade é que consegue transportar uma pessoa

O primeiro drone capaz de transportar um passageiro foi apresentado, na quarta-feira, em Las Vegas. A empresa chinesa Ehang Inc, com sede na cidade de Guangzhou, deu a conhecer a inovação tecnológica na convenção da CES 2016 - a maior feira de tecnologia de consumo do mundo.

Chama-se Ehang 184 e assemelha-se a um pequeno helicóptero. Quais são as diferenças? O drone tem quatro hélices paralelas ao chão e é totalmente eletrónico, sendo controlado através de um tablet. Consegue voar durante 23 minutos e a bateria pode ser completamente carregada em duas horas. Foi concebido para transportar uma pessoa, até ao peso máximo de 100 kg.

Segundo a empresa, a velocidade máxima é de 100 km/h e a altitude máxima de 3,5 km, tendo sido desenhado para voar entre os 300 e os 500 metros. A cabine tem ar condicionado e até uma luz de leitura, existindo ainda espaço disponível para uma pequena mochila.

Antes de iniciar a viagem, o passageiro precisa definir o plano de voo. Depois, apenas é necessário dar dois comandos: “descolar” e “aterrar”, através de um simples clique no tablet.

O diretor financeiro e co-fundador da Ehang, Shang Hsiao, confessou ao “The Guardian” a vontade da empresa em colocar o aparelho no mercado ainda este ano, por um valor entre os 200 e os 300 mil dólares (entre os 186 e os 279 mil euros). Contudo, Hsiao reconhece as dificuldades, sendo que as determinações legais sobre a utilização de drones para transporte de passageiros é algo ainda não regulamentado.

“O mundo nunca teve nada assim”, admitiu.

Para garantir uma maior segurança durante a viagem, a empresa está a planear criar um centro de controlo remoto, que tenha a capacidade de dirigir o drone à distância, caso se verifique algum problema, uma vez que o passageiro não tem comandos disponíveis para pilotar o veículo.

O diretor de marketing da empresa, Derrick Xiong, assegurou também que o aparelho foi testado mais de 100 vezes, na maioria das vezes com uma pessoa a bordo.