Anterior
Oposição garante que britânicos detidos estão em segurança
Seguinte
ONU pede "acesso urgente" às vítimas de bombardeamentos
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente  >   Líbia: Intervenção militar ocidental teria "efeitos negativos"

Líbia: Intervenção militar ocidental teria "efeitos negativos"

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês considera que uma ofensiva militar ocidental teria "efeitos negativos", mas ressalva que, "caso os confrontos se tornem mais sangrentos, temos que estar preparados para reagir". Clique para visitar o dossiê Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente
Lusa |
Confrontos intensificaram-se nos últimos dias
Confrontos intensificaram-se nos últimos dias / Asmaa Waguih/Reuters

Uma intervenção militar ocidental na Líbia teria "efeitos negativos", declarou hoje, no Cairo, o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Alain Juppé. 

Clique para aceder ao índice do Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente

"A França, mas também vários dos nossos parceiros, não são favoráveis a uma intervenção militar ocidental na Líbia, que teria efeitos bastante negativos", afirmou o chefe da diplomacia francesa, durante uma conferência de imprensa na capital egípcia. 

"Caso os confrontos se tornarem mais sangrentos, teremos que estar preparados para reagir, e é por essa razão que aceitamos a criação de uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia", acrescentou o ministro francês. 

Desde 15 de fevereiro que o regime do líder líbio Muammar Kadhafi enfrenta uma onda de contestação sem precedentes desde a sua ascensão ao poder, em 1969. 

Os confrontos têm vindo a intensificar nos últimos dias e já terão causado centenas de mortos. 

Alain Juppé encontra-se desde sábado à noite no Cairo, a primeira viagem ao exterior desde que assumiu a pasta dos Negócios Estrangeiros, na segunda-feira, em substituição de Mich?lle Alliot-Marie. 

O chefe da diplomacia francesa deslocou-se à capital egípcia para demonstrar o apoio de Paris ao processo de transição democrática no Egito, que considera ser "um país chave" na definição do futuro mundo árabe.


Escolha uma das opções para ler o Expresso


Compre o Expresso na banca
Assine o Expresso no site
Use o registo da assinatura no site para descarregar o Expresso no iPad

Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
Mandar para lá militares, NÃO!!!

Os árabes têm que saber resolver os seus problemas.
Se não sabem, aprendem.
Nada de irmos lá, armados em parvos.

Aliás se o Ocidente fizesse isso, eles unir-se-iam contra nós.

Já chega de "iraques"...

Se Piorar ... esperar ...
... melhorar não vai, todo o mundo sabe ...
esperar ... Já entrámos e a europa há muito que começou a vergar pilares ... a incursão continua ...

Esperar ?
Comentários 2 Comentar

Últimas

BES contamina Bolsa

Investidores assustados com antecipação de prejuízos do Banco Espírito ...

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub