Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

Portas: “Portugueses não perdoariam que a sua vontade fosse desrespeitada”

  • 333

Alberto Frias

Líder do CDS avisa que Costa não pode “transformar uma derrota nas urnas numa espécie de vitória de secretaria”

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Texto

Jornalista da secção Política

Alberto Frias

Foto

Fotojornalista

Na hora da vitória da coligação, Paulo Portas sublinhou esta noite que "os portugueses escolheram com total clareza o PSD e o CDS para serem governo nos próximos quatro anos" e "não perdoariam que a sua vontade expressa nas urnas fosse desrespeitada". E deixou farpas ao PS, já depois de António Costa ter feito a sua declaração de derrota e promessa de continuidade.

Voltando a assumir a função (que cumpriu durante a campanha eleitoral) de disparar sobre a oposição, Portas frisou que o país recusou as vozes da "obstrução" e derrotou o PS. Mas para os socialistas mostrou língua afiada: "A derrota do PS é inapelável. O resultado do PS fica na casa do que obteve nas eleições europeias, cujas consequências foram as que se conhecem"... Um enorme aplauso interrompeu a frase de Portas, que só depois a concluiu: "... mas isso não são contas do nosso rosário".

Em todo o caso, o número dois da coligação lembrou que o resultado do PS de Costa foi o "oposto das expetativas que se anunciavam há poucos meses", assim como ficou muito aquém "do pedido expresso de maioria absoluta" feito pelo líder socialista. E concluiu que "não é possível tentar transformar uma derrota nas urnas numa espécie de vitória de secretaria".

Governar em crescimento económico

Falando antes de Pedro Passos Coelho, que estava ao seu lado durante a declaração conjunta de vitória, e perante boa parte dos ainda ministros e uma sala cheia de apoiantes, o líder do CDS começou por sublinhar que "a coligação Portugal à Frente venceu as eleições com clareza e significativa distância em relação ao segundo classificado". Lembrando a evolução eleitoral da coligação desde as europeias, notou que "progredimos significativamente, embora não totalmente, na reconciliação com o nosso eleitorado".

Portas apontou o erro dos que "nos deram precipitadamente como acabados", e deixou uma pista sobre o dado que poderá ser determinante na legislatura que agora começa: é certo que a coligação já não terá maioria absoluta, mas também já não estará a governar "em estado de emergência". Pelo contrário, agradeceu aos portugueses terem dado à direita "a possibilidade de governar em tempo de crescimento".

Portas prometeu saber "ler e respeitar" a mudança que decorre da maioria de esquerda em termos de lugares no Parlamento, mas avisou que "não vale a pena apelar a qualquer insurreição" ou fomentar "qualquer espécie de guerrilha a crédito".

O líder do CDS deixou ainda uma palavra ao seu partido, para fazer as contas e moderar o entusiasmo que invadiu o Bloco de Esquerda. Reconheceu que o BE superou o PCP no campeonato da esquerda, mas puxou dos seus galões em termos de lugares em São Bento. "O CDS estará em condições, por si ou ex-aqueo, de ser o terceiro grupo parlamentar".