Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

Nova projeção Eurosondagem dá coligação longe da maioria absoluta

  • 333

Luís Barra

Projeção que cruza sondagem à boca das urnas com os primeiros resultados oficiais dá à coligação Portugal à Frente, do PSD/CDS, entre 37,6 e 39,8% dos votos, podendo obter 109 deputados no máximo

Joana Pereira Bastos

Joana Pereira Bastos

Texto

Jornalista

Jaime Figueiredo

Jaime Figueiredo

Infografia

Infográfico

A coligação Portugal à Frente (PàF) não deverá alcançar a maioria absoluta, segundo a nova projeção da Eurosondagem para o Expresso e para a SIC, que atribui ao PSD/CDS entre 101 e 109 deputados.

De acordo com esta projeção, que cruza a sondagem realizada à boca das urnas com os primeiros resultados reais, o PàF obterá entre 37,6% e 39,8% dos votos - na primeira projeção, divulgada às 20h00, a coligação podia chegar aos 41,69%.

Segundo a Eurosondagem, o PS terá entre 30% e 32,2% dos votos, alcançando entre 80 e 86 mandatos.

A nova projeção confirma o Bloco de Esquerda como terceira força política no Parlamento, com 9,4% a 12% e 17 a 20 deputados - o que será a maior bancada parlamentar da história do BE.

Já a CDU deverá obter entre 7,6% e 9% dos votos, com 16 a 19 mandatos.

Esta nova projeção não avança com dados sobre os pequenos partidos, que estão ainda a ser apurados.

  • O povo enmalucou

    Andámos anos a dizer que este era o pior Governo do mundo, ou pelo menos de Portugal. Alguns diziam que era pior do que no tempo de Salazar; outros que os líderes do Executivo eram particularmente maus – queriam que os jovens emigrassem; queriam matar à fome os velhos e acabar com o SNS; queriam mais desempregados, acabar com os subsídios aos mais pobres. Que apenas os instalados, ricos e boys dos partidos da coligação podiam apoiar tal camarilha. Ora, como os eleitores aumentaram, na medida em que a abstenção diminuiu e não pode haver tanto instalado, rico e boy, só podemos retirar uma conclusão: o povo está doido, enmalucou e quer que Portugal se afunde

  • PS+centro-esquerda=derrota. PSD+CDS=PSD

    Se tudo se confirmar, PSD e CDS ficam reduzidos à anterior votação do PSD, pode perder meio milhão de votos e só governarão com o favor do PS. Terá perdido a maioria absoluta, única possibilidade de governar quatro anos. O PS ganhou voto ao centro e perdeu voto à esquerda. Perdeu quando tudo estava do seu lado. Mais à esquerda, o Bloco suavizou o discurso, convenceu os eleitores da sua vontade de governar e graças à performance de Catarina Martins regressa aos excelentes resultados de 2009.

  • O tapete vermelho está esticado para o pós-Costa

    A derrota do PS deixou António Costa muito fragilizado. E sem condições para continuar na liderança do partido. Mesmo que queira ficar, a sua autoridade e legitimidade ficam abaladas para tomar decisões que comprometam o partido. Agora as atenções viram-se para os senhores que se seguem. Se antes de domingo todos negavam – e falo de Francisco Assis e Pedro Nuno Santos -, agora, com este desaire socialista, o caminho está aberto para quem quiser desafiar a liderança. Os próximos tempos não serão fáceis e a feridas serão profundas. A análise de Bernardo Ferrão, o editor de política do Expresso.

  • “Vence o PàF, ganham todos, perde o PS”

    A análise preliminar às primeiras sondagens da noite mostram a vitória inequívoca da coligação de direita, faltando saber a sua dimensão e que condições de governabilidade subsistirão no novo Parlamento. O PS tem uma grande derrota. PCP pode subir e BE pode ter um grande resultado – haverá nesse caso festa rija nas sedes da PàF do Bloco de Esquerda. E há espaço ainda para eleição entre pequenos partidos. O comentário de Pedro Santos Guerreiro.