Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

Livre. “Falhámos nos objetivos mas estamos orgulhosos”

  • 333

José Caria

Rui Tavares assume os maus resultados eleitorais e agradece todo o apoio dado à candidatura cidadã. “A derrota não envergonha ninguém e não há lugar para a tristeza”, afirma

João Miguel Salvador

João Miguel Salvador

Texto

Jornalista

José Caria

José Caria

Fotos

Fotojornalista

"Viva o Livre. Viva a democracia". Assim termina a luta do Livre/Tempo de Avançar nestas legislativas. O partido que começou como candidatura cidadã não conquistou nenhum mandato na Assembleia da República.

O discurso de António Costa, que terminava nesse momento, foi esquecido. Depois de uma atenção redobrada nas palavras do secretário-geral do Partido Socialista, Rui Tavares subia ao palco entre aplausos.

O cabeça de lista pelo círculo eleitoral de Lisboa, durante muito tempo apontado como elegível, assume a derrota. "Os últimos números mostram que não conseguiremos eleger nenhum deputado", diz.

Embora tenham falhado "nos objetivos", assumem a vontade de continuar a lutar e estão "orgulhosos" do que conquistaram. Esta é uma "candidatura que nos deve orgulhar", pois "dissemos com toda a genuinidade aquilo que firmemente acreditávamos".

Sobre a próxima legislatura, Rui Tavares considera que se avizinham "tempos de indefinição política", mas que "a luta continua e nós continuamos nela". Para o ex-eurodeputado, "a derrota não envergonha ninguém e não há lugar para a tristeza".

O cabeça de lista felicitou a Coligação Democrática Unitária (CDU) e o Bloco de Esquerda (BE) pelos resultados e lembrou que agora é preciso "refletir e trabalhar em conjunto". Reforçando a importância do diálogo e da convergência à esquerda, espera "que o PS não traia" os portugueses e que não ceda "a cantos de sereia por parte da direita".