Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

De socialista para socialista: “O que o Dr. António Costa fez ao PS e ao país é criminoso”

  • 333

Alberto Frias

Atual membro da comissão política nacional do PS - e antigo membro do secretariado nacional de Seguro - António Galamba diz que a liderança de Costa foi “insuficiente a sublinhar os quatro anos de governo PSD/CDS e desastrosa a apresentar a alternativa do PS”

O dirigente socialista António Galamba pediu este domingo à noite a demissão do líder do PS, António Costa, por considerar que falhou na unidade do partido e na conquista de uma maioria absoluta.

"O que o Dr. António Costa fez ao PS e ao país é criminoso", escreve António Galamba numa declaração enviada à agência Lusa na qual pede a demissão do secretário-geral do PS após a derrota nas eleições legislativas deste domingo.

O antigo membro do secretariado nacional do PS no tempo da liderança de António José Seguro considera que Costa falhou os objetivos a que se propôs quando se candidatou a secretário-geral.

"Apesar do esforço dos militantes e dos simpatizantes na campanha eleitoral, o Dr. António Costa falhou os dois objetivos que motivaram o assalto à liderança do PS. Falhou na unidade do PS. Falhou na conquista de uma maioria absoluta", refere António Galamba, que ficou fora das listas de deputados socialistas às legislativas.

No entender de António Galamba, atual membro da comissão política nacional do PS, a liderança de Costa foi "insuficiente a sublinhar os quatro anos de governo PSD/CDS e desastrosa a apresentar a alternativa do PS".

"Não é normal o PS não ganhar estas eleições. Fracassados os objetivos políticos, resta a ambição pessoal: a anunciada eventual manutenção poder a todo o custo. Depois de quatro anos de vale tudo à direita, a tentação de um vale tudo à esquerda. Uma solução sem respeito pela vontade popular, ao arrepio dos valores republicanos e democráticos que comemoramos amanhã, a 5 de Outubro", refere António Galamba.

O dirigente socialista recordou ainda que Costa "interrompeu um ciclo eleitoral de duas vitórias nacionais do PS, nas autárquicas e nas europeias".