Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

Marcelo na arruada de Passos: “Cavaco Silva devia ir ao 5 de Outubro”

  • 333

Luís Barra

Antes de Passos e Portas chegarem ao Largo do Carmo, já Marcelo era a estrela. O professor acha que a vitória da coligação é certa e lamenta que Cavaco Silva não vá ao 5 de Outubro

Ângela Silva

Ângela Silva

Texto

Jornalista

Luís Barra

Luís Barra

Fotos

Fotojornalista

Meia horas antes de Passos Coelho e Paulo Portas chegarem à arruada no Largo do Carmo, em Lisboa, já Marcelo Rebelo de Sousa era a estrela, rodeado de militantes do PSD, JSD, muitas mulheres e vários membros do Governo.

O professor foi-se aproximando do local onde os líderes dos dois partidos iriam chegar, visivelmente apostado a surgir ao lado de Passos e Portas. O candidato presidencial, que para a semana deverá dar um sinal da sua intenção de avançar para Belém, não quer deixar dúvidas ao PSD. Está com eles e conta com eles.

Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou para comentar a ausência do Presidente da República no 5 de Outubro, dizendo que Cavaco "devia estar presente, ainda que não falando".

O professor mostrou-se ainda convicto de que a coligação vai ganhar as eleições. Em dúvida, na sua opinião, continua a maioria absoluta: "Vai depender muito dos indecisos, de Lisboa e de Setúbal", disse.

Sempre ao lado dele, esteve o secretário-geral do PSD, Matos Rosa, e vários ministros, entre eles Rui Machete, Paula Teixeira da Cruz, Assunção Cristas, Luís Marques Guedes e vários secretários de Estado. Quem chegou com Passos e Portas foi Pedro Santana Lopes.

Luís Barra

  • Pós-eleições: Cavaco não vai às comemorações do 5 de Outubro

    Tanto quanto o Expresso sabe, não faria sentido para Cavaco Silva fazer um discurso sobre outro tema que não fosse a situação política que decorrerá após as eleições da véspera. Fonte da Câmara de Lisboa escusou-se a revelar as razões alegadas por Cavaco Silva para não comparecer nas comemorações

  • Passos confia na metodologia de Cavaco

    O líder dos sociais-democratas disse que “quase quatro anos e meio de relacionamento próximo com o senhor Presidente da República”, permite saber que Cavaco Silva “tem sempre um pensamento e uma maneira de trabalhar que respeita regras, que é cuidadoso e que é transparente”