Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

António Costa falou seis minutos e perdeu a voz

  • 333

Rui Duarte Silva

Líder do PS discursava na Trindade, em Lisboa, apelando aos indecisos quando ficou afónico

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Texto

Redatora Principal

António Costa não conseguiu concluir o seu discurso durante o tradicional almoço socialista na cervejaria Trindade, que precede a não menos típica arruada pelo Chiado lisboeta, na tarde desta sexta-feira, último dia de campanha.

Costa fazia um veemente apelo aos indecisos, porque, disse, "cada voto vai ser decisivo para expressar a escolha e a decisão de cada um dos portugueses". Nos últimos 30 anos - sublinhou - "não tivemos nenhuma eleição em que cada voto não fosse tão importante para decidir o resultado".

Manifestando-se convicto, depois desta campanha, de que "a esmagadora maioria dos portugueses tem a firme determinação de pôr termo a este Governo" e que as sondagens revelam ainda um elevado número de indecisos, Costa perguntou: "Porquê deixar para debates jurídicos, para a escolha do Presidente da República ou para jogadas políticas na Assembleia, aquilo que cada um pode soberanamente decidir, que é quem governa e como governa?"

"Nos últimos 30 anos, não tivemos nenhuma eleição em que cada voto não fosse tão importante para decidir o resultado", afirmou ainda, considerando que "não haveria nada pior neste quadro financeiro e económico do que gerar a incerteza e deixar para outros a escolha que verdadeiramente cabe a cada um fazer".

E foi quando se preparava para explicar as várias razões para a indecisão que o líder socialista perdeu a voz. "Desta vez, não é culpa do microfone".

Pouco depois desta ocorrência, um médico chegou à cervejaria Trindade e aplicou a António Costa uma injeção, tentando assim acelerar a recuperação da voz do político para o resto do dia de campanha

O médico de António Costa à chegada à Trindade, onde aplicou uma injeção ao secretário-geral socuialista

O médico de António Costa à chegada à Trindade, onde aplicou uma injeção ao secretário-geral socuialista

Rui Duarte Silva