Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

“Parem de resgatar bancos e resgatem famílias”

  • 333

O que é que os políticos nunca dizem mas deviam dizer? Em “Dito por não dito”, e agora que estamos na última semana de campanha eleitoral, o Expresso coloca a questão a personalidades de vários sectores da sociedade portuguesa - e ainda outras duas perguntas: o que é os políticos deviam saber e não sabem e o que é que deviam fazer e não fazem? Começamos com a ilustradora Catarina Sobral, vencedora no ano passado de um dos mais prestigiados prémios internacionais de ilustração

João Santos Duarte

João Santos Duarte

Texto e vídeo

Jornalista

João Roberto

João Roberto

Grafismo vídeo

Motion designer

Há um avô que tem todo o tempo do mundo e um dr. Sebastião que não tem tempo a perder. Cruzam-se todos os dias à mesma hora, mas não podiam ser mais diferentes um do outro. O avô tem aulas de pilates, faz piqueniques no jardim e, apesar da idade, continua um romântico que ainda escreve cartas de amor. Ridículas, como são todas as cartas de amor… Já o dr. Sebastião anda sempre numa azáfama entre a casa, o trabalho, o computador, os emails, os gráficos, as apresentações, as filas de trânsito…

“O meu avô” é um livro ilustrado sobre o tempo e as diferentes vivências da temporalidade, “esse sentimento moderno de falta constante de tempo, de não se ter tempo para nada, de stress diário”. Uma espécie de descrição dos tempos modernos e uma apologia dos tempos em que havia um pouco mais de tempo. A obra valeu no ano passado a Catarina Sobral, 29 anos, o prémio internacional de ilustração na prestigiada Feira do Livro Infantil de Bolonha em Itália.

A metáfora poderia servir também para os desafios que colocámos a Catarina: como podem os nossos políticos fazer então um melhor uso do seu tempo? O que podem dizer e não dizem? “Que a cultura é fundamental para o país.” O que podem fazer e afinal não fazem? “Deviam parar de resgatar bancos e resgatar famílias.” E o que deviam saber e não sabem? “O que é viver no mundo real, fora das jotinhas, dos carros de luxo e dos fatos engomados. O que é viver com um salário minímo ou ser um trabalhador a recibos verdes.”

O primeiro livro de ilustrações de Catarina Sobral, publicado em 2011 pela Orféu Negro, intitulava-se “A greve” e coincidiu com uma altura em que o país conheceu maior agitação social e um agravamento da situação económica. No ano seguinte veio “Achimpa”, já com técnicas diferentes. Das colagens e monotipia passou para as tintas a óleo e lápis de cera. “Gosto de mudar de técnicas consoante o tema, mas também de experimentar, de inovar, de não me sentir aborrecida por estar sempre a fazer as mesmas coisas.”

Os livros procuram sempre atingir vários públicos. “Quero sempre fazer algo que seja tão bom para crianças como para adultos.” Em “O meu avô”, por exemplo, os adultos mais atentos poderão encontrar referências a Fernando Pessoa, Almada Negreiros, Jacques Tati, Manet e Andy Warhol.

Depois do livro que lhe valeu o prémio de ilustração internacional, Catarina Sobral publicou, já este ano, “A sereia e os gigantes”, em que faz a sua própria interpretação de uma lenda sobre a origem da Praia da Rocha, no Algarve, onde passou vários verões quando ia de férias para o Algarve. Está também a preparar uma curta-metragem de animação.