Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

“Papa Francisco é muito mais revolucionário que muitos esquerdistas que andam por aí”

  • 333

HUGO DELGADO/LUSA

Marinho e Pinto esteve num jantar comício, em Braga, onde afirmou que o o PDR vai “levar o 25 de abril para dentro dos tribunais”

O Partido Democrático Republicano (PDR) viveu ontem à noite um momento histórico ao juntar 300 apoiantes num jantar comício em Braga. “Vós sois o motor de uma mudança que vai restituir a dignidade ao povo português”. Foi com estas palavras que Marinho e Pinto abriu o discurso, centrado nas principais ideias do programa do partido, depois de algumas bicadas ao governo e ao PS.

Consciente das críticas que lhe são feitas o eurodeputado aproveitou a ocasião para afirmar que este partido “não é o resultado de um capricho”, que o PDR é “genuinamente popular” e vai “refundar a república”.

Lançadas algumas frases chave como “a liberdade é a principal opositora do medo” ou “a pobreza e a miséria não são uma fatalidade, nem maldição”, o presidente do PDR atirou-se à explicação de alguns pontos do seu programa, como a justiça, uma das suas maiores bandeiras.

“A justiça não é para ser administrada em palácios, nem por majestades” mas antes, sublinhou “tem de estar ao serviço da cidadania e da economia” e, por isso, o PDR vai “levar o 25 de abril para dentro dos tribunais”.

Depois de piscar o olho aos idosos - defende a criação de uma comissão de proteção de idosos, como já existe para as crianças -, aos deficientes e às famílias, defendeu que “toda a criança tem direito a um pai e a uma mãe independentemente da orientação sexual” destes. Marinho e Pinto terminou com uma palavra de apreço aos professores a quem prometeu, caso seja eleito, “restituir a autoridade moral e pedagógica” de forma a que “voltem a ser a figura central da escola”.

E porque o clero tem grande peso no norte, “nomeadamente em Braga”, como nos assegurou uma militante, aproveitou para elogiar o papel da Igreja no apoio aos mais desfavorecidos e afirmou que o Papa Francisco “é mais revolucionário do que muitos esquerdistas que andam por aí a distribuir panfletos”.

Os discursos terminaram com o cantor Carlos Soutelo a entoar o hino que ele próprio fez para o PDR, com o refrão “vamos juntos, juntos, crescer, crescer”.

O eurodeputado retirou-se antes do jantar terminar, mas a festa seguiu noite fora num restaurante nos arredores do centro de Braga.

Hoje a caravana, que tem vindo a aumentar, vai continuar pelo Minho, passando por Paredes de Coura, Ponte de Lima, Viana do Castelo, Valença e Melgaço, entre outras localidades.