Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

Entre o leite e as Lajes, Catarina Martins revela os problemas escondidos dos Açores

  • 333

EDUARDO COSTA/LUSA

“Se há sítio no país onde se sabe como esconder os problema é aqui nos Açores", declarou este sábado a porta-voz do Bloco de Esquerda. Catarina Martins sublinhou dois problemas fundamentais: a Base das Lajes e o setor leiteiro

A porta-voz do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse hoje que os Açores têm sido alvo de uma postura de "esconder os problemas", por parte dos partidos no poder, dando como exemplo o impacto do fim das quotas leiteiras. Na Ribeira Grande, onde juntou algumas dezenas de apoiantes, a bloquista afirmou que o partido alertou por várias vezes para perigos que ficaram escondidos nos programas social-democratas e socialistas e que agora afetam a vida dos açorianos.

"Se há sítio no país onde se sabe como esconder os problemas, empurrar com a barriga - e a semelhança entre os programas do PSD e do PS tem vindo a agravar os problemas sem nunca resolvê-los -, é aqui nos Açores", considerou. Segundo Catarina Martins - que discursou após o cabeça de lista pelos Açores, António Lima -, também se "fez de conta" que se podia confiar em Bruxelas na questão das quotas da pesca e que a situação da base militar da ilha Terceira iria ficar resolvida, depois da anunciada redução da presença norte-americana.

"Sabem como dissemos durante anos que a base das Lajes era um problema e uma bomba-relógio em cima da Praia da Vitória", apontou, um dia depois de cerca de 100 trabalhadores portugueses terem deixado a base, antecedidos por um primeiro grupo de quatro dezenas. Após o almoço, numa exploração agrícola no concelho de Ponta Delgada, a porta-voz defendeu, em declarações aos jornalistas, a criação de mecanismos de proteção da produção, a nível europeu, e de mecanismos de controlo da grande distribuição a nível nacional, lembrando que o fim das quotas, desde há seis meses, é um problema particularmente grave na região, que detém 30% da produção nacional de leite. Por não existirem esses instrumentos, sublinhou, os produtores estão a vender o leite abaixo do preço do custo e as produções estão em risco.

"Não estamos de acordo com uma Europa de mercado do leite liberalizado, que esmaga o preço do produto, não protege a saúde pública e as práticas ambientais. Não foi preparado o fim das quotas leiteiras em Portugal", insistiu Catarina Martins. A visita à exploração fechou um dia de campanha na ilha de São Miguel que começou com uma visita ao mercado da Graça, em Ponta Delgada. A responsável do BE segue hoje para Lisboa, onde terá um comício no domingo, a uma semana das eleições legislativas.