Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

Passos Coelho pede que não se cavem trincheiras

  • 333

Luis Barra

“Só conseguiremos realmente atingir os nossos objetivos se não andarmos a dividir o país”, disse esta noite o líder do PSD, em Vila Real

O presidente do PSD pediu esta quinta-feira que nesta campanha eleitoral não se cavem trincheiras que dividam o país, numa intervenção em Vila Real em que começou por cumprimentar o secretário-geral do PS que ali tinha estado há três dias.

“Nós temos condições hoje para voar mais alto, mas sabemos que só conseguiremos realmente atingir os nossos objetivos se não andarmos a dividir o país, se não cavarmos uma trincheira em que uns têm de perder para outros ganharem. É possível ganharmos todos em Portugal: ter um país a crescer mais, ter empresas a exportar mais, ter mais emprego e podermos todos ficar bem na fotografia”, afirmou Pedro Passos Coelho, num comício ao ar livre da coligação PSD/CDS-PP.

Antes, também o presidente do CDS-PP, Paulo Portas, tinha afirmado que “uma eleição não é uma guerra, é uma escolha”, considerando que é preciso “saber pôr o interesse nacional acima do interesse partidário”.

No seu discurso, o presidente do PSD referiu que “as campanhas tendem a acentuar as diferenças entre os partidos”, mas acrescentou: “Uma coisa é darmos a nossa perspetiva, a nossa visão de futuro, o que queremos. Outra coisa é semear a divisão, é dizer: daqui ou estamos nós ou não está ninguém, e ou estão por mim ou estão contra mim. Não é assim que se constrói uma nação próspera”.

Neste comício ao ar livre havia centenas de pessoas espalhadas pelo Largo da Capela Nova, em Vila Real, mas sem a mobilização de há quatro anos, que encheu completamente este espaço e se estendeu para lá da Rua Serpa Pinto. Na assistência, estava o pai do presidente do PSD, António Passos Coelho.

O presidente do CDS-PP, Paulo Portas, apontou Passos Coelho como “o mais confiável, o mais credível” candidato a primeiro-ministro “e aquele que provou, no quadro desta coligação, ter confiança externa e interna para poder levar o barco a bom porto”.

Depois de ao almoço se ter declarado disponível para compromissos com todos partidos com assento parlamentar, à noite Passos Coelho fez um discurso em tom cordial, afirmando querer “puxar o país para cima” e “chamar todo o país a mobilizar-se para os próximos anos” para quebrar com o “ciclo vicioso” de resgates externos.

A exceção foi para criticar os políticos que “ficam sempre com uma azia enorme cada vez que há bons resultados em Portugal”.

Passos alegou que a coligação PSD/CDS-PP está a ganhar apoios, dizendo que “todos os dias crescem aqueles que se vão desinibindo e que vão mostrando que não tem nada de errado estar de acordo e apoiar aquilo que deu certo nestes anos”, quando antes “as pessoas às vezes pareciam que se encolhiam”.

Apesar do apelo ao diálogo, defendeu que é preciso “que os próximos governantes e que o próximo Governo não andem preocupados com arranjos de partidos para ver se o Governo dura e se o Governo governa”.

No final do seu discurso, manifestou-se convencido de que PSD e CDS-PP conseguirão na sexta-feira “reunir talvez em Santa Maria da Feira o número de apoios para levar para a frente esta campanha” e darão “um tiro de partida muito sério para a última semana de campanha e para dar a Portugal uma grande vitória.