Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

António Costa recupera submarinos e BPN

  • 333

Rui Duarte Silva

O líder socialista exige explicações ao primeiro-ministro, que acusa de formar com Paulo Portas uma “dupla de ilusionistas”

António Costa acusou na noite de segunda-feira a Passos Coelho e Paulo Portas de serem uma “dupla de ilusionistas”, que por palavras mágicas “transformam em mentira o que é verdade e a verdade em mentira”, a propósito da notícia do dia da subida do défice de 2014, que o pôs no mesmo patamar de 2011.

O líder socialista falava num jantar para cerca de mil apoiantes em Vila do Conde, uma terra onde os socialistas lideram a Câmara desde sempre.

O tema já havia sido o objeto principal da intervenção à hora de almoço, em Águeda, mas desta vez Costa elevou a parada, exigindo explicações a Passos de como será possível tapar o buraco: “se o corte dos 600 milhões nas pensões não chegam, vão cortar nas pensões, nos salários, nas taxas moderadoras ou aumentar os impostos”, indagou o líder socialista.

E respondendo à alegação de Paulo Portas de que se tratava de um “mero registo contabilístico”, voltou a perguntar se também não era “um registo contabilístico” os submarinos que o antigo ministro da Defesa comprou, ou a mobilização financeira necessária “depois da roubalheira dos seus amigalhaços do BPN”.

O dia de campanha do candidato socialista foi passada entre os distritos de Aveiro e Porto, numa jornada temática dedicada à educação. Começou logo cedo com uma visita a uma escola secundária e a uma escola de música, em Águeda, à tarde, participou numa conferência de educação em Oliveira de Azeméis e um encontro de investigadores da área da saúde na Universidade do Porto.

Aqui, juntaram-se-lhe os candidatos pelo Porto do Partido Socialista, nomeadamente o cabeça de lista Alexandre Quintanilha.

  • Resultados do défice dão alento ao PS

    Socialistas reagem aos novos dados do défice divulgados pelo INE - 7,2% em 2014, devido ao Novo Banco - e questionam o Governo, que acusam de incompetência: “De que valeram todos os sacrifícios?”. Costa responde: “Fracassaram os objetivos, não merecem confiança”