Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

Portas. “Em quem confiam mais, em Maria Luís ou Mário Centeno?”

  • 333

JOSÉ CARLOS CARVALHO

Em Setúbal, coube à ministra das Finanças malhar em António Costa: “a dívida do país baixou, apesar de termos absorvido a dívida de Lisboa”. Portas puxou pela colega e Passos mostrou-se “muito tranquilo com o julgamento que o país vai fazer”

Ângela Silva

Ângela Silva

Texto

Jornalista

José Carlos Carvalho

José Carlos Carvalho

Fotos

Fotojornalista

Maria Luís Albuquerque foi super aplaudida pelos militantes que encheram o Pavilhão de Setúbal, foi super elogiada por Passos e Portas, e como cabeça de lista da coligação no distrito chamou a si o discurso de malhar no PS. Depois de picar o líder socialista com Lisboa - “a dívida do país baixou apesar de termos absorvido a dívida da câmara de Lisboa” - a ministra das Finanças chamou-lhe irresponsável por ameaçar chumbar o Orçamento se a direita ganhar.

“Se chumbam o Orçamento de Estado como é que cumprem as regras europeias?”, perguntou, “isso é um desrespeito pelos eleitores. Se não votarem neles não deixam ninguém governar. Esses não são os nossos valores”. A sala aplaudiu em força.

Paulo Portas foi pelo lado das pensões de reforma: “Não se esqueçam de dizer isto às pessoas: os socialistas põem em causa as pensões mínimas com a condição de recurso que ele [António Costa] não quer explicar e põem em causa as pensões médias com a baixa da TSU. Só querem salvar as pensões milionárias, para as quais não querem estabelecer um limite contributivo”.

“Quem é que preferem e em quem confiam mais para cuidar das nossas finanças e das nossas poupanças: em Maria Luís Albuquerque ou em Teixeira dos Santos?”. A sala assobia. “Eu sei que esta é fácil. Mas reformulo: E preferem Maria Luís Albuquerque ou Mário Centeno, que aterrou e já arranjou uma aventura de mil milhões de cortes nas pensões?”.

Visivelmente confiantes com as sondagens que continuam a dar-lhes vantagem, Portas e Passos exibiram esperança nos resultados de dia 4. “O primeiro voto deste tempo excecional também pode ser excecional”, disse o vice-primeiro-ministro.

“Estou muito tranquilo com o julgamento que os portugueses vão fazer”, rematou Pedro Passos Coelho, convicto de que “quem tem ganas de acrescentar futuro a Portugal está deste lado”. A maratona ruma hoje ao norte, onde a coligação espera acrescentar futuro à campanha.