Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

Pontal vs. Pontinha: este, sim, foi o derby dos comícios

  • 333

Os portugueses que ligam à política (e até os que não ligam) sabem bem o que é o Pontal. Mas poucos se lembram que em 1995, o PS resolveu fazer marcação ao comício da rentrée do PSD e marcou um evento para Faro exatamente à mesma hora. Foi o Pontal contra a Pontinha, uma noite épica em que as televisões puseram helicópteros no ar e tudo. A menos de duas semanas das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o 18º capítulo

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação da SIC

Há o Farense-Olhanense, o Farense-Portimonense e, depois, há o Pontal-Pontinha. Os primeiros já tiveram melhores dias, quando os clubes algarvios andavam pela I Liga, o segundo teve vida muito curta. Na verdade foi uma vida que durou poucas horas, mas que tomou Faro de assalto. A razão não era menor. Ao longo de anos e anos, mas sobretudo na década de Cavaco Silva, o PSD fez do Pontal um acontecimento político maior. Todos os verões, o PSD tomava de assalto os jardins junto à doca de Faro para fazer a sua rentrée, com discursos importantes e carregados de notícias. O comício era tão importante que as televisões tinham por hábito fazer diretos do comício. E atenção que não havia canais de notícias: os diretos eram em plena noite de sábado, na RTP, SIC e TVI, no meio de um filme ou de um concurso. Nenhuma televisão falhava, os comícios tinha repercussão e até as audiências eram muito altas.

Em 1995 tudo mudou. O PS, muito seguro da sua capacidade de mobilização, anunciou que ia fazer um comício alternativo na mesma cidade e à mesma hora. Local: Pontinha. Em linha reta não estamos a falar de mais de dez minutos à pé. A provocação era evidente, mas o que estava em causa era medir forças a poucos meses das legislativas. Aquele Pontal era o último de Cavaco, que tinha deixado a liderança do país poucos meses antes para Fernando Nogueira, mas que ainda liderava o governo. António Guterres, apoiado numa máquina liderada por Jorge Coelho e Pina Moura, apostou no ombro a ombro e inventou um comício que nunca tinha existido, na zona da Pontinha, em Faro.

Convém explicar, para os menos habituados a estas andanças, que o verdadeiro Pontal não é em Faro, mas noutro sítio do Algarve, onde o PSD fazia originalmente a sua festa de Verão. Aliás, ainda hoje se continua a chamar Comício ou Festa do Pontal a um acontecimento que agora tem lugar no Calçadão de Quarteira (bem, o verdadeiro calçadão também fica no Rio de Janeiro, mas isso é outra conversa). E foi assim que com um Pontal importado e uma Pontinha arranjada à pressa que se deu o derby dos comícios dos anos 90. E nunca houve outro igual.

Nesse dia as televisões começaram os diretos logo à hora de almoço. De um lado José Apolinário, homem forte do PS algarvio, do outro Cabrita Neto, o todo poderoso do PSD nos tempos de Cavaco Silva. Digamos que não havia austeridade. Eram palcos a sério, bem equipados, bandeiras aos montes, autocolantes aos molhos, equipas muito profissionais. Cavaco chegou a guiar o seu carro, quando as televisões tinham helicópteros no ar, para ver quem tinha mais gente. A SIC fazia diretos exatamente a meio dos dois comícios, numa das pastelarias mais famosas da baixa de Faro. O dia foi levado a sério, com emissões parecidas com as do Porto-Benfica deste domingo.

A noite correu como se previa. Do lado do PSD, máquina muito bem oleada, vinda de três vitórias seguidas, duas delas com maioria absoluta, mas em perda eleitoral. Do outro uma equipa menos treinada, mas com uma convicção de vitória clara e um líder que sabia como estar em comícios. Guterres sabia colocar a voz sem esforço, tinha tido aulas de dicção e respiração e usava sempre a mesma técnica: colocava o olhar em alguém da multidão e discursava tendo em conta as suas reações e emoções. Além disso, fruto da sua técnica parlamentar, sabia bem quais eram as frases que iam ser notícia e levava-as bem pensadas.

O Pontal vs. Pontinha foi um empate em número de assistentes e entusiasmo. Mas quem já lá tinha estado em anos só de Pontal, percebia que os tempos estavam a mudar. A enchente da Pontinha não era apenas uma provocação. Era uma prova de força absoluta, de quem vai jogar ao terreno do adversário e nem pede licença. Entra, senta-se e faz a festa. O derby dos comícios durou poucas horas, uma manhã e uma tarde de aquecimento e uma noite em cheio. Depois acabou para sempre.

  • Os nossos tesourinhos das campanhas

    Beijos em anões, mergulhos no Tejo, gafes, debates épicos, bolos-reis comidos à pressa, mais gafes, frases memoráveis, momentos embaraçosos e outros gloriosos. E, claro, muita política. Varremos tudo de forma pouco científica e puxámos pela memória de 40 anos de democracia. Durante o mês que antecedeu as legislativas, revisitámos diariamente as campanhas de outrora. Juntamos o resultado num único artigo

  • Quando os salários congelaram Durão

    Março de 2002. A dez dias das eleições que levariam o PSD, coligado com o CDS, de volta ao poder, Durão Barroso teve um dia negro com afirmações, contradições e trapalhadas. Motivo: o congelamento dos salários na função pública. Crónica de um tempo em que os políticos eram criticados se prometiam aumentos... pequeninos. A menos de duas semanas das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o 17º capítulo

  • A bomba de Cunhal

    Em 1991, Cunhal fez a sua última campanha eleitoral como secretário-geral do PCP. Nesse dias, o líder comunista nunca largou a sua pochette nem revelou o que levava lá dentro. A duas semanas das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o 16º capítulo

  • Quando Cavaco Silva fez a cara mais estranha da nossa política

    Cavaco Silva corria para Belém pela segunda vez. Dez anos antes tinha perdido a eleição para Jorge Sampaio. A campanha acabou por ser um passeio para o antigo primeiro-ministro. Mas teve percalços. Santana Lopes, a quem Cavaco tinha ajudado a correr de S. Bento com o artigo no Expresso sobre “a má moeda”, diria na SIC Notícias que se o professor fosse eleito, era de esperar “sarilhos institucionais” com Sócrates, então primeiro-ministro. A duas semanas das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o 15º capítulo

  • O golo de Vilarinho que lesionou Durão Barroso

    José Luís Arnaut levou o futebol para a campanha de Durão Barroso à boleia do Euro. E o Benfica tremeu. Vilarinho estampou-se em direto. A dívida fiscal do Benfica esteve em cima da mesa. E o Zé Manel chegou a primeiro-ministro. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o 12º capítulo

  • No tempo em que os comícios de Sócrates tinham sabor a caril

    Não é novidade que em campanha eleitoral os partidos tentem sempre encher a sala. Mas o PS de Sócrates exagerou. Em Évora, na corrida de 2011, os turbantes que compunham a plateia deram nas vistas. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o 11º capítulo

  • Quando Soares chocou com uma “alfaiataria” das novas

    Mário Soares, candidato presidencial em 2006. O povo na rua já não vibra com o bochechas e o animal político sente na pele que a idade conta. Em Viseu, foi uma loja a trai-lo. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o nono capítulo

  • Quando a lota matou o candidato

    Nove de junho de 2004: a três dias do início do Euro de futebol e a quatro das eleições europeias, a trágica morte em plena campanha de Sousa Franco, cabeça de lista do PS, chocou o país. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o oitavo capítulo

  • Quando Soares confundiu o CDS com o PP e Ribeiro e Castro com o PS

    A última campanha presidencial de Mário Soares foi uma prova para o candidato, mas também para os jornalistas. Houve momentos de grande confusão e este foi seguramente o mais confuso de todos. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o sétimo capítulo

  • Quando Sampaio defendeu a honra de Cavaco e calou um apoiante

    Jorge Sampaio nunca foi o político habitual, muito menos em campanha no terreno. Às vezes desconcertava os seus próprios apoiantes, como na vez em que deu um raspanete público a um apoiante que resolveu chamar “ladrão” a Cavaco Silva, seu opositor nessas presidenciais. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o sexto capítulo

  • Como Guterres mudou os debates para sempre e as arrobas chegaram ao estrelato

    António Guterres é provavelmente o político mais dotado em televisão que vimos em muitos anos. Ao pé dele, mesmo Paulo Portas ou Francisco Louçã eram “apenas” bons. Guterres tinha tanta confiança nos debates parlamentares e televisivos que mudou as suas regras para sempre. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o quinto capítulo

  • O PIB de Guterres contado na primeira pessoa

    A política portuguesa está cheia de gaffes, mas esta é a mais célebre de todas. Tão célebre que, na verdade, nem sequer é uma gaffe e ficou assim cunhada para a história. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o quarto capítulo, contado por Ricardo Costa - que fez a famosa pergunta a Guterres

  • O carnaval de Santana

    Uma campanha que parou ao segundo dia e uma inesperada visita a São Bento, com Santana a oferecer chás e cafés. A menos de um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o terceiro capítulo

  • E Soares beijou o anão…

    Depois de o Expresso ter publicado em três etapas a retrospetiva dos melhores debates televisivos em Portugal, agora prossegue com uma nova série: histórias de campanha. A um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas. Este é o segundo capítulo

  • “Consigo ainda dava uma cambalhota!”

    Depois de o Expresso ter publicado em três etapas a retrospetiva dos melhores debates televisivos em Portugal, agora arranca com uma nova série: histórias de campanha. A um mês das legislativas, revisitamos as nossas memórias políticas

  • Viagem aos melhores debates televisivos em Portugal (etapa 1)

    Soares vs Cunhal, cigarros e mais cigarros, Soares contra Zenha, Freitas e Soares numa eleição épica e, claro, o célebre dia em que Marcelo, o rei da comunicação, perdeu o pio frente a Sampaio e lhe entregou a Câmara de Lisboa numa bandeja. Os nossos debates televisivos têm muito que contar. Por isso, puxámos da nossa memória seletiva e contamos tudo. Primeira etapa de uma viagem que continua nos próximos dias

  • Viagem aos melhores debates televisivos em Portugal (etapa 2)

    Nesta etapa há de tudo: do violento Basílio vs. Soares de 1991 ao debate que Jerónimo venceu por estar... afónico. Pelo meio, temos o importante Guterres/Nogueira, a vez em que o primeiro-ministro Guterres quis fazer debates sucessivos contra todos e o único confronto entre os irmãos Paulo e Miguel Portas. Quase no fim, a inequecível noite em que Santana e Sócrates se enfrentaram. Segunda etapa de uma viagem que terá ainda um terceiro e último capítulo

  • Viagem aos melhores debates televisivos em Portugal (etapa 3)

    Lembra-se de quando Carrilho deixou Carmona de mão estendida? E da noite em que Soares e Alegre se enfrentaram num estúdio televisivo? Neste artigo lembramos esses debates, mais o Cavaco/Alegre e dois dos melhores dos últimos anos: Sócrates contra Louçã em 2009 e o Passos vs. Sócrates em 2011. Terceira e última etapa da nossa viagem aos melhores debates televisvos em Portugal