Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

Catarina Martins. “António Costa está mais virado para fazer acordos com o PSD”

  • 333

Daniel Ribeiro

Em visita a Paris, onde contactou com emigrantes e lesados do BES, a líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse ao Expresso que continua à espera de uma resposta de António Costa sobre um eventual acordo pós-eleitoral. “Como ele não responde, penso que está mais virado para outro lado”

Em apenas oito horas de visita a Paris, durante as quais dialogou com dirigentes de associações de emigrantes e com representantes do movimento dos lesados do BES, Catarina Martins, porta-voz do Bloco de Esquerda (BE), não fugiu a nenhuma pergunta.

Sobre o repto que lançou ao líder do PS, António Costa, para discutir acordos de Governo no dia a seguir às eleições, respondeu desta forma ao Expresso: “Fizemos essa proposta, pusemos as nossas condições – o abandono dos cortes nas pensões e na TSU, por exemplo – e ele ainda não respondeu. Como não o fez, penso que está mais virado para outro lado”.

Em resposta a uma nova pergunta sobre se o “outro lado” será o PSD ou uma ala do PSD que sairá reforçada depois de uma eventual vitória do PS com maioria relativa a 4 de outubro, respondeu de forma clara: “É isso mesmo, com uma ala do PSD, penso que ele está mais virado para fazer acordos com o PSD”.

Catarina Martins - que esteve sempre acompanhada durante a curta visita a Paris pela deputada Mariana Mortágua e pela cabeça de lista pelo círculo da Europa, Cristina Semblano - falava ao Expresso depois de um almoço com militantes bloquistas emigrantes num restaurante francês do quarteirão da Ópera, propriedade de emigrantes portugueses.

“Aprendi mais numa hora do que durante a vida toda”

Antes do almoço reunira-se com José Barros, dirigente da Santa Casa da Misericórdia de Paris, que a alertou contra as “ideias feitas” sobre os chamados "emigrantes de sucesso" e para os elevados níveis de pobreza de boa parte deles, sobretudo dos reformados da primeira geração emigrante.

Sobre os novos emigrantes, Catarina ouviu o conhecido militante associativo e humanista residente em França desde os anos 1960 dizer-lhe “nunca esperei ter de ajudar novos emigrantes, os que estão a chegar”.

A seguir, a líder bloquista teve uma reunião conjunta com dirigentes da Coordenação das Coletividades Portuguesas de França (CCPF), que representa mais de uma centena de associações, e com a Cap Magellan (lusodescendentes) e a AGRAF (diplomados portugueses, muitos deles emigrantes recentes forçados).

Todos sublinharam o “desprezo” e o “abandono” que dizem sentir da parte do Governo português - “e da diplomacia”, sublinhou Rita Furtado, da AGRAF – em relação às suas associações e aos emigrantes e lusodescendentes.

“Portugal não apoia as associações que dão aulas de português”, disse Anna Martins, da Cap Magellan. “Recebemos cada vez mais telefonemas de pessoas em dificuldades e que o consulado manda para nós e a nossa estrutura não tem meios porque os apoios foram cortados”, acrescentou José Cardina, da CCPF.

Catarina registou os problemas: sobre as “extremas fraquezas” do ensino da língua portuguesa em França, as deficiências da rede consular ou a ausência de campanhas cívicas para levar os emigrantes a recensearem-se para votarem nas eleições portuguesas. No fim, desabafou: “Em apenas uma hora fiquei a saber mais sobre a emigração portuguesa do que durante a minha vida toda”.

Mariana e os lesados do BES

daniel ribeiro

À tarde, antes de apanhar o avião de regresso a Portugal, Catarina Martins ouviu cerca de duas dezenas de lesados do BES, na rua, junto à delegação parisiense do Novo Banco num bairro chique do quarteirão do Trocadero, em Paris.

Mas, aí, a estrela foi Mariana Mortágua. Todos os lesados a queriam cumprimentar, tirar fotografias com ela, felicitá-la pelo seu desempenho na comissão parlamentar de inquérito, expor-lhe os seus problemas por vezes dramáticos e falar-lhe do seu desespero perante a perspetiva de perderem grande parte das poupanças de toda a sua vida de trabalho.

“O que temos tentado fazer é que o plano de que tudo caia no esquecimento para que o Novo Banco seja vendido rapidamente - esquecendo milhares de pessoas atrás dele - não se concretize. Vamos continuar a dar visibilidade a estes casos e pressionar para que seja dada uma resposta positiva a estas pessoas que foram enganadas. Foi por isso que viemos cá hoje”, explicou Mariana Mortágua.