Siga-nos

Perfil

Legislativas 2015

Legislativas 2015

Como se fez o ‘fator Catarina’

  • 333

Catarina Martins, em novembro de 2012, quando chegou à liderança do BE

TIAGO PETINGA/Lusa

A líder do BE é a grande surpresa das eleições. Está mais sorridente, corrigiu o tom de voz e rejuvenesceu a imagem. Resultou

Ser atriz ajuda. E ajudou Catarina Martins a encarnar o papel da sua vida: o de líder do Bloco de Esquerda, numa difícil corrida para as legislativas, onde a ameaça de uma grande quebra eleitoral paira no horizonte. A porta-voz está mais confiante e assertiva, mais sorridente e preparada. Ganhou debates televisivos e popularidade ainda antes do arranque da campanha eleitoral. “Não tivemos nenhuma sessão de media training”, dizem os seus principais assessores. O resultado foi conseguido “com a prata da casa”, garantem.

De repente, choveram elogios. Há quem fale no “fator Catarina” que está a salvar o Bloco de Esquerda do desaire eleitoral. Marques Mendes acha que a líder “surpreendeu” e se “já tinha estado bem” no seu primeiro debate com Jerónimo de Sousa, esteve ainda melhor com o supertreinado Paulo Portas que “embaraçou” e a quem “complicou a vida” durante a passagem pela televisão. Para o comentador social-democrata e, por isso mesmo, insuspeito de morrer de amores pela líder bloquista, Catarina Martins “mudou muito nos últimos tempos”, “graças à competição interna com Mariana Mortágua”. E até o professor Marcelo achou “muito bem” a sua prestação em fase ainda de pré-campanha.

A transformação de Catarina Martins “não é de agora”, garante o seu núcleo duro. O visual mais leve, onde desapareceram os cabelos brancos que começavam a surgir, “não é novo”, mas só agora deu nas vistas. Tal como a aposta no sorriso, que dá um ar mais simpático e jovem à líder. O partido desvaloriza estes pormenores. “Um debate na televisão é um formato diferente, daquele em que as pessoas estava habituadas a ver Catarina Martins”, explica um dos conselheiros da líder. “É claro que não faz sentido sorrir para o primeiro-ministro durante um debate parlamentar sobre o desemprego. Num debate televisivo de uma hora, isso será possível”. E foi. Sendo a única mulher a participar nos debates televisivos e, ainda por cima, a mais nova, isso deu-lhe os créditos que soube recolher.

A líder bloquista, na semana passada, no debate televisivo com Paulo Portas

A líder bloquista, na semana passada, no debate televisivo com Paulo Portas

Marcos Borga

Louçã e Semedo ajudam

O timbre de voz tornou-se menos agudo e Catarina fala com mais calma. Isso foi notório em todas as suas presenças televisivas mas não por graça de conselhos de profissionais de imagem nem de aulas extra de última hora. “Todos esses aspetos foram sendo corrigidos ao longo dos tempos”, dizem as mesmas fontes. Obrigada a passar para primeiro plano, depois da doença de João Semedo, Catarina Martins teve de passar a assegurar os debates quinzenais com Passos Coelho desde o final do ano passado. Foi uma espécie de treino intensivo. “Foi obrigada a ir encontrando o seu próprio registo”. O facto de ser atriz “e de poder ver-se, depois, na televisão”, permitiu corrigir as falhas. “Muitas vezes, nem precisou que ninguém lhe chamasse a atenção”, garante a sua entourage.

Mas a estratégia eleitoral não passou apenas pela imagem de Catarina Martins e pela preparação dos debates, normalmente feitos em petit comité com o diretor de campanha Ricardo Moreira, os assessores de imprensa Pedro Sales e Catarina Oliveira, a fotógrafa oficial Paulette Matos e o consultor político, Jorge Costa. A direção do partido apostou na preparação de argumentos fortes para alguns temas-chave da campanha — Segurança Social, emprego, dívida e BES. Antes do verão, Catarina Martins recolheu informações e ajudas de vários quadros e ex-quadros do Bloco. Francisco Louçã e João Semedo deram uma mão na preparação de algumas áreas sectoriais. Tal como Pedro Filipe Soares e Joana Mortágua, ou Jorge Costa e Ricardo Moreira.

Em plenas férias, a líder organizou a informação e reuniu-a num livro, que acabou por ser lançado como mote do arranque da campanha. O trabalho de casa está lá todo. Em pequenas ‘fichas’ e resumido em gráficos, de leitura fácil, Catarina Martins acabou por ter aqui as suas melhores ‘cábulas’ para os debates. E, para surpresa de muitos adversários, mostrou que está preparada e com a lição na ponta da língua.