Anterior
Lucro da Estradas de Portugal subiu 40%
Seguinte
Primark procura colaboradores para Coimbra
Página Inicial   >  Economia  >   Lavagem de dinheiro leva a demissão no maior banco europeu

Lavagem de dinheiro leva a demissão no maior banco europeu

David Bagley, responsável pela regulação do banco HSBC, demitiu-se perante a comissão do senado norte-americano que investigou o envolvimento do banco em lavagem de dinheiro
|
Lavagem de dinheiro leva a demissão no maior banco europeu

O envolvimento do banco HSBC, nos Estados Unidos, na lavagem de dinheiro dos cartéis de droga mexicanos, assim como em potenciais transacções ilícitas com países como o Irão, Síria, Ilhas Cayman e Arábia Saudita, levou ontem David Bagley, responsável pela regulação da instituição desde 2002, a anunciar a sua demissão perante o senado norte-americano.

O senador Carl Levin afirmara: "as desculpas e os compromissos para melhorar são bem-vindos, mas responsabilização pela conduta do passado é essencial e é o que tem faltado aqui".

Essa responsabilização acabou por ser parcialmente assumida por Bagley. "Reconheço que houve significativas áreas de fracasso. Apesar dos melhores esforços e intenções de muitos profissionais dedicados, a HSBC ficou aquém das nossas expetativas e das expectativas dos nossos reguladores. Isto é algo que um banco a procurar fazer negócios nos Estados Unidos e globalmente deve consciencializar e dar passos para evitar no futuro", referiu o responsável do maior banco europeu, na intervenção em que anunciou a sua demissão.

Em causa. estão transações de milhares de milhões de dólares efectuadas entre 2001 e 2007, através da HBUS, principal filiada da HSBC nos Estados Unidos, sem garantias de que os dinheiros envolvidos não proviessem de actividades ilícitas como o narcotráfico ou o terrorismo.


Opinião


Multimédia

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 7 Comentar
ordenar por:
mais votados
Oh comentadores da treta!
Sempre tão lestos a "acharem" qualquer coisa, naquele exercício tão engraçado do: "eu acho, isto, au acho aquilo" e ninguém pesca nada do que está a falar. O jotinhas de serviço na contra informação a cantarem loas ao governo. Todos estão caladinhos. Estranho, ou talvez não o tema é os Bancos, os ladrões dos banqueiros e os reguladores da banca a funcionar. Coisa que por estas bandas é proibido falar por isso este sillêncio de chumbo. Por cá os banquitos de pataco não fazen lavagem de dinheiro, não há fugas de capitais por processos fraudulentos, nã nada disso. É tudo gente séria... claro que são só até serem investigados o que neste país é impensável.
Re: Oh comentadores da treta!
MÁQUINAS DE LAVAR
Os bancos de qualquer país do mundo deveriam passar a denominar-se MÁQUINAS DE LAVAR (dinheiro). Por cá o BPN lavou que se fartou, os outros, lavaram mas com menos lixívia, pelo que ninguém descobriu o cheiro de lavagem, então, a partir de agora, os jornalistas deviam deixar de dizer (ou escrever) "BANCA" passando a usar o termo "LAVANDARIA". Ainda se podia dividir a lavandaria em: DE LIMPEZA A SECO (lava mas nada encolhe e não se nota) e a LIMPEZA A VAPOR, em que a água que mete, deixa ver que tudo encolheu e... são descobertos. O problema é que as limpezas a seco são muitas mais que a vapor e, mesmo as feitas a vapor, há sempre quem olhe (supervisores) e, mesmo tendo a coisa encolhido um metro, nunca notam.
Será?
O dinheiro de proveniência duvidosa tal como roubado, do tráfico de armas, do tráfico de droga, da fuga aos impostos, etc... metido num saco e misturado com dinheiro ganho honestamente, é... todo igual.

Para isso cá estão as "lavandarias", vulgo Bancos.
"The Banksters"
lol
Pronto já está, já passou! Uma demissãozinha, um puxãozinho de orelhas, promessas de um futuro repleto de banqueiros humildes que correrem nas verdejantes planícies arborizadas...
The Banksters....
(Gostei Heinkel:))
Continua a ser incrível a libertinagem do sector financeiro, mas o que não deixa de ser espantoso é a falta de controlo com que estes tipos ajem. Manipulam taxas, lavam dinheiro, traficam informações, vivem em plena ostentação, não geram valor e ainda por cima recebem brutais dividendos. E estes ladrões não têm cursos "à La Relvas", mas a baixeza de princípios e valores é a mesma. Há um tempo dizia o João Salgueiro e o Cavaco que o sector bancário português tinha uma solidez invejável......Economistas e Economia da treta.
Comentários 7 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub