0
Anterior
"Tudo pronto" para resgate a Portugal, diz ministro das Finanças holandês
Seguinte
Défice de 2010 ficou em 8,6%
Página Inicial   >  Economia  >   Laurindo Costa morre aos 76 anos

Laurindo Costa morre aos 76 anos

Empresário Laurindo Costa foi hoje a enterrar em Gaia. O seu nome fica ligado à construtora Soares da Costa, fundada pelo seu pai.

|
Laurindo Costa (1930-2011)
Laurindo Costa (1930-2011) / Sérgio Granadeiro

O empresário Laurindo Costa, 76 anos, foi esta manhã a enterrar no cemitério de Pedroso, em Gaia. Faleceu na terça-feira, mas a família só hoje tornou pública a sua morte. Laurindo foi acionista de referência da construtora Soares da Costa até 2007.

Laurindo Costa fez história no mundo dos negócios ao apear do poder, em meados de 1988, o seu irmão José, terminando com uma liderança de 53 anos na construtora fundada pelo seu pai. 

Reuniu na sombra um pacote de ações suficiente para derrubar José, sem que este sequer suspeitasse da manobra. Laurindo, o mais novo de uma prole de seis filhos, sempre fora um comercial que vivera na sombra do seu irmão mais velho, um líder solitário e omnipresente.

Ascensão e queda


Hoquista na juventude viciado em caça e pesca ao ponto de exibir no seu currículo um belo salmão de 25 quilos pescado no Alasca, Laurindo deixa o seu nome ligado à ascensão e queda da construtora da família. A construtora internacionalizara-se na década de 70, com obras na Venezuela e Guiné. Anos depois, seriam as torres Majadi, no Cairo. Em 2006, fechou um ciclo, transitando para o universo de Manuel Fino, que depois do cimento (Cimpor) se deixara tentar pelo betão.

Laurindo Costa esteve nos melhores e piores momentos da construtora. Conduziu-a à liderança do sector e tornou-se pioneiro na conquista de novos mercados, antes da descida aos infernos com dois funestos devaneios - o crescimento descontrolado de investimentos imobiliários de que o pior exemplo foi o empreendimento CIA, no Campo 24 de Agosto (Porto), e uma infeliz parceria com a FiatImpresit que era suposto dar acesso a novos mercados, em especial na Europa de Leste.

Arriscou as poupanças e património para salvar a empresa através de um aumento de capital e esperou que ela voltasse aos lucros para encontrar, em 2006, uma saída airosa. Depois de aventuras mal sucedidas no estrangeiro e no imobiliário, a companhia evitou o colapso com a injeção de 50 milhões de euros. Todos os accionistas de referência participaram no esforço financeiro, solução sugerida pela Teixeira Duarte (TD) - o grupo concorrente perfilara-se, dois anos antes, como parceiro estratégico.

Construtora salva 


Antes, já a SC ganhara o concurso do metro do metro do Porto, uma conquista preciosa. Laurindo meteu a parte que lhe competia e ainda reforçou a sua posição para quase o dobro. Laurindo ajudou a salvar a construtora, mas hipotecou a sua vida. Teve de se financiar, ficou refém do sistema bancário. Restava-lhe esperar uma oportunidade que liquidasse os compromissos bancários e lhe garantisse uma reforma tranquila e feliz.

Registada como construtora em 1925, depois de se ter iniciado como oficina de pintura sete anos antes, a vida da Soares da Costa foi marcada por várias alianças falhadas. Primeiro com a FiatImpresit, depois com a TD que fica com 25% que se encontrava no BCP. Laurindo acreditara que a parceria com a TD seria virtuosa e não lhe teria repugnado a ideia de a SC passar para a sua órbita. Mas a esperança transformou-se em desilusão. Em 2006, termina o ciclo da família Costa num dos grupos empresariais que se tornaram uma referência do Norte do país. 


        


 

  

Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar
ordenar por:
mais votados
Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Últimas


Pub