Anterior
Céu: massa ou maça?
Seguinte
Chesterton, Lara Li, o Papa Francisco, Carlos do Carmo e Habermas
Página Inicial   >  Blogues  >  Luz e lata  >   Jürgen Habermas ou "HaberBoas"? Amanhã, o pensador abre debate na Gulbenkian (I)

Jürgen Habermas ou "HaberBoas"? Amanhã, o pensador abre debate na Gulbenkian (I)

|
Assim de repente, parecia outra coisa, mas não
Assim de repente, parecia outra coisa, mas não / da WWW

"Os Livros e a Leitura: Desafios da Era Digital", é o tema da Conferência Internacional de Educação 2013, organizada pela  Fundação Calouste Gulbenkian . Na era WWW: o que é o livro e a leitura? Jürgen Habermas, filósofo e sociólogo alemão, abre a conversa com uma reflexão intitulada "A Democracia na Europa".

Deste meu "diz e tal", e para aguçar o apetite, recordo hoje 2004 - Iraque invadido pelos EUA - o encontro entre Habermas e Ratzinger, no qual se discutiram "as bases pré-políticas e morais do Estado democrático". O filósofo e o cardeal debateram então: razão e fé, capitalismo globalizado, moral nas sociedades pluralistas e mediáticas, interculturalidade, poder e direito comum. Habermas centrou-se nisto: "Os secularizados não devem negar o potencial de verdade às visões religiosas do mundo". Por sua vez, Ratzinger põe também o seu dedo na ferida: "O homem desceu até ao fundo do poço do poder, até à fonte da sua própria existência". O encontro entre os dois pensadores tornou-se livro; obrigatório; dele deixo uns "hits", que podem ajudar a contextualizar. E amanhã, ao vivo, vamos ver o que vai acontecer, no evento que referi.

Habermas defende o liberalismo político como integrando uma justificação não-religiosa e pós-metafísica dos fundamentos normativos do Estado constitucional democrático: um direito racional, que prescinde dos fundamentos do direito natural, clássicos e religiosos. Na "sociedade pós-secular" dá-se um juízo normativo que tem consequências para a convivência política entre cidadãos não-crentes e crentes. A consciência religiosa foi forçada a processos de acomodação. Mas a compreensão da tolerância das sociedades pluralistas, que possuem uma Constituição liberal, não encoraja apenas os crentes no convívio com quem não crê ou crê de outro modo. Há que perceber a permanência racional de uma convivência em confronto. Em de-bate. Ou seja, a mesma perceção, no quadro de uma cultura política liberal, é exigida dos não-crentes no "viver" com os crentes.

Ratzinger defende que razão e fé, razão e religião, são convocadas a uma purificação e salvação recíproca. Que esta regra fundamental deve ser concretizada no contexto intercultural de nossa atualidade, de forma prática. Sem dúvida, são a fé cristã e o racionalismo secular ocidental as duas partes principais dessa correlação. Pode e deve dizer-se isto sem postiços eurocentrismos. De forma inconsciente, dão-se hoje patologias da razão, uma "hybris" da razão: a bomba atômica, o homem como produto, etc.. Deve por isso a razão ser lembrada dos seus limites e dispor-se a ouvir as grandes tradições religiosas da humanidade. Se a razão se emancipa completamente e coloca de lado essa disposição, essa capacidade de correlação, então torna-se destruidora. É importante para esses dois grandes componentes da cultura ocidental - a fé cristã e o racionalismo secular ocidental - deixarem-se comprometer com um ouvir, com uma verdadeira convivência com essas culturas. É importante inclui-las na construção da polis, na tentativa de uma correlação polifónica, na qual elas próprias se podem abrir para uma complementaridade essencial entre razão e fé. Só dessa forma vai acontecendo na "praça" um processo universal de purificação no qual as normas e os valores essenciais - de alguma forma conhecidos ou pressentidos por todos os homens - possam adquirir uma nova intensidade luminosa.

Concluo: o debate pode contribuir para que novamente possa vibrar na humanidade aquilo que "sustenta" o mundo. Digital ou não: a leitura, o livro, a "boa palavra". Nova, original. Quem não quer ser protagonista? Cá para mim, e sem esbater as diferenças, é simples: ou protagonistas ou nada. Cada um, à sua maneira, usando a sua razão. A verdadeira acção é comunicativa?


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub