Anterior
Céu: massa ou maça?
Seguinte
Chesterton, Lara Li, o Papa Francisco, Carlos do Carmo e Habermas
Página Inicial   >  Blogues  >  Luz e lata  >   Jürgen Habermas ou "HaberBoas"? Amanhã, o pensador abre debate na Gulbenkian (I)

Jürgen Habermas ou "HaberBoas"? Amanhã, o pensador abre debate na Gulbenkian (I)

|
Assim de repente, parecia outra coisa, mas não
Assim de repente, parecia outra coisa, mas não / da WWW

"Os Livros e a Leitura: Desafios da Era Digital", é o tema da Conferência Internacional de Educação 2013, organizada pela  Fundação Calouste Gulbenkian . Na era WWW: o que é o livro e a leitura? Jürgen Habermas, filósofo e sociólogo alemão, abre a conversa com uma reflexão intitulada "A Democracia na Europa".

Deste meu "diz e tal", e para aguçar o apetite, recordo hoje 2004 - Iraque invadido pelos EUA - o encontro entre Habermas e Ratzinger, no qual se discutiram "as bases pré-políticas e morais do Estado democrático". O filósofo e o cardeal debateram então: razão e fé, capitalismo globalizado, moral nas sociedades pluralistas e mediáticas, interculturalidade, poder e direito comum. Habermas centrou-se nisto: "Os secularizados não devem negar o potencial de verdade às visões religiosas do mundo". Por sua vez, Ratzinger põe também o seu dedo na ferida: "O homem desceu até ao fundo do poço do poder, até à fonte da sua própria existência". O encontro entre os dois pensadores tornou-se livro; obrigatório; dele deixo uns "hits", que podem ajudar a contextualizar. E amanhã, ao vivo, vamos ver o que vai acontecer, no evento que referi.

Habermas defende o liberalismo político como integrando uma justificação não-religiosa e pós-metafísica dos fundamentos normativos do Estado constitucional democrático: um direito racional, que prescinde dos fundamentos do direito natural, clássicos e religiosos. Na "sociedade pós-secular" dá-se um juízo normativo que tem consequências para a convivência política entre cidadãos não-crentes e crentes. A consciência religiosa foi forçada a processos de acomodação. Mas a compreensão da tolerância das sociedades pluralistas, que possuem uma Constituição liberal, não encoraja apenas os crentes no convívio com quem não crê ou crê de outro modo. Há que perceber a permanência racional de uma convivência em confronto. Em de-bate. Ou seja, a mesma perceção, no quadro de uma cultura política liberal, é exigida dos não-crentes no "viver" com os crentes.

Ratzinger defende que razão e fé, razão e religião, são convocadas a uma purificação e salvação recíproca. Que esta regra fundamental deve ser concretizada no contexto intercultural de nossa atualidade, de forma prática. Sem dúvida, são a fé cristã e o racionalismo secular ocidental as duas partes principais dessa correlação. Pode e deve dizer-se isto sem postiços eurocentrismos. De forma inconsciente, dão-se hoje patologias da razão, uma "hybris" da razão: a bomba atômica, o homem como produto, etc.. Deve por isso a razão ser lembrada dos seus limites e dispor-se a ouvir as grandes tradições religiosas da humanidade. Se a razão se emancipa completamente e coloca de lado essa disposição, essa capacidade de correlação, então torna-se destruidora. É importante para esses dois grandes componentes da cultura ocidental - a fé cristã e o racionalismo secular ocidental - deixarem-se comprometer com um ouvir, com uma verdadeira convivência com essas culturas. É importante inclui-las na construção da polis, na tentativa de uma correlação polifónica, na qual elas próprias se podem abrir para uma complementaridade essencial entre razão e fé. Só dessa forma vai acontecendo na "praça" um processo universal de purificação no qual as normas e os valores essenciais - de alguma forma conhecidos ou pressentidos por todos os homens - possam adquirir uma nova intensidade luminosa.

Concluo: o debate pode contribuir para que novamente possa vibrar na humanidade aquilo que "sustenta" o mundo. Digital ou não: a leitura, o livro, a "boa palavra". Nova, original. Quem não quer ser protagonista? Cá para mim, e sem esbater as diferenças, é simples: ou protagonistas ou nada. Cada um, à sua maneira, usando a sua razão. A verdadeira acção é comunicativa?


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub