27 de agosto de 2014
Página Inicial   >  Opinião  >   Jorge Calado

Salgado

 | 
O fotógrafo é um caçador de imagens. As suas virtudes são a paciência e a perspicácia. Na autobiografia "Da minha terra à Terra", Sebastião Salgado (n. 1944) conta como só conseguiu fotografar uma tartaruga gigante em Galápagos, imitando-a: arrastando-se lentamente de joelhos e mãos no chão. De pé, a tartaruga fugia-lhe; copiando-lhe a postura, o réptil testudíneo aproximava-se, curioso. Recomendo vivamente o livro (publicado originalmente em francês). Pode não se ficar a saber o que faz dele um grande fotógrafo, mas dá para perceber que é um grande homem.     

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Vale

 | 

Não há nada deprimente neste vale/valley de Pedro Guimarães. Vale é depressão numa planura ou entre dois montes, assinalando muitas vezes o leito de um rio. Em sentido figurado, o vale de lágrimas do hino mariano Salvé Rainha.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Livros

 | 
No dia a dia português é deprimente passar por uma livraria. O mau gosto, ignorância, preguiça e venalidade (o direito a bancada visível vendido a quem dá mais) assustam. Há exceções, mas são raras (e as melhores vêm do mundo dos alfarrabistas, outra espécie em vias de extinção).    

 

Para continuar a ler o artigo, clique  AQUI .

 

 

 

Uma fotografia

 | 
Gosto de exposições com (ou sobre) uma única imagem. Devo esta descoberta à Ether - a galeria pioneira dos anos 80, na Rua Rodrigo da Fonseca, onde vi pela primeira vez a famosa "pedra" de Gérard Castello-Lopes, "Portugal, 1987": uma única fotografia para um único visitante de cada vez.   

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Mãos de tesoura

 | 

Julgo que Picasso (1881-1973) foi o maior pintor do século XX, mas sempre que vejo uma exposição de Matisse (1869-1954) fico com dúvidas. Rendo-me sempre à luxúria mediterrânica da cor. Picasso fez tudo e mais alguma coisa. Matisse, porém, reinventou os papiers découpés - papéis pintados a guache que depois recortava e colava noutra superfície. A exposição na Tate Modern é daquelas que merece a viagem até Londres. Com a nova técnica, Matisse resolveu, de uma tesourada, a tensão entre a linha (desenho) e a cor. 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Lá fora/ cá dentro

 | 
Depois de Sines, é a vez de Lisboa, na Pequena Galeria: uma exposição de José M. Rodrigues (JMR), o constante reinventor da fotografia (e Prémio Pessoa em 1999). A ideia-base (e título) é fluxo - na aceção de Mihaly Csikszentmihalyi. Quando estamos imersos no trabalho e na vida, o tempo corre e não damos por ele. Será isso, porventura, a felicidade? 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

A nossa escola

 | 

Para continuar a ler o artigo, clique  AQUI .

 

AIPAD

 | 
Jorge Calado - AIPAD
Jorge Calado - AIPAD
Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE
Arquivo

Pub