14
Anterior
Luciana Diniz na terceira ronda dos saltos de obstáculos
Seguinte
Bolt perde namorada, ganha estátua e procura ouro
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Jogos Olímpicos 2012  >  Jéssica Augusto ganha diploma na maratona

Jéssica Augusto ganha diploma na maratona

Atleta portuguesa chegou ao The Mall, onde terminou a prova, num honroso 7.º lugar com um tempo de 2:25:11. Marisa Barros e Ana Dulce Félix ficaram entre as 21 primeiras. Corrida foi ganha pela etíope Tiki Gelana com novo recorde olímpico.
|
Jéssica Augusto e Marisa Barros abraçadas no final da prova
Jéssica Augusto e Marisa Barros abraçadas no final da prova / Reuters

65, 41, 39, 24, 24, 13, 8, 9, 7, 7. Não se trata de um jogo de bingo nem dos números do Euromilhões mas representam da melhor forma a prova de Jéssica Augusto: de trás para a frente, a subir posições por cada cinco quilómetros. No final, a atleta ficou-se pelo diploma olímpico com o 7.º lugar, mas fica para a história como a segunda melhor portuguesa de sempre em maratonas nos Jogos Olímpicos, igualando a classificação de Manuela Machado em 1992 e 1996 e ficando apenas atrás de Rosa Mota, campeã em 1988 e medalha de bronze em 1984.

Clique para aceder ao índice do Dossiê Jogos Olímpicos 2012

Na manhã mais chuvosa desde que começaram as Olimpíadas, as atletas portuguesas foram sempre perto dos lugares da frente (Marisa Barros passou até em terceiro após o quinto quilómetro) mas, a certa altura, as habituais táticas e 'esticões' na corrida acabaram por separar águas, com uma russa (Tatyana Petrova Arkhipova) a ser a única capaz de acompanhar o ritmo imposto por quenianas e etíopes. Aliás, foi nos últimos sete quilómetros que a distância entre Jéssica e as primeiras classificadas aumentou, perdendo nesse lapso quase um minuto e meio. 

Jessica Augusto, que fez a primeira maratona exatamente em Londres (e pelas conversas percebe-se que deixou boa impressão em terras britânicas) acabou a prova com um tempo de 2:25:11, menos de um minuto acima da melhor marca que tem na distância. Marisa Barros e Ana Dulce Félix, as outras duas portuguesas, também acabaram em lugares cimeiros entre as mais de cem atletas em prova: 13.º e 21.º, com 2:26:13 e 2:28:12, respetivamente. 

Tiki Gelana, da Etiópia, ganhou a medalha de ouro com recorde olímpico (2:23:07), terminando à frente da queniana Priscah Jeptoo (prata) e da russa Tatyana Petrova Arkhipova (bronze). O recorde do mundo, que pertence à britânica Paula Radcliffe (2:15:25), nunca esteve ameaçado. 



Veja a fotogaleria:

Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 14 Comentar
ordenar por:
mais votados
Maratona termina nas ruas de Londres...
Raramente me revi nos momentos de glória dos britanicos, prefiro a democracia dos povos do sul, mais verdadeira, mais autêntica...
Terminar a prova rainha dos jogos olímpicos nas ruas de Londres é a prova cabal do elitismo que domina este evento.

Gostava que os atletas de Portugal, do Quénia, da Etiópia, da Rússia, de Itália, da China, da Mongólia, enfim de todo o mundo, se recusassem a correr a maratona olímpica que não terminasse no estádio olímpico.
Estou ciente que Pierre de Coubertin estaria de acordo com esta posição.
Conspirações
Não acreditando em conspirações de descendentes do demónio, tão ao gosto de escritores de supermercado, acho que estamos perante a maior prova do snobismo britânico.

A prova da maratona, como muito bem dizem outros comentadores, foi, durante muitas edições, o cerimonial mais importante do Jogos, com a partida e chegada dos concorrentes ao estádio. A chegada estava sempre programada para coincidir com o estádio cheio de gente, que glorificava os vencedores.

Quando começou a ser coisa de pretos, o entusiasmo e as alusões à antiguidade clássica baixaram de tom e agora os ingleses trataram o caso quase como uma prova clandestina.

Passaram o tempo a lamber as partes púdicas aos americanos, bombardeando-nos com natação e o seu novo herói, carregado de medalhas, tratando todas as modalidades onde os anglo-saxões são fracos, como lixo televisivo.

Só estranho que tenham que ser os leitores a levantarem estas questões, perante a espinha curvada de jornalistas......
EUROmilhoes e escritores de supermercado,
Compreender porque no momento em que Jessica Augus
Compreender porque no momento em que Jessica Augusto faz melhor marca de Portugal nos Jogos Olimpicos (7 na maratona vale 7 medalhas de ouro nos remos, canoagens & Co), e a terceira protuguesa em 13 deixa a melhor de Reino Unido, França, Alemanha & Co a milhas ...
  RTP HD mostra o dominio dos cavalos de HRH (Sua Alteza Real) Principe da Arabia Saudita no hipismo.
Compreender porque illuminati impedem chegada da maratona no Estadio Olimpico, substituido quadro da glória de terminar nos primeiros lugares da prova rainha das Olimpiadas de 80,000 aplausos por rua de alcatrão sem qualquer espetador.

-> Ver meus comentarios em
-> www.dn.pt/desporto/outrasmodalidades/interior.aspx?content_id=2705313
Re: Compreender porque no momento em que Jessica A
chegando ao cúmulo de reduzir propositadamente def
Re: Compreender porque no momento em que Jessica A
Mesmos illuminati que declaram atleta movido a mol
A minha singela homenagem
e parabéns pela excelente prestação das nossas maratonistas. Os que ganham milhões, comparados com os que ganham tostões (centimos), nada valem.
Três maratonistas.
estas raparigas saídas das entranhas do povo, são duras, briosas e lutadoras, são o reflexo deste povo sofredor...
Parabéns ás três.
Mais que merecido.
Os meus parabens às três, o que eu não entendo é porque não se dão medalhas aos maratonistas, por representacão, os seja por pontos, isto quando há tanto desporto que o faz, como são o caso de velas, ténis, tiros etc.
Diplomas Olímpicos?
Receber uma das 3 medalhas olímpicas (ouro, prata e bronze) é motivo de orgulho nacional. Agora, mas que raio é isso do diploma olímpico? Realmente, há quem se contente com pouco. É mesmo um premiozinho à escala nacional portuguesa.
Dinheiro nao e desculpa
Ai que dificil ser portugues em Londres durante esetes jogos Olimpicos !
Que desgraca ! Nem sequer nos desportos de paises pobres (corridas de longa distancia) nos distinguimos. Nao tenho qualquer complexos de ser portuguesa , sou com muito orgulho mas na verdade nao ha desculpa. Tanto mar e sol e nao ganhamos nem nos desportos nauticos, nem em tenis, nem em remo, nem em nada !
Fui apoiar as atletas que particparam na maratona e que fizeram uma boa corrida mas nao e suficiente.
A verdade e que o povo portugues esta mais interessado em comer McDonalds , ver programas sem merito na televisao e ler revistas sobre actores mediocres do que trabalhar arduamente. Com dinheiro ou sem dinheiro e preciso muito esforco e dedicacao para ganhar medalhas.
Paises muito masi pobres do que Portugal conseguiram medalhas .
Quanto a:
"Se houvesse medalha para qualificacoes como pais na maratona Portugal teria ganho a medalha de Prata"

REALLY !!! Ridiculo !

"Record" ou "melhor tempo"?
Record? Na maratona? Porque não na Volta á França em ciclismo? ou na travessia a nado do canal da Mancha? Toda a gente fala, e escreve (como aqui) de "record" na maratona. Tenho dúvidas de q se deva usar essa designação nesta prova. Um record, penso eu, presupõe uma prova sempre idêntica, padronizada em termos de todos os elementos suscetíveis de interferir no resultado, nomeadamente atmosféricos. Os tempos em estádio ( na natação em piscina a questão nem se põe) só são homologados se o vento, p.ex., não exceder certa velocidade. Mesmo em estádio,só mediante a verificação de certas condições (sempre as mesmas) é q um tempo numa distância pode ser homologado como Record, seja 100, 200, 400, 800, 1500, 5000 ou 10000 m. A prova tem de ser, e é, sempre a mesma, a dificuldade é igual, seja na China, seja em Portugal... Porém, como é óbvio, não há 2 maratonas iguais. São todas diferentes, na altitude, na sinuosidade e inclinações do percurso, nas condições climatéricas gerais. Correr 42 Kms e tal em baixa altitude, com descidas e subidas, com ventos fortes e chuva, não tem nada a haver com correr a mesma distância em grande altitude, bom tempo, sem vento, em terreno sempre plano e percurso dominantemente recto. As diferenças, para melhor e pior, podem ser enormes. Cada maratona é única. Por isso creio q o melhor a fazer é usar para esta prova o conceito de MELHOR TEMPO ( e reservar "record" para o q deve ser) e falar de "melhor tempo" olímpico, europeu ou mundial.
Comentários 14 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub