14
Anterior
Luciana Diniz na terceira ronda dos saltos de obstáculos
Seguinte
Bolt perde namorada, ganha estátua e procura ouro
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Jogos Olímpicos 2012  >   Jéssica Augusto ganha diploma na maratona

Jéssica Augusto ganha diploma na maratona

Atleta portuguesa chegou ao The Mall, onde terminou a prova, num honroso 7.º lugar com um tempo de 2:25:11. Marisa Barros e Ana Dulce Félix ficaram entre as 21 primeiras. Corrida foi ganha pela etíope Tiki Gelana com novo recorde olímpico.
|
Jéssica Augusto e Marisa Barros abraçadas no final da prova
Jéssica Augusto e Marisa Barros abraçadas no final da prova / Reuters

65, 41, 39, 24, 24, 13, 8, 9, 7, 7. Não se trata de um jogo de bingo nem dos números do Euromilhões mas representam da melhor forma a prova de Jéssica Augusto: de trás para a frente, a subir posições por cada cinco quilómetros. No final, a atleta ficou-se pelo diploma olímpico com o 7.º lugar, mas fica para a história como a segunda melhor portuguesa de sempre em maratonas nos Jogos Olímpicos, igualando a classificação de Manuela Machado em 1992 e 1996 e ficando apenas atrás de Rosa Mota, campeã em 1988 e medalha de bronze em 1984.

Clique para aceder ao índice do Dossiê Jogos Olímpicos 2012

Na manhã mais chuvosa desde que começaram as Olimpíadas, as atletas portuguesas foram sempre perto dos lugares da frente (Marisa Barros passou até em terceiro após o quinto quilómetro) mas, a certa altura, as habituais táticas e 'esticões' na corrida acabaram por separar águas, com uma russa (Tatyana Petrova Arkhipova) a ser a única capaz de acompanhar o ritmo imposto por quenianas e etíopes. Aliás, foi nos últimos sete quilómetros que a distância entre Jéssica e as primeiras classificadas aumentou, perdendo nesse lapso quase um minuto e meio. 

Jessica Augusto, que fez a primeira maratona exatamente em Londres (e pelas conversas percebe-se que deixou boa impressão em terras britânicas) acabou a prova com um tempo de 2:25:11, menos de um minuto acima da melhor marca que tem na distância. Marisa Barros e Ana Dulce Félix, as outras duas portuguesas, também acabaram em lugares cimeiros entre as mais de cem atletas em prova: 13.º e 21.º, com 2:26:13 e 2:28:12, respetivamente. 

Tiki Gelana, da Etiópia, ganhou a medalha de ouro com recorde olímpico (2:23:07), terminando à frente da queniana Priscah Jeptoo (prata) e da russa Tatyana Petrova Arkhipova (bronze). O recorde do mundo, que pertence à britânica Paula Radcliffe (2:15:25), nunca esteve ameaçado. 



Veja a fotogaleria:

Opinião


Multimédia

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.


Comentários 14 Comentar
ordenar por:
mais votados
Maratona termina nas ruas de Londres...
Raramente me revi nos momentos de glória dos britanicos, prefiro a democracia dos povos do sul, mais verdadeira, mais autêntica...
Terminar a prova rainha dos jogos olímpicos nas ruas de Londres é a prova cabal do elitismo que domina este evento.

Gostava que os atletas de Portugal, do Quénia, da Etiópia, da Rússia, de Itália, da China, da Mongólia, enfim de todo o mundo, se recusassem a correr a maratona olímpica que não terminasse no estádio olímpico.
Estou ciente que Pierre de Coubertin estaria de acordo com esta posição.
Conspirações
Não acreditando em conspirações de descendentes do demónio, tão ao gosto de escritores de supermercado, acho que estamos perante a maior prova do snobismo britânico.

A prova da maratona, como muito bem dizem outros comentadores, foi, durante muitas edições, o cerimonial mais importante do Jogos, com a partida e chegada dos concorrentes ao estádio. A chegada estava sempre programada para coincidir com o estádio cheio de gente, que glorificava os vencedores.

Quando começou a ser coisa de pretos, o entusiasmo e as alusões à antiguidade clássica baixaram de tom e agora os ingleses trataram o caso quase como uma prova clandestina.

Passaram o tempo a lamber as partes púdicas aos americanos, bombardeando-nos com natação e o seu novo herói, carregado de medalhas, tratando todas as modalidades onde os anglo-saxões são fracos, como lixo televisivo.

Só estranho que tenham que ser os leitores a levantarem estas questões, perante a espinha curvada de jornalistas......
EUROmilhoes e escritores de supermercado,
Compreender porque no momento em que Jessica Augus
Compreender porque no momento em que Jessica Augusto faz melhor marca de Portugal nos Jogos Olimpicos (7 na maratona vale 7 medalhas de ouro nos remos, canoagens & Co), e a terceira protuguesa em 13 deixa a melhor de Reino Unido, França, Alemanha & Co a milhas ...
  RTP HD mostra o dominio dos cavalos de HRH (Sua Alteza Real) Principe da Arabia Saudita no hipismo.
Compreender porque illuminati impedem chegada da maratona no Estadio Olimpico, substituido quadro da glória de terminar nos primeiros lugares da prova rainha das Olimpiadas de 80,000 aplausos por rua de alcatrão sem qualquer espetador.

-> Ver meus comentarios em
-> www.dn.pt/desporto/outrasmodalidades/interior.aspx?content_id=2705313
Re: Compreender porque no momento em que Jessica A
chegando ao cúmulo de reduzir propositadamente def
Re: Compreender porque no momento em que Jessica A
Mesmos illuminati que declaram atleta movido a mol
A minha singela homenagem
e parabéns pela excelente prestação das nossas maratonistas. Os que ganham milhões, comparados com os que ganham tostões (centimos), nada valem.
Três maratonistas.
estas raparigas saídas das entranhas do povo, são duras, briosas e lutadoras, são o reflexo deste povo sofredor...
Parabéns ás três.
Mais que merecido.
Os meus parabens às três, o que eu não entendo é porque não se dão medalhas aos maratonistas, por representacão, os seja por pontos, isto quando há tanto desporto que o faz, como são o caso de velas, ténis, tiros etc.
Diplomas Olímpicos?
Receber uma das 3 medalhas olímpicas (ouro, prata e bronze) é motivo de orgulho nacional. Agora, mas que raio é isso do diploma olímpico? Realmente, há quem se contente com pouco. É mesmo um premiozinho à escala nacional portuguesa.
Dinheiro nao e desculpa
Ai que dificil ser portugues em Londres durante esetes jogos Olimpicos !
Que desgraca ! Nem sequer nos desportos de paises pobres (corridas de longa distancia) nos distinguimos. Nao tenho qualquer complexos de ser portuguesa , sou com muito orgulho mas na verdade nao ha desculpa. Tanto mar e sol e nao ganhamos nem nos desportos nauticos, nem em tenis, nem em remo, nem em nada !
Fui apoiar as atletas que particparam na maratona e que fizeram uma boa corrida mas nao e suficiente.
A verdade e que o povo portugues esta mais interessado em comer McDonalds , ver programas sem merito na televisao e ler revistas sobre actores mediocres do que trabalhar arduamente. Com dinheiro ou sem dinheiro e preciso muito esforco e dedicacao para ganhar medalhas.
Paises muito masi pobres do que Portugal conseguiram medalhas .
Quanto a:
"Se houvesse medalha para qualificacoes como pais na maratona Portugal teria ganho a medalha de Prata"

REALLY !!! Ridiculo !

"Record" ou "melhor tempo"?
Record? Na maratona? Porque não na Volta á França em ciclismo? ou na travessia a nado do canal da Mancha? Toda a gente fala, e escreve (como aqui) de "record" na maratona. Tenho dúvidas de q se deva usar essa designação nesta prova. Um record, penso eu, presupõe uma prova sempre idêntica, padronizada em termos de todos os elementos suscetíveis de interferir no resultado, nomeadamente atmosféricos. Os tempos em estádio ( na natação em piscina a questão nem se põe) só são homologados se o vento, p.ex., não exceder certa velocidade. Mesmo em estádio,só mediante a verificação de certas condições (sempre as mesmas) é q um tempo numa distância pode ser homologado como Record, seja 100, 200, 400, 800, 1500, 5000 ou 10000 m. A prova tem de ser, e é, sempre a mesma, a dificuldade é igual, seja na China, seja em Portugal... Porém, como é óbvio, não há 2 maratonas iguais. São todas diferentes, na altitude, na sinuosidade e inclinações do percurso, nas condições climatéricas gerais. Correr 42 Kms e tal em baixa altitude, com descidas e subidas, com ventos fortes e chuva, não tem nada a haver com correr a mesma distância em grande altitude, bom tempo, sem vento, em terreno sempre plano e percurso dominantemente recto. As diferenças, para melhor e pior, podem ser enormes. Cada maratona é única. Por isso creio q o melhor a fazer é usar para esta prova o conceito de MELHOR TEMPO ( e reservar "record" para o q deve ser) e falar de "melhor tempo" olímpico, europeu ou mundial.
Comentários 14 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub