12
Anterior
Meia volta à Europa em 86 dias
Seguinte
Baixa de impostos ou propaganda e manobra de diversão?
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Já morreram 502 pessoas nas estradas este ano

Já morreram 502 pessoas nas estradas este ano

Até 7 de novembro houve 33.127 feridos ligeiros. É no distrito do Porto que morreram mais pessoas em acidentes.
Lusa |

Os acidentes rodoviários provocaram este ano 502 mortos, menos 13,8 por cento do que no mesmo período de 2011, revelam dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

No dia em que se assinala o Dia Mundial em Memória das Vítimas das Estradas, a ANSR, que reúne números da PSP e GNR, indica que, entre 1 de janeiro e 7 de novembro deste ano, 502 pessoas morreram em acidentes rodoviários, menos 81 que no mesmo período de 2011, em que morreram 583.

O distrito do Porto foi aquele em que os acidentes provocaram mais mortos (70), seguido do distrito de Lisboa (58) e do de Leiria (42).Já os distritos com menos vítimas mortais este ano são Évora, com nove, e Bragança, com 10 mortos.

Os números da ANSR indicam também que os desastres causaram 1.742 feridos graves, menos 15,8 por cento do que em 2011, quando ficaram gravemente feridas 2.071 pessoas.

Homenagear as vítimas 


A ANSR diz também que até 7 de novembro foram contabilizados 33.127 feridos ligeiros, contra os 34.040 do ano passado, representando uma diminuição de 2,6 por cento Estes dados dizem respeito às mortes no local do acidente ou durante o percurso para o hospital e não incluem as regiões autónomas dos Açores e da Madeira.

O Dia Mundial em Memória das Vítimas das Estradas, que este ano se assinala com o tema "Hoje é dia de aprender com o passado", é assinalado hoje em várias cidades do país.

Segundo a ANSR, o espírito deste dia é o público reconhecimento "da memória daqueles que perderam a vida nas estradas e ruas portuguesas", significando também uma "ajuda aos sobreviventes aconviver com o trauma de memórias dolorosas resultantes de acidentes rodoviários".

O dia foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) e é assinalado em todos os países da União Europeia. Em Portugal, as cerimónias são promovidas pela "Estrada Viva - Liga Contra o Trauma", ao qual se associam a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária e a Direção-Geral de Saúde, que vão realizar a simulação de um atropelamento numa passadeira e uma sessão solene que vai contar com a participação de testemunhos de familiares.

No distrito de Braga, a GNR, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso e os bombeiros promovem uma campanha de sensibilização e prevenção de acidentes de trânsito aos condutores.


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 12 Comentar
ordenar por:
mais votados
E que tal um estudo pedagógico do trânsito?
Nesta coisa dos acidentes rodoviários julgo que era pedagógico sabermos o quanto evoluímos ao longo dos últimos 30 anos:

- Estamos a conduzir com mais cuidado nas Autoestradas?

- Estamos a ter menos acidentes por excesso de velocidade?

- Estamos a respeitar mais e melhor as regras de trânsito?

- Estamos a respeitar mais as passadeiras?

- Estamos a respeitar mais a sinalização semafórica?

- Estamos a respeitar mais os passeis e estacionamentos proibidos?

Estes dados, que existem, bem podiam ser trabalhados para os apresentar ao País.

Era pedagógico saber em que e quanto evoluímos, no uso do automóvel.

Mas a PSP e a GNR debitam-nos acontecimentos sem ligação nem evolução, com excepção das 'operações' (esta mania dos nomes militares), da GNR que comparam com o ano anterior.

Hoje, com os meios informáticos, não era difícil apresentar um estudo feito pelas próprias forças de segurança.

Há tantos militares com elevadas patentes que passam o dia nos quartéis sem fazer nada...

Colaboração é preciso!
Re: E que tal um estudo pedagógico do trânsito?
Re: E que tal um estudo pedagógico do trânsito?
O civismo ou a falta dele.
Morrem mas massajam o "ego" ao volante!
Re: O civismo ou a falta dele.
!
Não vejo grande melhoria, porque o consumo de combustíveis também baixou bastante, talvez menos 7%, o que se traduz em menos carros a circular. A PRP recebe milhões todos os anos de quem paga seguros. Os que não têm seguros não contribuem, evidenteente. Alguns não têm seguro, mas a polícia quando os apanha tem medo deles, porque lhe chamam rcistas e xenófobos e os polícias encolhem-se. Muito desse dinheiro que eu pago em seguro (não o tal que de vez em quando por aqui anda a palrar...) deve ser desviado para os partidos. FORA COM ELES!!!
Re: 502 mortos nas estradas em 2012
Isto é muito fácil de explicar:

Um automobilista faz-se á estrada e num instante ele é helicópteros da Polícia por cima, patrulhas automóveis por todo o lado...

É claro que um automobilista não é de ferro e começa a ficar nervoso com aquela demonstração de força, ora com tanto stress, é fácil ocorrer um acidente!
Re: 502 mortos nas estradas em 2012
Re: 502 mortos nas estradas em 2012
NA GUERRA É QUE MORRIAM!!
Estes números revelam que as mortes nas estradas portuguesas são superiores aos da Guerra do Ultramar.

Na guerra morriam em defesa do património histórico,mas nas estradas morrem como tordos.

Nem mais um soldado para Angola!!!

Nem mais um carro nas estradas de Portugal;

ANDEM A PÉ,malditos portugueses!!!
Macho Ibérico // Fémea Ibérica
Lembro há quarenta anos um associado britânico que visitava Portugal com frequência comentar que "the Portuguese are very gentle people who become beasts behind the wheel" / os Portugueses são de brandos costumes mas viram feras ao volante.
Quarenta anos depois pouca coisa mudou. A atitude é basicamente a mesma por todo Portugal, na Andalusia e na Galiza. No resto de Espanha há incomparavelmente mais civismo, e creio que o remédio foi santo e eficaz: vigilância policial apertada, nada de facilidades e multas que mordem que se fartam. Certas pessoas podem ter dificuldade em aprender línguas, mas aprendem rápido quando lhes tocam na carteira.
Re: Macho Ibérico // Fémea Ibérica
Comentários 12 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub