Anterior
Feridos duplicam e mortos diminuem na Nacional 125
Seguinte
Rebeldes sírios prendem iranianos em Damasco
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >  Itália receia confronto entre o norte e o sul da Europa

Itália receia confronto entre o norte e o sul da Europa

Dizendo-se preocupado com as "tensões" na zona euro e aumento das tendências nacionalistas, o líder do Governo italiano Mario Monti teme que haja um confronto na Europa.

Lusa |

O primeiro-ministro italiano, Mario Monti, alertou a Alemanha para o risco de um "confronto entre Norte e Sul" na Europa, numa entrevista hoje publicada pela revista alemã "Der Spiegel".

Monti manifestou-se preocupado com as "tensões que acompanham a zona euro nos últimos anos", que contêm "a semente da dissolução psicológica da Europa".

O chefe do Governo italiano considera "muito preocupante" o aumento das tendências nacionalistas na Europa, que "levantaram uma frente de confronto entre norte e sul".

Monti sugere que, mais do que financiamento, o sul da Europa precisa de solidariedade: "Se a Alemanha e outros países estão interessados em que a atual política em Itália tenha futuro, [devem dar] apoio moral, não financeiro", disse o estadista italiano, segundo traduções da entrevista feitas pelas agências EFE e Bloomberg.

Margem de manobra, precisa-se 


O chefe do Governo italiano considera que alemães e outros europeus "devem dar mais alguma margem de manobra a alguns países da zona euro que estão a cumprir os requisitos da forma mais estrita".

A "margem de manobra" também deve ser concedida pelos parlamentos nacionais aos respetivos governos, disse Monti, numa referência velada à situação política alemã. Monti sugeriu que uma política de inflexibilidade tornará "a dissolução da Europa mais provável que o reforço da integração".

Monti tem sido um dos grandes defensores de uma política mais interventiva das instituições europeias para resolver a crise da zona euro. Nesse sentido, saudou as medidas anunciadas recentemente pelo seu compatriota Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu.

Esta semana, Draghi afirmou que o "conselho de governadores [do BCE] poderá aplicar mais medidas não convencionais para restaurar a transmissão de política monetária", uma referência à possibilidade de o BCE voltar a comprar títulos de dívida europeia - e assim reduzir as taxas de juro pagas por países como a Espanha e a Itália.

Draghi disse que qualquer nova compra de obrigações pelo BCE terá de ser precedida por um pedido de ajuda a um dos fundos de estabilidade financeira. Mas, mesmo nesta versão condicional, a ideia de o BCE financiar diretamente os Estados da zona euro não agrada a todos os membros do banco - particularmente à Alemanha.

"Essas preocupações são infundadas", disse Monti ao Spiegel. "É exatamente essa desconfiança que nos impediu de encontrar uma solução clara para esta crise. Temos que a superar e voltar a confiar uns nos outros."

 


Opinião


Multimédia

Quase ninguém ficou em casa

Foi num 25 de Abril como o deste sábado, mas há 40 anos e numa liberdade então recentemente tomada: a 25 de Abril de 1975, Portugal testemunhou as primeiras eleições livres e universais após quase meio século de ditadura. Estas são as histórias, os retratos, os apelos e as memórias de um tempo que mudou o rosto do país.

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

26 mil esferográficas, 14 mil urnas e 760 quilos de lacre. Os números de uma eleição histórica

Mais de mil caixas de lacre foram usadas pelas secções de voto que por todo o país, no dia 25 de abril de 1975, recolheram os boletins de milhões de eleitores. O Expresso percorreu os quatro mapas de despesas das eleições para a Assembleia Constituinte, elaborados pelo STAP, para saber quanto dinheiro esteve envolvido, onde e como foi gasto. Cada valor em escudos foi convertido para euros a preços correntes, tendo em conta a inflação. 

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.


Comentários 73 Comentar
ordenar por:
mais votados
!
O sul da Europa não precisa só de solidariedade e de empréstimos dos países do norte. Os países do sul precisam de ser honestos e de não martelar as contas e esconder os défices como têem feito sempre. É precisa mais justiça e responsabilidade por parte dos políticos corruptos. Os empréstimos não podem ser para dar reformas em duplicado e triplicado a quem ainda está no activo só porque pertenceram à corja política e têm acesso ao pote. Os países do sul não precisam apenas de uma troika para ensinar os políticos a governar. Precisam também de uma troika para administrar a justiça que é coisa que não existe. Julgar e punir os reponsáveis pelo descalabro a que levaram os seus países. Pela forma como os fundos têm sido esbanjados é natural que os países do norte não queiram mais abrir os cordões a bolsa e fazem eles muito bem.
O futuro do Sul da Europa é o Mediterrâneo
Re: Tem razão... mas há outros aspectos...
Re: Tem razão... mas há outros aspectos...
Re: Tem razão... mas há outros aspectos...
Re: Tem razão... mas há outros aspectos...
E temos que ser mais exigentes...
Re: E temos que ser mais exigentes...
Re:APOIADO
Experiência própria...
Por experiência própria (casado com uma holandesa) há uma diferença essencial,entre norte e sul...é a politica.Os povos do norte são mais exigentes e intolerantes com os seu politicos...não lhe são permitidas mentiras,enganos e omissões.E quando se governa é para o interesse de todos.
A consequência de tudo isto é um maior rigor na governação...consequentemente melhores governos,logo mais bem estar.
O futuro do Sul da Europa é o Mediterrâneo
Re: Experiência própria...
Exatamente
Re: Experiência própria...
Re: Experiência própria...
Re: Experiência própria...
O que está em causa...
não é nem a solidariedade nem o apoio moral do norte ao sul da Europa mas sim uma governação no sul capaz de disciplinar os respectivos países e autonomias, coisa que nenhum governo democrático é hoje capaz de fazer. A solução só pode ser portanto um governo da troika na sequência dos pedidos de resgate dos diferentes países. Espanha já poucos meses vai resistir sem ser governada pela troika e Itália deverá seguir-se. Então teremos solidadriedade, apoio moral e tudo que seja necessário a troco de fazermos aquilo que nos mandam. Então os mercados começarão a ganhar confiança.
Re: O que está em causa...
Re: O que está em causa...
Ora aqui está mais um facho que saiu do armário!
Re: O que está em causa...
Pois
O futuro passará pelo nacional socialismo. Estes políticos terão que pagar o mal que fizeram às nações, em proveito dos próprios.
O Sul foi sempre melhor que o Norte
O Sul foi sempre melhor que o Norte.

Só deixou de ser assim quando, um dia, o Norte conseguiu impingir ao Sul a hipocrisia do seu modelo "democrático" que continua a querer vender (a qualquer custo) ao resto do mundo.

Ora, de "democracia" o modelo do Norte só tem a forma. Mas o embuste parece perfeito, e serve na perfeição os interesses do Norte. Ele mina a coesão das unidades politicas do sul, desagrega-as e torna-as domináveis através da intermináveis controvérsias e debates e disputas que impõe internamente. Acresce a isso a pretendida e cada vez mais notória hegemonia de uma língua.

Este embuste tem custado caro ao Sul. A avassaladora corrupção que lavra no Sul é obra do projecto do Norte, ela própria infinitamente mais corrupta e cínica. E não nos iludamos: corremos o risco de ser varridos da face do mundo em valor estratégico como o foram, literalmente, fisicamente, todos os que se viram invadidos no seu hemisfério pelos do Norte.

Começar a pensar em nos libertarmos do Norte, da sua língua bárbara e quinquilharia cultural, e, ainda mais, da sua prosápia politica e económica é condição sine qua non para um novo reflorescimento da antiga magnanimidade Greco-Latina, ou melhor: da vitoriosa força do Sul.

E o primeiro passo é: libertarmo-nos, no Sul, da avassaladora e impune corrupção que o Norte cá plantou.
Re: O Sul foi sempre melhor que o Norte
O futuro do Sul da Europa é o Mediterrâneo
Nem pensar.
Re: O Sul foi sempre melhor que o Norte
Re: O Sul foi sempre melhor que o Norte
Re: O Sul foi sempre melhor que o Norte
Re: O Sul foi sempre melhor que o Norte
Re: O Sul foi sempre melhor que o Norte
Re: O Sul foi sempre melhor que o Norte
Re: O Sul foi sempre melhor que o Norte
Re: O Sul foi sempre melhor que o Norte
Re: O Sul foi sempre melhor que o Norte
Re: O Sul foi sempre melhor que o Norte
NÃO É ASSIM TÃO SIMPLES
O problema são de facto as mentalidades. Mas está-se a esquecer de um TERCEIRO elemento: não são apenas as mentalidades do Norte e do SUL que estão em presença, há também a mentalidade do SISTEMA FINANCEIRO INTERNACIONAL.

Como qualquer forma de INTERNACIONALISMO, favorece os predadores num espaço em que dificilmente pode haver controlo. A razão da CRISE.

Acabo de ler uma notícia na BBC que diz que o Parlamento Sérvio acaba de votar uma Lei que devolve ao PARLAMENTO o controlo do Banco Central deste país. Lei imediatamente CRITICADA PELA UE e pelo FMI...

É bom recordar que por exemplo a Inglaterra só deu a autonomia ao seu Banco Central (o Bank of England) em 1997 com o governo Trabalhista (Socialista=Internacionalista) de Gordon Brown.

Ou seja: os países do Sul são pura e simplesmente mais vulneráveis aos predadores financeiros do Norte que lhes propuseram negócios (empréstimos, a própria CEE) que apenas favoreceram o sistema financeiro. E como nestes países há uma mentalidade mais propícia à corrupção, muito menos sentido cívico, e uma tradição de feudalismo (nas suas diferentes formas: Máfia, Igreja Católica, Partidos políticos, Sociedades secretas tipo Maçonaria ou Opus Dei, mais os Cunhados e Amigos), o resultado está à vista.

Talvez a "Desintegração Europeia" nos permita voltar a encontrar o caminho como NAÇÃO!!!

E não me venham com tretas de que ser nacionalista é ser fascista: é apenas cuidar dos NOSSOS interesses em vez de baixar as calças!!!

Re: NÃO É ASSIM TÃO SIMPLES
Re: NÃO É ASSIM TÃO SIMPLES
Re: NÃO É ASSIM TÃO SIMPLES
Re: NÃO É ASSIM TÃO SIMPLES
Re: NÃO É ASSIM TÃO SIMPLES
Re: NÃO É ASSIM TÃO SIMPLES
Re: NÃO É ASSIM TÃO SIMPLES
Dar com uma mão e receber com as duas.
A atual crise europeia que assola a região do sul da Europa e Irlanda, tem na sua génese um projeto europeu cheio de artimanhas e manobras sinuosas onde se incluirão os incipientes e não avisados políticos destes países que negociaram a integração, a banca destes países e dos credores que se prepararam para a máxima absorção dos fundos a distribuir e um plano a longo prazo de recolha dos créditos por parte dos países credores. A maximizar estes efeitos, o amiguismo e tolerância das autoridades e dos governos, quer pela falta de linhas orientadoras e coerentes de desenvolvimento, quer na distribuição (generosa) dos fundos comunitários.
Hoje, aquilo que se passa era já previsível há alguns anos; criação de estruturas impossíveis de manter, endividamento incompatível com o nível de desenvolvimento e falta de um projeto digno desse nome. À parte de tudo isto, mas com consequências inimagináveis (mas já palpáveis...) o "empreendedorismo" dos partidos da área do poder, que embora responsáveis pela situação graças a enorme incompetência, se recusam discutir internamente os seus erros e omissões, preparando no seu seio novas fornadas de predadores dos recursos nacionais em benefício das elites das quais querem a todo o custo fazer parte. Em suma, incompetência; corrupção a vários níveis e assumida nas mais variadas formas; falta de uma verdadeira justiça; deturpação dos valores democráticos até no seio dos partidos, talvez sejam a génese e a continuidade da nossa desgraça.
Italia-receia-confronto-entre-o-norte-e-o-sul-da-e
Já muita tinta correu em relação a este assunto. De um lado pedem ajuda do outro acham que merecem castigo. No entanto sempre direi que ninguém está isento de culpas e quem não as tiver que atire a primeira pedra. No fundo foram irresponsáveis as duas partes. Uns porque emprestaram para vender sem saber como iam receber e outros que pediram para comprar sem saber como pagar. Os submarinos são o exemplo do que acabo de dizer. A Alemanha exporta para a União 60% do que produz. Se esse mercado for ao fundo também não fica bem de todo. É preciso encontrar um equilíbrio e bom senso precisa-se para que ninguém fique a perder. As dívidas dos Países em dificuldades está em grande parte nas mãos do Bancos Alemães e Franceses. Se esses Países forem à banca rota e não pagarem está-se a ver a derrocada. Principalmente a Alemanha e a França tem ganho muito dinheiro com esta crise e com os juros usurários praticados.

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/06/o-euro-e-os-custos-de-financiamento.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/03/explicar-o-bce-na-esplanada-do-cafe.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/03/sabem-o-que-e-o-banco-americano-goldman.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/03/blog-post_25.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/05/confissoes-de-um-assassino-economico.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/06/confissoes-assassino-economico-ii.html
A diferença entre Norte e Sul da UE é evidente...
A Alemanha tem sido a "sanguessuga" monetária e económica da União Europeia através do mecanismo da moeda única ,o euro.

Apesar de ter uma dívida pública desproporcionada não divulgada e de não ter respeitado há poucos anos o limite de 3% de défice público na UE(atingiu cerca de 6% visíveis,mas teve muitas facilidades do BCE que os outros países-membros da UE-a França também está agora a ter- não tiveram).Assume-se agora descarada,desenquadrada das instituições da UE e falsamente puritana como mentora não do sonho mas sim do "pesadelo em que o euro se transformou".

A Alemanha é tão privilegiada pelos mercados de tal modo que até vende dívida pública alemã aos mercados a juros negativos(a França,que tem também uma divida pública desproporcionada,também está a beneficiar agora dessa significativa facilidade),enquanto os outros países-membros não gozam indevidamente dessas condições apesar de serem igualmente países-membros da União Europeia.
 
Algo está muito mal ...e a história da UE está muito mal contada.
Veremos...

É isto que os fachos da Goldman Sachs & FMI
querem!!!

Dividir para reinar!!

Os ultras são assim mesmo, asquerosos manipuladores com a coluna vertebral de um caracol.
É o que a Bola de Berlim quer: Divide pra governar
O PROJECTO EUROPEU
Os estrategas do projecto eram quase todos judeus e isso não é evidentemente nenhum crime, mas não se sentiam pertencentes a nenhuma nação (Israel ainda não existia), e achavam que toda a gente devia ser como eles (um erro de psicologia muito comum). Além disso, pensavam que tinham sido os nacionalismos a fomentar a II Guerra, o que não é verdade!!! Foram os nacionalismos REPRIMIDOS que fomentaram a Guerra, ou seja, o facto de a Inglaterra, a França e a Itália quererem governar a "Europa" desde o Tratado de Versailles!!! A Alemanha foi criminosa DUAS vezes, não por ser nacionalista (a Suiça também é e nunca invadiu ninguém) mas por ser IMPERIALISTA, o que é uma coisa COMPLETAMENTE DIFERENTE!!!

Está na altura pelo contrário de REHABILITAR os Nacionalismos PACÍFICOS!!!

A forma de saírmos disto é votar LEIS que subtraiam o controlo dos Estados ao Sistema Financeiro, e o DEVOLVAM AOS POVOS.

PORTUGAL deve sair da UE e do EURO, e voltar a ter MOEDA PRÓPRIA controlada pelo ESTADO!!!
Re: O PROJECTO EUROPEU
Re: O PROJECTO EUROPEU
O confronto é inevitável

Inevitável e desejável e quanto mais cedo melhor.
Qualquer tipo de aproximação de posições já virá fora de prazo, não se vislumbrando, nem de forma embrionária, quaisquer mecanismos que a possam viabilizar.

Ao Sul resta a esperança que a encosta seja o menos inclinada possível, de molde a manter a fé e a prolongar a agonia.

Ao Norte resta adiar o enfrentar da realidade, o fim do mito da solvência, que afinal depende apenas dos juros a que financiam a sua dívida.
Comentários, opiniões e táctica
Assunto interessante, muito comentado pela tertúlia, com opiniões muito variadas, algumas bem heterodoxas , o que demonstra o grande interesse suscitado.

Por mim. vejo mais uma táctica política. de uma raposa velha como Monti, acenando com uma possibilidade bem remota.
  A própria Itália, em que lugar a colocaria, a Norte ou a Sul ??
Porquê apelar à solidariedade estrangeira, quando dificilmente consegue a harmonia interna no assunto norte/sul ??

É uma manobra para a opinião pública alemã, traumatizada com a hipótese de conflito armado, esperando que se possa pressionar a dona Merkel a abrir os cordões à bolsa.

O dito Sul não tem razão nenhuma, tem máquinas políticas corruptas, gastadoras, e os próprios povos são consumistas e têm recorrida à dívida para os seus caprichos.

É normal que os pagantes, que diminuíram os gastos na previsão de crise, comecem a ficar fartos de ver outros a viver à grande, sem se preocuparem de produzir, bastando pedir à Alemanha, à Finlândia,etc, tudo para assentar na pedra de gelo e pôr ao Sol........
Re: Comentários, opiniões e táctica
Re: Comentários, opiniões e táctica
Re: Comentários, opiniões e táctica
Re: Comentários, opiniões e táctica
Channtagem dos incompetentes
Estamos a assistir como na Madeira á chantagem.
Os mais corruptos e malandros querem viver ás custas de quem poupa e trabalha.
O futuro do Sul da Europa é o Mediterrâneo
Monti vem só colocar os pontos nos ís , porque a fractura já existe , desde que à dois anos começou a crise grega , os países do sul , andaram este tempo todo foi em negação e a assobiar para o lado , a dizarem primeiro que não eram a Grecia , depois que não eram Portugal , agoram começam a caír na real e a verificar que essa fractura exposta por esta crise é inevitavel e é uma fractura de âmbito geo-político , e sistémico.

Uma fractura não só entre o norte e o sul , mas sim um espartilhar da Europa em varias unidades geo-políticas , falta é a França acordar para a nova realidade para esta se impôr :

- Uma zona atlântica , oeste com a preponderância da Grã-Bretanha.

- Uma zona sul com a Espanha e Italia , com a França e Portugal a navegar nestas duas zonas.

- Uma zona norte com a Alemanha e seus satélites.

- Uma europa de leste por si tambem espartilhada em varias zonas de influência , novamente será o "campo de guerra" da nova Europa , com a Alemanha , a Russia e o sul da Europa a disputarem a sua influência , nomeadamente com a Russia a "apanhar" a Grecia na sua órbita.

- Isto sem esquecer os Balcãs , crónicos na instabilidade , que ainda não resolveram os velhos conflitos e verão à sua volta a instabilidade crescer , muito provavelmente os Balcãs implodirão , e virarão uma especie de Somália na Europa.

Feito isto , o sul da Europa só terá uma alternativa , virar-se para o Mediterrâneo , foi aí o seu passado glorioso será sempre aí o seu melhor futuro
Comentários 73 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub