Anterior
Má-fé e má vontade
Seguinte
Não é só a economia, estúpidos
Página Inicial   >  Blogues  >  Aparelho de Estado  >   Israel e a flotilha de Gaza: um detalhe com importância

Israel e a flotilha de Gaza: um detalhe com importância

Ana Luiza Tapia, militar israelita de origem brasileira, conta a sua versão do que se passou com a flotilha.
|

Recebi por mail há dois dias um relato em primeira mão do sucedido com a flotilha que se dirigia a Gaza, escrito em português por uma médica brasileira que serve no exército israelita, Ana Luiza Tapia. Entretanto o texto completo foi reproduzido aqui . Este testemunho seria apenas um ponto de vista como tantos outros, não fosse este intrigante excerto (sublinhados meus):

O navio se recusou a parar. Disseram que eles mesmo entregariam a carga a Gaza. Assim, diante de um navio com 95% de civis inocentes (os outros 5% são ativistas de grupos terroristas aliados ao Hamas, que tramaram toda essa confusão), Israel decidiu oferecer aos comandantes do navio que parassem para inspeção em alto mar. Mandaríamos soldados para inspecionar o navio e se não houvesse armamento ele poderia seguir rumo a Gaza. Essa foi uma atitude extremamente pacifista do nosso exército, em respeito aos civis que estavam no navio. E, se não há armamento no navio, qual é o problema de que ele seja inspecionado? Os comandantes do navio concordaram com a inspeção.

 

Confesso que até agora não li qualquer outra fonte que focasse este aspecto. Isto pode parecer um detalhe à luz de quem está a debater o direito à existência de Israel, mas para aqueles que como eu, aceitam como uma evidência o direito de Israel a defender-se mas não assumem acriticamente que tudo o que Israel faz é bem feito, esta é uma questão importante. Afinal, a abordagem dos militares israelitas aos navios da flotilha foi feita com prévio assentimento dos seus comandantes ou não? E foi feita com a intenção de inspeccionar os navios ou de os tomar de assalto? Isto faz toda a diferença.


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 12 Comentar
ordenar por:
mais votados
Começa a desenhar-se o que se passou
O IHH está condenado a não mais passar por uma organização pacifista. Todos sabem que não o é, excepto a Turquia que está numa nova onda "democrática"

http://www.youtube.com/wa...
'Freedom Flotilla' for dummies:)
Fox News

Desatenção
O Vasco Campilho não sabia disto porque é desatento ou desinteressado! Toda a gente sabe isto, desde que se lesse outra imprensa que não a portuguesa...

Já agora sugiro que, nestas questões israelo-árabes as pessoas façam um esforço por 'ouvir' os dois lados da questão, em vez de partirem para juizos precipitados.

Leiam, por exemplo, o Jerusalem Post antes de formarem juizos simplistas!

http://www.jpost.com/
Re: Desatenção
Re: Desatenção
Re: Desatenção
Q questao que se poe 'e
que direito tem Israel de inspeccionar navios que se dirigem a outro pais e que se encontram em aguas internacionais????

'E que esse pequeno detalhe ainda ninguém explicou.

Cumprimentos da terra das tulipas.
Re: Q questao que se poe 'e
Re: Q questao que se poe 'e
Re: Q questao que se poe 'e
Um detalhe interessado
Bom, bom, era obter os dados (filmagens, gravações) do que realmente se passou. Infelizmente, Israel não o permitiu, publicou só o que lhe interessava, e roubou (não há outra palavra, roubou) todo o material dos embarcados. Evidentemente, se o fez, teria os seus motivos, o que directamente faz saltar as dúvidas e suspeitas. Pelo menos as minhas.
Agora, dizer que é um detalhe importante a versão exposta por uma militar israelita, como se pudesse ter qualquer fundamento objectivo, é mais do que duvidoso. Da mesma maneira pode-se acreditar nos que dizem que foram dados tiros antes da abordagem, nos que dizem que eram mais mortos mas os soldados atiraram muitos ao mar, ou qualquer outra declaração de uma parte claramente muito interessada. A única maneira de chegar a saber a verdade é uma investigação imparcial, internacional. Coisa que Israel já proibiu, o que, novamente, me levanta suspeitas: O quê querem esconder?
Factos
Digam o que disserem, o facto é que vários civis foram assassinados por militares. O resto são detalhes...
O IHH ajudou no Haiti e não foi mandado parar
O IHH, organização humanitária turca, transformada em bando de terroristas pela propaganda judaico-americana, esteve presente no Haiti, no rescaldo do terrível terramoto que assolou aquele país.
Nessa altura o IHH trabalhou tranquilamente no Haiti e não há notícia que tenham introduzido armas de destruição maciça no país.
Sublinhe-se que o IHH já actuou em outros teatros de tragédia, como a Indonésia e China, por exemplo, e não consta que estes estados tenham ficado à mercê dos tão temidos "terroristas".
PS-Anteontem mais quatro palestinianos foram ASSASSINADOS pelos israelitas num barco de borracha. O massacre continua...
Comentários 12 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub