0
Anterior
A RDA segundo Christian Petzold
Seguinte
Filme português aplaudido em Berlim
Página Inicial   >  Dossiês  >  Postais  >  Festival Internacional de cinema de Berlim  >   Isabelle Huppert perdida na selva
COM VÍDEO

Festival de Cinema de Berlim

Isabelle Huppert perdida na selva

Em "Captive", missionários católicos e turistas ocidentais são feitos reféns do grupo de separatistas islâmicos de Abu Sayyaf. Novo filme de Brillante Mendoza é baseado em factos verídicos. E é uma tremenda desilusão.

|
Isabelle Huppert perdida na selva

Therese Bourgoine, missionária católica, é apanhada com a sua colega Soledad a meio de um ataque de terroristas islâmicos a um resort na ilha de Palawan, nas Filipinas.

Os separatistas procuram alvos chorudos (empregados do Banco Mundial que, entretanto, já abandonaram o local) mas, durante o ataque nocturno, são incapazes de distinguir quem é quem. Levam com eles duas dúzias de pessoas para resgate. Primeiro de barco, depois a pé, selva fora. Começa a odisseia de "Captive", baseada em factos verídicos.

O calvário das vítimas será longo, os dias tornar-se-ão semanas e as semanas meses. Estamos em 2001 e, a meio do filme, os terroristas rejubilam quando ouvem na rádio os ataques do 11 de setembro.

A realização é um combate corpo a corpo, com a câmara ao ombro e em movimento constante, contagiada pelo calor do momento, num gesto estético especialmente caro ao filipino Brillante Mendoza, o autor de "Kinatay" e do excelente "Lola" (estreados em Portugal no ano passado).

Isabelle Huppert


Therese Bourgoine é Isabelle Huppert. Quando a atriz conheceu Brillante Mendoza, durante o Festival de Cannes 2010 (estava no júri e Mendoza concorria com "Kinatay"), sensibilizou-se com o trabalho do filipino.

Pouco tempo depois, o realizador oferecia-lhe um papel. Isabelle Huppert não é atriz para recusar desafios destes. Chegou a Manila para trabalhar e, três dias depois, já estava a filmar, agachada num 'barco de terroristas', sem saber se o seu vizinho do lado era ator profissional ou um daqueles amadores que Brillante recruta por instinto e dirige como se a realidade estivesse a ser captada no momento.

Tudo indicava que este seria o filme de Brillante Mendoza mais febril, mais insano, até porque havia um choque com a natureza que não era elemento cinematográfico de descartar. Sabíamos que Cannes e Veneza tinham recusado o filme mas as negas, por si só, não tinham abalado as expectativas. Afinal, o que falhou?

Violência


Pegue-se em "Kinatay", o mais severo dos filmes de Brillante Mendoza, em que um polícia novato, na noite mais negra da sua vida, acaba involuntariamente por tornar-se cúmplice do martírio de uma prostituta com dívidas.

Filme violento, sim, e que sabia manter pelos olhos do protagonista uma consciência da violência em causa. Em "Captive", essa consciência não existe. Terá Brillante Mendoza procurado isso mesmo - a natureza inexplicável da violência numa situação-limite?

Poderia tê-lo feito sem transformar uma das maiores actrizes da sua geração num 'corpo aos tombos', levado por um grupo de bons selvagens que parecem estar sempre a fazer número para a câmara de cinema. Poderia tê-lo feito - e isto custa mais - se conseguisse, na primeira vez que entra no terreno do thriller de guerra, dar a sensação de tempo, de todo aquele tempo que passa.
Brillante Mendoza vai recorrendo a intertítulos até ao 377.º dia em que o rapto finalmente acaba. Mas no rosto dos atores não se vê cativeiro algum.

Não vamos mais longe, para já: digamos apenas que "Captive" é um filme que se deixou ultrapassar pela experiência da sua própria rodagem.

"CAPTIVE"
de Brillante Mendoza
com Isabelle Huppert, Maria Isabel Lopez, Rustica Carpio
Competição
Mais informações em www.berlinale.de


Veja o trailer do filme "Captive"


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub