0
Anterior
Pontes tremidas
Seguinte
EDP e Coca-Cola, parcerias éticas?
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues Economia  >  As aventuras de uma empreendedora  >   Investidores procuram-se

Investidores procuram-se

|
O Secretário de Estado do Empreendedorismo , Carlos Oliveira, afirmou que este Governo não acredita que deve ser o Estado a financiar as empresas, até porque não tem crédito para tal, na conferência "Dia da Competitividade em Portugal", organizada pela AIP (Associação Industrial Portuguesa), AEP (Associação Empresarial de Portugal, Câmara de Comércio e Indústria), e pela CIP (Confederação Empresarial de Portugal). Mas as empresas não contribuem para a economia do país, com postos de trabalho, impostos e, indiretamente, para a diminuição de problemas sociais? Não é através do investimento, seja ele qual for, que se obtém retorno?

Posto isto, não há outra solução para as micro, pequenas e médias empresas senão procurarem investidores, como já o fazem. Sem dúvida que as associações, centros tecnológicos e de formação, e instituições vocacionadas para a inovação e empreendedorismo têm tido um papel crucial na vida de muitas empresas. É através destes que os empresários obtêm informações, formação e qualificações que de outra forma não conseguiam, assim como o acesso a programas de financiamento.

Falando especificamente nas start-up, as nossas empresas bebés, ligadas normalmente à investigação e desenvolvimento, que contribuem com ideias boas e inovadoras, precisam que lhes depositem confiança, isto é, que invistam nelas, porque podem vir a contribuir em muito para o nosso país. É certo que há um risco envolvido, mas também possuem, normalmente, uma expectativa de crescimento muito grande quando correm bem.

Se é verdade que existem alguns programas de financiamento, feiras de empreendedorismo onde os empresários fazem o pitch - termo da moda - para potenciais investidores, será que é verdade que há um interesse e uma procura inversa? Esta é uma realidade mais americana, em que investidores e famílias milionárias apoiam determinadas empresas.

Mas como estamos no mês em que se fala às almas mais generosas e os corações se tornam mais moles, porque não apelar ao investimento em empresas recém-nascidas, que têm muito para dar e só precisam de uma oportunidade?


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub