2
Anterior
Nove mortos e onze feridos na Birmânia
Seguinte
A morte saiu à rua...
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  A revolta dos monges  >   Internet cortada na Birmânia

Liberdade mais longe

Internet cortada na Birmânia

Os protestantes continuam a perder terreno numa luta que há muito se tornou desigual.

com agências |
Manifestação pacífica de imigrantes birmaneses frente à Embaixada da Rússia em Kuala Lumpur, Malásia, esta sexta-feira
Manifestação pacífica de imigrantes birmaneses frente à Embaixada da Rússia em Kuala Lumpur, Malásia, esta sexta-feira /  Lai Seng Sin/AP

Ao décimo primeiro dia de manifestações a junta militar continua a tentar enfraquecer os protestos de todas as maneiras.

Depois de ter conseguido afastar os monges, seguiu-se o corte da Internet, o que comprometeu o envio de centenas de imagens, uma das poucas armas que os birmaneses dispunham para dar a conhecer o que se está a passar no país.

Ko-Hitke é um bloguer birmanês a viver exilado em Londres desde os sete anos e uma das poucas pessoas que está a fornecer informações actualizadas vindas do país do sudoeste asiático.

O jovem de 28 anos tem recebido dezenas de fotografias dos protestos e das cargas policiais e o blogue está constantemente a ser actualizado com informações vindas directamente por quem está no "olho do furacão".

Hitke nunca identifica quem lhe fornece as informações nem os autores das fotografias, que muitas vezes são tiradas por simples telemóveis. O blogger sabe que está muito em risco. "Se forem apanhados o seu futuro é incerto. Podem apenas desaparecer, serem presos, ou mesmo mortos".

"É como uma missão"

Contudo um preço baixo a pagar pela liberdade duma nação: "Eles sentem que estão a servir o país. É como uma missão", referiu Hitke. Agora com o corte total da Internet em Rangum e uma suspensão parcial nas outras cidades a missão de Ko-Hitke e dos seus compatriotas levou um duro golpe.

Em Rangum os confrontos continuam a varrer as ruas da cidade, com as tropas anti-motim a disparar balas reais contra mais de 10 mil protestantes.

Com os dois principais pagodes e mosteiros de Rangum cercados por um forte contingente militar e depois de centenas de monges terem sido detidos, os protestos começam a ser liderados apenas por civis, o que está a dar mais campo de manobra aos militares para usar a violência.

Nos últimos dias houve pelo menos um pelotão que se recusou atacar os monges. Num país onde 85 por cento da população é budista não é visto com bons olhos agredir homens que para muitos são quase santos.

Enviado da ONU chega amanhã

As manifestações de apoio ao povo birmanês já chegaram a muitos dos países vizinhos, mas não só. Tóquio, Seul, Sidney e Banguecoque foram algumas das cidades onde centenas de pessoas se juntaram para mostrar que embora longe estão a apoiar a luta pela liberdade na Birmânia.

Os países da ASEN (Associação de Nações do Sudoeste Asiático) num acto conjunto e raro afirmaram estar "chocados" com a utilização de armas automáticas e "exigiram que o governo birmanês cesse imediatamente de utilizar a violência contra os manifestantes".

Uma atitude simpática mas que não chega. Segundo Benita Ferrero-Waldner, comissária europeia para as Relações Externas "o que é necessário são os contactos com o governo. São principalmente os países vizinhos, sobretudo a China, a Índia e os países da ASEAN, que devem verdadeiramente demonstrar o seu sentido de responsabilidade", apelou a austríaca em declarações a uma rádio alemã.

Amanhã deverá chegar ao país o enviado especial da ONU à Birmânia, Ibrahim Gambari.


Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
E os americanos???
Parece que os americanos foram os primeiros a condenar a situação. Mais ainda, condenaram na ONU os acontecimentos recentes propondo inclusivé sansões imediatas. E a Europa? E os outros? Onde é que estão os anti-americanos agora? Os Estados Unidos anunciaram hoje a aplicação de sanções económicas a 14 altos responsáveis birmaneses, sendo esta a primeira condenação prática internacional em resposta ao uso da força para reprimir as manifestações de protesto contra a junta militar que governa este país.
Pois é, onde é que anda a esquerda critica e pseudo anti-liberal que aparece sempre a condenar a América nas suas intenções imperialistas? Sejam justos e vejam quem são os primeiros a mostrar coragem diplomática! Desta vez não há petróleo no beato.
Re: E os americanos???
Comentários 2 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub