Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trinta mil iraquianos tentam reconquistar ao Estado Islâmico cidade natal de Saddam

Cidade está sob controlo jiadista há quase um ano, desde junho de 2014.

Forças militares iraquianas e milícias locais, com a ajuda de força aérea, deram início esta segunda-feira à maior operação militar para retirar Tikrit, a 150 quilómetros do norte de Bagdade, do controlo do autodenominado Estado Islâmico (Daesh). A operação conta com 30 mil tropas iraquianas, noticia a "Time".

De acordo com a agência Reuters, esta ofensiva militar é a maior operação feita em Tikrit desde que os radicais islâmicos conquistaram a cidade, em junho do ano passado. Apesar de o exército iraquiano ter tentado algumas vezes reconquistar Tikrit - cidade-natal de Saddam Hussein -, nunca conseguiu.

Uma estação televisiva anunciou esta segunda-feira o início da operação militar, um dia depois de o primeiro-ministro, Haidar al-Abadi, ter visitado as forças militares iraquianas e de ter dado um discurso que apelava a um ataque imediato e "necessário" para libertar Tikrit.

"Hoje [segunda-feira], damos início a uma campanha militar importante para libertar os cidadãos da província de Salahuddin, que inclui Samarra, Dhuluiya, Balad, al-Alam, al-Door, Tikrit e outras áreas que estão sob o controlo do Daesh", disse o primeiro-ministro Haidar al-Abadi numa estação televisiva iraquiana.

al-Abadi declarou ainda que um dos objetivos das forças militares é "libertar as pessoas que cometeram um erro ao aliarem-se àquele grupo [Daesh]", dando-lhes uma "última oportunidade" para "se renderem e terem um perdão concedido".

O primeiro revés

A Reuters avança que soldados iraquianos e xiitas bombardearam uma base militar no norte de Tikrit, local onde estavam alguns radicais islâmicos. No entanto, as tropas iraquianas já enfrentaram o primeiro revés: através de um esconderijo subterrâneo, os radicais islâmicos surpreenderam as tropas iraquianas quando estas estavam a avançar para Samarra.

Segundo fonte local citada pela Reuters, morreram pelo menos 16 militares das tropas iraquianas mais avançadas e 11 combatentes das milícias.