Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tensão entre EUA e Irão nas águas junto ao Iémen

  • 333

Porta-aviões USS Theodore Roosevelt, no Mar Arábico, na terça-feira

REUTERS

A movimentação de navios iranianos no Mar Arábico disparou receios nos Estados Unidos. Washington já enviou para a região o porta-aviões USS Theodore Roosevelt.

Margarida Mota

Jornalista

Arrancou hoje em Viena a ronda final de conversações relativas ao programa nuclear do Irão. O acordo anunciado a 2 de abril, entre o Irão e seis potências internacionais, foi um entendimento de princípio, seguindo-se agora negociações detalhadas visando a elaboração de um documento final até 30 de junho.

As conversações na capital austríaca acontecem numa altura em que a relação entre Estados Unidos e Irão atravessa um momento de tensão a propósito da situação no Iémen.

Washington apoiou a intervenção militar liderada pela Arábia Saudita (operação Tempestade Decisiva) - ontem Riade anunciou o fim dos bombardeamentos aéreos - e Teerão apoia os rebeldes houthis (xiitas), que invadiram a capital, Sanaa, em setembro e tomaram o poder em janeiro.

Na terça-feira, o Presidente dos Estados Unidos afirmou que o seu Governo enviou "mensagens muito diretas" ao Irão aconselhando-o a não fornecer armas "a fações dentro do Iémen" que possam ser usadas para perturbar o tráfego marítimo na região.

"Neste momento, eles têm navios em águas internacionais", disse Barack Obama, numa entrevista no programa Hardball, da televisão MSNBC. "Há uma razão para mantermos alguns dos nossos navios na região do Golfo Pérsico, que é garantir a liberdade de navegação."

Armada iraniana no Mar Arábico

Na semana passada, o sítio "The Hill", especializado na cobertura noticiosa do Congresso norte-americano (que se situa em Capitol Hill), escreveu, citando dois responsáveis da área da Defesa: "O Irão está a enviar uma armada de sete a nove navios - alguns com armas - na direção do Iémen numa potencial tentativa de reabastecer os rebeldes xiitas houthis".

Um porta-voz do Pentágono, Steve Warren, admitiu que a presença de "uma grande quantidade" de navios de carga iranianos no Mar Arábico contribuiu para o envio do porta-aviões USS Theodore Roosevelt e do cruzador USS Normandy para a região. Mas negou que o objetivo seja a interceção de navios iranianos suspeitos de transportarem armas.

No âmbito da operação Tempestade Decisiva, a Arábia saudita impôs um bloqueio naval ao Iémen. Por sua vez, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou um embargo de armas aos rebeldes houthis.