Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Suspensas as operações de resgate do avião da AirAsia. Sete corpos recuperados

Dos corpos retirados das águas, quatro são homens e três mulheres

EPA/ MALAYSIA NAVY

Mau tempo obrigou as autoridades a interromper os trabalhos de recuperação dos destroços do avião que se despenhou no domingo. Falha de comunicação levou autoridades a falar inicialmente em 40 corpos retirados das águas.

MafaldaGanhão, com Lusa

Foram esta quarta-feira resgatados os corpos de sete passageiros do avião da AirAsia que se despenhou no domingo, confirmaram as autoridades indonésias. A informação corrige o balanço inicialmente avançado por um porta-voz da Marinha, que, na terça-feira, falou em 40 cadáveres recuperados, dado incorreto, que terá resultado de uma falha de comunicação por parte do seu pessoal.

Dos corpos retirados das águas, quatro são homens e três mulheres, incluindo uma assistente de bordo, precisou Bambang Soelistyo, diretor da Agência Nacional de Busca e Resgate da Indonésia, segundo o canal Channel NewsAsia.

O copiloto do aparelho Hercules C130 da Força Aérea indonésia, o tenente Tri Wobowo, indicou que também avistaram destroços do aparelho a flutuar junto à costa do Bronéu, no Mar de Java.

Entretanto, um temporal, com ondas de mais de três metros, obrigou as autoridades a suspender as operações, nas quais tentam recuperar os restantes corpos e as caixas negras do avião para determinar exatamente o que sucedeu ao Airbus que se despenhou com 162 pessoas a bordo.

"Estamos com mau tempo agora. As chuvas e os ventos impediram-nos de retomar a operação esta manhã", disse o coordenador das operações de resgate da Força Aérea, S.B. Supriyadi, à agência AFP.

Um barco que participa nas operações de busca localizou, graças ao equipamento de sonar, o ponto exato onde se encontra a aeronave, a cerca de três quilómetros onde foram avistados, esta terça-feira, os primeiros destroços do aparelho que descolou da cidade indonésia de Surabaia com destino a Singapura.

O piloto-comandante lembrou que a retirada de mais corpos do mar depende da rapidez da equipa de buscas e de resgate que está no terreno e também "das condições do mar".