Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Sete mortos e todos os sobreviventes resgatados. Terminou a operação no ferry que se incendiou no Adriático

FOTO REUTERS

Depois de uma noite difícil e de uma manhã ainda complicada pelas condições no Mar Adriático, a operação de resgate foi concluída.

Foi na noite de domingo: o ferry Norman Atlantic incendiou-se nas imediações da ilha grega de Othonoi, quando fazia a ligação entre Grécia e Itália. Seguiam 478 pessoas a bordo - sete morreram e o resgate de todos os sobreviventes só terminou já ao início da tarde desta segunda-feira.

A guarda costeira italiana confirmou na sua conta oficial no Twitter o fim das operações de resgate e avançou com o balanço oficial de vítimas. As autoridades estão a bordo a proceder a inspeções.

O incêndio que deflagrou no domingo espalhou-se rapidamente. Sem causa confirmada, as chamas surpreenderam toda a gente quando o ferry circulava nas proximidades da ilha grega de Othonoi e a situação ter-se-á agravado pelo não funcionamento das portas corta-fogo. Uma investigação já anunciada tratará de esclarecer o que correu mal e como lidou a tripulação com a emergência.

Com bandeira italiana, o Norman Atlantic fazia a ligação entre o porto grego de Igoumenitsa e porto de Ancona, em Itália. O fogo terá começado na área de estacionamento, onde eram transportados cerca de 200 veículos.

As adversas condições no Mar Adriático e o frio extremo que se fez sentir durante a noite dificultaram as operações de resgate, que, apesar disso, se mantiveram ininterruptamente até serem retiradas todas as pessoas.

Após escaparem ao incêndio e a uma noite gelada, muitos dos passageiros retirados apresentavam sinais de hipotermia e sintomas de inalação de fumo, adiantaram as autoridades. Ao todo, 478 pessoas viajavam no ferry.

Quanto às vítimas mortais, sabe-se apenas o que provocou a morte a uma delas: um homem não resistiu depois de cair nas águas geladas do Adriático.

Entretanto, o procurador italiano de Bari, Giuseppe Volpe, anunciou  a abertura de uma investigação criminal sobre o acidente do ferry, para determinar  como é que o navio se incendiou e se houve negligência por parte da tripulação.

O dono da embarcação garantiu que todas as medidas de segurança foram tomadas e que o Norman Atlantic tinha passado todas as inspeções de segurança, incluiundo as portas de incêndio, no dia 19 deste mês. 

 

[artigo atualizado às 14h43, com novo balanço do número de mortos]