Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Rússia é fonte de dificuldades para os vizinhos da UE, diz Merkel

"Estou convencida de que a resposta europeia comum aos atos da Rússia é boa", diz Angela Merkel em entrevista ao jornal alemão Die Welt

Reuters

A chanceler alemã disse este domingo, em entrevista ao jornal Die Welt, que a Rússia "tenta manter sob a sua dependência económica e política alguns dos países dos Balcãs Ocidentais". 

A política levada a cabo por Moscovo coloca dificuldades a vários países vizinhos da União Europeia, disse a chanceler alemã Angela Merkel numa entrevista publicada este domingo no jornal alemão Die Welt.  

"Com a Moldávia, Geórgia e Ucrânia, temos três países na nossa vizinhança no leste que assinaram, de forma soberana, um acordo de associação com a União Europeia. A Rússia causa dificuldades a estes três países", disse Angela Merkel ao Die Welt, segundo excertos da entrevista citados pela agência France Presse.

"Vemos, por outro lado, que a Rússia tenta manter sob a sua dependência económica e política alguns países dos Balcãs Ocidentais", acrescentou. Angela Merkel também abordou as críticas lançadas por três antigos chanceleres - o conservador Helmut Kohl e os sociais-democratas Helmut Schmidt e Gerhard Schröder, partidários de uma linha mais flexível em relação a Moscovo.

"Estou convencida de que a resposta europeia comum aos atos da Rússia é boa", replicou. "O facto de a Rússia ter violado o memorando de Budapeste, de 1994, sobre a integridade territorial e soberania da Ucrânia não pode ser ignorado", acrescentou.

Na quinta-feira, o Presidente russo, Vladimir Putin, acusou o Ocidente de querer "controlar" a ascensão da Rússia e de estar sempre a querer atingir e diminuir aquela nação, à medida que ela se torna "mais forte e independente".Os países ocidentais, que acusam o Kremlin de apoiar militarmente os separatistas do leste ucraniano -acusação rejeitada por Moscovo - impuseram várias sanções contra a Rússia, colocando à prova a sua economia.

Moscovo, por sua vez reagiu com medidas de restrição sobre vários produtos europeus e norte-americanos. O mais recente exemplo foi o anúncio, na quarta-feira, pelas autoridades veterinárias russas da suspensão, a partir de segunda-feira, da importação das frutas e legumes provenientes da Albânia.