Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Rússia abandona negociações sobre o programa nuclear do Irão

  • 333

Secretário de Estado norte-americano John Kerry ri-se com ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, momentos antes da reunião no Palácio Hotel Beau Rivage, em Lausanne, na Suíça.

POOL

Os representantes de cinco potências mundiais reuniram-se esta segunda-feira com o Irão para chegar a acordo sobre a energia nuclear na república islâmica. O prazo final das negociações aproxima-se e o ambiente é tenso. Assim o prova o regresso a Moscovo de Sergei Lavrov, ministro dos Negócios Estrangeiros russo, que voltará à mesa das negociações assim que "um acordo político esteja iminente".

OS Estados Unidos, o Reino Unido, a Alemanha, a Rússia e China reuniram-se esta segunda-feira na Suíça com representantes do Irão, para dar um "empurrão final" aos acordos preliminares sobre o programa nuclear de Teerão. O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank Walter-Steinmer, disse ter havido "algum progresso" nas negociações. Contudo, o abandono das negociações pelo seu homólogo russo, Sergei Lavrov, indica o oposto.

Durante vários dias os representantes do Irão e das cinco potências mundiais reuniram-se em Lausana, para negociações que visam acordar formas de controlar a energia nuclear iraniana, em troca de um alívio nas sanções internacionais que têm prejudicado a economia do Irão.

Os cinco gigantes suspeitam que o país do Médio Oriente está a desenvolver armamento nuclear, contrariando os argumentos dos representantes de Teerão, que garantem estar interessados na energia nuclear somente para fins civis.

Segundo declarações do ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Abbas Araqchi, durante as conversações já "foram encontradas soluções para numerosas questões". Acrescenta, contudo, que ainda estão "a tentar resolver dois ou três assuntos".

"Lavrov estará pronto para voltar caso as negociações estejam iminentes"

As seis potências pretendem suspender as atividades nucleares de Teerão durante um mínimo de dez anos e desejam que o urânio seja enriquecido fora do país, mas as declarações de Araqchi na televisão estatal iraniana mostram que o regime iraniano não partilha a mesma vontade: "A exportação de stocks de urânio enriquecido não está no nosso programa e não temos intenção de enviá-lo para o exterior".

A atitude otimista de vários ministros, que cancelaram o regresso aos seus países este domingo, é contrariada pelo abandono das negociações do russo Sergei Lavrov. A sua partida foi confirmada por uma porta-voz, que anunciou que Lavrov "estará disposto a voltar na terça-feira", caso "um acordo político esteja iminente". O lugar do ministro está a ser ocupado pelo deputado russo Sergei Ryabkov.

O prazo para o fim das conversações preliminares termina à meia-noite desta terça-feira e, caso seja conseguido, será um dos primeiros passos para um acordo final a ser assinado a 30 de junho. Vários países árabes, além de Israel, mostram-se preocupados com este compromisso e temem que o resultado possa alterar o xadrez geopolítico no Médio Oriente.