Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Recomeçam as conversações de Paz sobre a Ucrânia

Ucrânia, Rússia, França e Alemanha voltam a discutir esta quarta-feira a situação ucraniana. Países bálticos temem novas reivindicações russas.

Petro Poroshenko, Vladimir Putin, François Hollande e Angela Markel deliberaram retomar as conversações de Paz sobre a Ucrânia esta semana. Os encontros decorrem entre quarta e sexta-feira e envolvem negociadores da Ucrânia, da Rússia, rebeldes pró-russos e a Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE).

A decisão de retomar o diálogo sobre o conflito no leste da Ucrânia foi tomada durante uma conferência telefónica entre os quatro líderes. O gabinete do Presidente ucraniano Petro Poroshenko avançou entretanto que as negociações irão decorrer em Minsk, capital da Bielorrússia.

A presença da NATO na região báltica tem denunciado as constantes actividades militares russas naquela zona. Depois da anexação da Crimeia, os países bálticos temem que a Rússia faça novas reivindicações de território e têm apostado no reforço do armamento de guerra. Segundo a revista alemã "Der Spiegel", as despesas militares da Letónia, da Lituânia e da Estónia aumentaram cerca de 300 milhões de euros em seis meses.

As negociações surgem depois de a Ucrânia, a União Europeia e os Estados Unidos terem acusado Moscovo de fornecer tropas e armamento aos separatistas pró-russos. A Rússia recusou as acusações.

As conversações ocorridas em Minsk, em setembro, acabaram por enfraquecer as relações entre a Rússia e o Ocidente. A decisão de cessar-fogo acabou por ser violada sucessivamente quer por ucranianos quer pelos rebeldes russos, e os confrontos resultaram em mais 1.300 mortes. Tanto o Kremlin como o gabinete de Poroshenko dizem que os líderes concordam com a necessidade de respeitar o cessar-fogo e reconhecem a necessidade de retirar o armamento do terreno e libertar os prisioneiros de guerra. É na discussão destas questões que os dois países encontram as maiores divergências.

Troca de acusações continua

Moscovo voltou a apelar ao Presidente ucraniano para que volte atrás na decisão de suspender as pensões e os serviços sociais à população do leste da Ucrânia.

Kiev diz que Moscovo deve libertar Nadezhda Savchenko, uma oficial ucraniana que foi presa pelos rebeldes em junho e que aguarda atualmente julgamento numa prisão russa. Savchenko é acusada de envolvimento na morte de dois jornalistas russos no leste da Ucrânia.

Nursultan Nazarbayev, presidente do Cazaquistão, disse que o conflito no leste da Ucrânia é "absurdo" e apelou a que os dois países encontrem uma solução para o conflito. O Cazaquistão tem relações bilaterais com a Ucrânia e com a Rússia. O líder foi a Kiev para uma reunião com o presidente ucraniano Petro Poroshenko antes de seguir para Moscovo, onde se vai reunir com os chefes de Estado da Rússia e da Bielorrússia.