Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Internacional

Presos do Mensalão deixam de ter regalias na cadeia

  • 333

Juízes decretaram o "tratamento igualitário" no estabelecimento prisional de Papuda, em Brasília. Regalias a condenados do Mensalão agitaram a prisão.

O Tribunal Federal de Brasília decidiu pôr fim aos privilégios dos presos do Mensalão, no estabelecimento prisional da Papuda, na capital brasileira, após queixas de outros presidiários e familiares.

A decisão dos juízes da Vara de Execuções Penais surge depois de uma inspeção do Ministério Público, entre 25 e 26 de novembro, tendo verificado um clima de "insatisfação e instabilidade" na prisão, devido à desigualdade no tratamento entre os presos.

"Não há qualquer justificação para que seja dado a um interno ou grupo específico tratamento distinto daquele dispensado a todos os demais reclusos, valendo consignar que é justamente a crença dos presos nesta postura por parte da Justiça do Distrito Federal que mantém a estabilidade do precário sistema carcerário local", pode ler-se no documento da Vara.

Condenados encomendavam pizzas

Os condenados no Mensalão chegaram a receber visitas fora do horário estipulado e a encomendar pizzas à noite, que agentes da Polícia Federal iam buscar a restaurantes, entre outras regalias, refere o "Estado de São Paulo."

Além da insatisfação na prisão, também os familiares começaram a apresentar queixas, invocando que tinham que esperar horas nas filas para as visitas, enquanto os familiares dos condenados do Mensalão podiam visitar os presos noutros horários. 

Na semana passada, a Vara de Execuções Penais tinha decidido que os condenados do Mensalão podiam receber visitas às sextas-feiras, enquanto os outros presos às quartas ou quintas-feiras, com vista a garantir a segurança na prisão. 

Hotel que contrata Dirceu é alvo de piadas e críticas 

O hotel St. Peter, em Brasília, que contratou José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil brasileira  - condenado a sete anos e 11 meses de prisão em regime semiaberto - tem recebido uma chuva de e-mails com críticas e piadas sobre o novo gerente, que receberá um salário de 20 mil reais (6422 euros).

Na quinta-feira, cerca de 90% do correio eletrónico do hotel era sobre José Dirceu, revelou um funcionário à "Folha de São Paulo", garantindo, contudo, que não vão bloquear a entrada de e-mails sobre esse assunto, apenas irão ignorá-los e deixá-los sem resposta.

O dono do hotel St. Peter, Paulo Masci Abreu, detém também um grupo de media - Rede Mundial de Comunicações - com 10 rádios e uma estação de televisão, a Top TV, aguardando ainda pela concessão de outro canal.

De acordo com a mesma fonte, o empresário é acusado de ter sido beneficiado pelo governo brasileiro, ao permitir a transferência da antena de uma das suas emissoras para a Avenida Paulista, no centro de São Paulo.