Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

ONU exige apoio para as 18 mil pessoas isoladas pelo Estado Islâmico em Yarmouk

  • 333

O avanço do Daesh sobre Yarmouk deixou 18 mil pessoas ainda mais isoladas

Reuters

"Não há comida, não há água e muitos poucos medicamentos... As pessoas estão isoladas nas suas casas, há combates nas ruas", relata um responsavel da ONU. O avanço do autodenominado Estado Islâmico sobre o campo de refugiados Yarmouk, nos subúrbios da capital síria, deixou cerca de 18 mil palestinianos e sírios em condições "sub-humanas".

O Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) exigiu o acesso de agências humanitárias ao antigo campo de refugiados palestinianos de Yarmouk, nos subúrbios da capital síria, de modo a que possam prestar assistência e retirar cerca de 18 mil palestinianos e sírios, 3500 dos quais crianças.

Estes encontram-se isolados desde que grande parte do campo passou a ser maioritariamente controlada pelo autodenominado Estado Islâmico (Daesh), na semana passada.

Alvo de ataques e sem conseguirem ter acesso a auxílio ou a bens alimentares, os residentes sobrevivem agora em condições "sub-humanas", alerta a ONU.

A presidente do Conselho de Segurança e embaixadora da Jordânia, Dina Kawar, afirmou que os 15 Estados-membros estão preparados para avançar com medidas destinadas a assegurar a proteção de civis, o acesso humanitário e o fornecimento de apoio para a sua sobrevivência.

Situação "mais desesperada do que nunca" 

A situação é "mais desesperada do que nunca", indicou à ONU Pierre Krahenbuhl, da agência da ONU para os refugiados palestinianos, UNRWA.

Criado há cerca de 60 anos, Yarmouk é um campo de refugiados palestinianos que se converteu numa zona residencial onde vivem palestinianos e sírios.

Situado às portas de Damasco, o campo já se encontrava desde 2014 sob o cerco do regime de Bashar al-Assad, por albergar opositores.

Em colaboração com jiadistas da Frente al-Nusra, grupo sírio ligado à Al-Qaeda, o Daesh iniciou na semana passada uma ofensiva sobre o campo, do qual terá conseguido conquistar cerca de 90%, segundo indicou no fim de semana o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Milícias palestinianas opositoras do regime sírio e combatentes do Exército Sírio de Libertação estão combater os jiadistas, enquanto o exército sírio reforçou o cerco e efetua incursões regulares a Yarmouk.