Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Obama e o discurso de Netanyahu: "Não ofereceu alternativas viáveis"

  • 333

FOTO Aude Guerrucci-Pool/Getty Images

Presidente dos EUA diz que o primeiro-ministro israelita não acrescentou nada à "questão fundamental: como vamos evitar que o Irão obtenha uma arma nuclear?"

Raquel Pinto

A presença de Benjamim Netanyahu no Congresso norte-americano não trouxe nada de novo para o Presidente Barack Obama, depois de um rol de críticas ter caído sobre a cabeça do primeiro-ministro israelita. Primeiro, porque os republicanos, sem consulta prévia, decidiram convidá-lo para discursar em Washington, segundo porque a sua presença foi entendida como estando a imiscuir-se em assustos de diplomacia alheia, neste caso, entre a administração Obama e o Irão.  

Sem "alternativas viavéis", assim comentou Obama, desvalorizando o impacto dos avisos de Netanyahu, num discurso contundente e fortemente aplaudido pelos senadores e deputados republicanos. 

A reação surgiu a partir da sala Oval depois de ter estado reunido com o Chefe do Esatdo Maior do Exército, o general Martim Dempse, e o novo secretário de Defesa Ashton Carter. O Presidente dos EUA voltou a defender que cessar as negociações conduziria o Irão a redobrar os seus esforços para fabricar uma bomba atómica. 

"Sobre a questão fundamental, que é como vamos evitar que o Irão obtenha uma arma nuclear, que o tornaria muito mais perigoso, o primeiro-ministro não ofereceu alternativas viáveis" 

A duas semanas de eleições legislativas em Israel, Netanyahu visitou os EUA, numa viagem que gerou fricção entre os dois sem que tenha havido um encontro oficial.