Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Obama considera ataque informático à Sony "vandalismo"

A Coreia do Norte já desmentiu ter tido qualquer ligação ao ataque informático contra a Sony

MARIO ANZUONI/REUTERS

O Presidente norte-americano está a ponderar se volta a incluir a Coreia do Norte na lista de patrocinadores do terrorismo.

Cristina Pombo com Lusa

O Presidente norte-americano, Barack Obama, afirmou hoje que o ataque informático contra a Sony Pictures, que Washington atribui à Coreia do Norte, foi "cibervandalismo" e não um ato de guerra.     

"Não creio que tenha sido um ato de guerra. Penso que foi um ato de cibervandalismo com custos elevados. Levamos o assunto muito a sério", declarou o Presidente numa entrevista à CNN, que divulgou antecipadamente alguns excertos da conversa.

Barack Obama disse ainda que os EUA estão a considerar recolocar a Coreia do Norte na sua lista de patrocinadores do terrorismo depois deste ato de pirataria informática. 

A Coreia do Norte esteve nessa lista durante duas décadas até que foi retirada pela Casa Branca em 2008, depois de Pyongyang ter acedido à verificação total das suas instalações nucleares.

O grupo Sony Pictures foi alvo no final de novembro de um ataque informático reivindicado pelo grupo de piratas informáticos GOP ("Guardians of Peace") e foram divulgadas algumas mensagens de correio eletrónico embaraçosas.     

Washington acusa a Coreia do Norte de ser responsável pelo ataque, que forçou a Sony Pictures a anular a estreia do filme "Uma entrevista de loucos" (The Interview, título original), uma comédia satírica sobre um 'complot' fictício da CIA para assassinar o líder norte-coreano, Kim Jong-un.    

Obama já tinha criticado o cancelamento do filme.    

A Coreia do Norte desmente qualquer ligação ao ocorrido e propôs um inquérito conjunto, proposta que Washington rejeitou.